‘F1 to IndyCar – Como os antecessores de Grosjean se saíram’? – Semana de esportes motorizados

Romain Grosjean fará a transição da Fórmula 1 para a IndyCar em 2021, mas está longe de ser o primeiro piloto a mudar para a série com sede nos Estados Unidos. MotorsportWeek.com avalia como alguns de seus antecessores se saíram.

Rubens Barrichello

Barrichello se tornou o piloto mais experiente da Fórmula 1, marcando 11 vitórias, mas saiu no final de 2011 e se juntou à KV Racing na IndyCar.

Barrichello se recuperou após um início difícil para alcançar três resultados consecutivos entre os 10 primeiros em Barber, Long Beach e em sua cidade natal, São Paulo. Recebeu o prêmio de Estreante do Ano pela 11ª posiçãoº nas 500 milhas de Indianápolis, sua primeira corrida oval, e conseguiu a melhor quarta em Sonoma.

Foi uma campanha estimulante, se não excelente, de estreante, mas acabou sendo sua única temporada quando ele voltou ao Brasil para competir em stock cars.

Max chilton

Chilton passou quase duas temporadas na Fórmula 1 com a Marussia, mas deixou o esporte junto com a equipe após o Grande Prêmio da Rússia de 2014.

Em vez de perseguir uma corrida na Europa, Chilton mudou-se para os Estados Unidos. Mas, de maneira incomum, ele deu um passo em direção às Indy Lights e obteve uma vitória solitária no Iowa Speedway.

Chilton foi promovido à IndyCar com Chip Ganassi em 2016 e liderou a corrida no Indianápolis 500 de 2017, mas os resultados foram difíceis de encontrar, e desde 2018 ele corre pela Carlin.

Alexander Rossi

Depois de uma série de situações difíceis, Alexander Rossi finalmente conseguiu sua chance na Fórmula 1 em 2015, embora apenas em cinco eventos, e com a equipe Manor Marussia desesperadamente fora do ritmo.

Rossi, anteriormente relutante em se mudar para a IndyCar, juntou-se à Andretti Autosport em 2016 e causou um grande impacto quando dominou uma estratégia de combustível fora do lugar para triunfar nas 500 milhas de Indianápolis.

100ª corrida do campeão da Indy 500 Alexander Rossi durante seu photoshoot do dia pós-corrida – Foto por: Matt Fraver

Desde então, Rossi se tornou um dos pilotos mais formidáveis ​​da IndyCar, conquistando mais seis vitórias e se classificando como vice-campeão na classificação de 2018.

Marcus ericsson

A Ericsson começou quase 100 GPs para a Caterham e a Sauber entre 2014 e 2018, mas ficou sem uma unidade de Fórmula 1 em 2019.

A Ericsson manteve uma conexão com a Sauber, mas rapidamente encontrou um lar na IndyCar com a Schmidt Peterson Motorsports.

Ericsson conseguiu um pódio na segunda rodada do ‘Dual in Detroit’ e perdeu um possível top 10 na Indy 500 após um erro ao entrar nos boxes que o forçou a abandonar a corrida.

Desde então, Ericsson mudou-se para Chip Ganassi, onde encontrou uma forma mais consistente e pretende continuar a crescer na sua segunda época com a equipa em 2021.

Takuma Sato

Sato, apoiado pela Honda, correu na Fórmula 1 entre 2002 e 2008 pela Jordan, BAR e Super Aguri, embora nunca tenha alcançado resultados consistentes, apesar dos surpreendentes flashes de velocidade.

Sato alcançou um único pódio na Fórmula 1 com a BAR e, sem surpresa, ele foi para o Grande Prêmio dos Estados Unidos, que mais tarde foi realizado em Indianápolis.

Sato mudou-se para a IndyCar em 2010 e logo destacou sua reputação como um piloto de luta, buscando um movimento tudo ou nada para a liderança na volta final da Indy 500 de 2012, girando contra a parede como resultado.

Mas Sato se reagrupou e desde então registrou seis vitórias, duas das quais, em 2017 e 2020, foram na Indy 500, tornando-se o primeiro piloto asiático a triunfar no evento.

Juan Pablo Montoya

Montoya teve que esperar por sua chance na F1 devido a alguns problemas financeiros com a Williams, mas a equipe o manteve como piloto reserva desde 1998.

Em um acordo de troca de piloto com Chip Ganassi, Williams enfrentou Alex Zanardi com pouco sucesso, mas Montoya prosperou nos EUA, ganhando o título da CART em 1999 e a vitória na Indy 500 de 2000 com uma única aparição com Ganassi.

O colombiano recebeu a oportunidade prometida na F1 com a Williams em 2001-2004 antes de se mudar para a McLaren e continuou no campeonato até 2006 com um total de sete vitórias.

Montoya acabou ficando desiludido com a F1 e partiu para a NASCAR após o Grande Prêmio dos Estados Unidos naquela temporada.

Juan Pablo Montoya ganha a 99ª edição da Indy 500 – Foto: Chris Owens

Em 2014, Montoya retornou à IndyCar com a Penske e lançaria uma carga de título em 2015, que incluía uma surpreendente volta para ganhar um segundo Indy 500. Apesar de liderar a classificação de pontos durante toda a temporada, ele acabaria por perder o título na contagem de vitórias contra agora . Scott Dixon, seis vezes campeão.

Montoya está planejando outro retorno às 500 milhas de Indianápolis em 2021 com a Arrow McLaren SP.

Justin wilson

Wilson impressionou na Fórmula 1 em 2003, apesar das limitações de seu quadro elevado, arrastando sua Minardi para posições de ataque antes de mudar para a Jaguar.

Mas a economia o tirou da cadeira em 2004 e Wilson mudou-se para a CART, como estava, tornando-se um sucesso instantâneo no programa.

O piloto britânico acumulou sete vitórias, incluindo a primeira para a Dale Coyne Racing, mas a tragédia aconteceu em 2015. Wilson sofreu ferimentos fatais quando foi atingido em Pocono por um pedaço pesado de fibra de carbono que se soltou do carro de Sage Karam.

Justin Wilson celebra a vitória de 2009 em Watkins Glen, a primeira da Dale Coyne Racing na IndyCar

Emerson Fittipaldi

Fittipaldi conquistou títulos de Fórmula 1 em 1972 e 1974, mas seu sucesso diminuiu ao longo da década com sua própria equipe e ele se aposentou em 1980.

Fittipaldi revigorou sua carreira de automobilismo nos Estados Unidos com a Patrick Racing, conquistando a dupla / título da Indy 500 em 1989, e manteve a liderança quando mudou para a Penske.

Em 1993, ele venceu a Indy 500 pela segunda vez, mas gerou polêmica quando se recusou a tomar leite tradicional após a corrida em favor de promover sua própria marca de suco de laranja.

Sua última vitória na IndyCar foi em Nazareth Speedway em 1995, antes de se aposentar das corridas no final de 1996, aos 49 anos.

Nigel Mansell

Em uma carreira repleta de promessas, lesões e contratempos pessoais, todos em igual medida, Mansell eventualmente conquistou o título tardio da Fórmula 1 em 1992, mas as negociações com a Williams foram interrompidas e ele mudou-se para a CART em 1993 com a Newman Haas Racing.

Mansell sorprendió a los participantes al llevarse la victoria en su carrera debut en Surfers Paradise, pero un choque de práctica en Phoenix Raceway, lo suficientemente fuerte como para perforar un agujero en la pared de concreto, obligó a Mansell a salir por una lesión en la costas.

Nigel Mansell – 1993 Indy 500, # 5, Kmart / Texaco Havoline, Lola, Ford Cosworth XB

Mansell voltou rapidamente à ação e conquistou o terceiro lugar na Indy 500, tendo perdido a liderança para Fittipaldi no reinício tardio, e conquistou o título, mas seu tempo na série já estava chegando ao fim.

A relação de Mansell com a série deteriorou-se até 1994, a morte acelerada por máquinas menos competitivas, ele foi recrutado novamente para a F1 pela Williams após a morte de Ayrton Senna.

Mario andretti

O nome Andretti é sinônimo de automobilismo, especialmente nas principais categorias de MPV da América.

Andretti chegou às corridas profissionais no Campeonato USAC em 1964 e conquistou três títulos de série em 1965, 1966 e 1969, um ano em que também alcançaria sua única vitória na Indy 500.

Seus compromissos fizeram com que ele participasse apenas esporadicamente de corridas de Fórmula 1 antes de finalmente competir em tempo integral, culminando no campeonato de 1978, que acabou sendo o último da Lotus.

Andretti encerrou sua carreira na Fórmula 1 em 1982 e voltou para a IndyCar, conquistando outro título em 1984 com a Newman Haas-Racing.

Sua última vitória na IndyCar foi em Phoenix, em 1993, e ele se aposentou depois de 1994, embora ainda tenha participado de um teste em 2003, aos 63 anos, e continue sendo um rosto familiar na série.

Ele deixa para trás incontáveis ​​recordes da IndyCar, como permanecer o líder de todos os tempos na pole position, voltas lideradas, largadas de corrida, o vencedor mais antigo da corrida e continua sendo o único piloto a vencer corridas em quatro décadas.

Mario Andretti – 1969, # 2, STP Oil Treatment, Hawk III, Ford

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *