Facebook abandona rede de contas vinculadas ao clã Bolsonaro e aos deputados do PSL – 07/07/2020

Facebook abandona rede de contas vinculadas ao clã Bolsonaro e aos deputados do PSL - 07/07/2020

O Facebook desmontou nesta quarta-feira (8) uma rede de contas, páginas, grupos e perfis na rede social e Instagram vinculados aos funcionários da Presidência. Jair Bolsonaro (sem partido), o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), além de se envolver com o PSL, partido para o qual o presidente foi eleito.

As exclusões ocorreram porque essas páginas usavam ações proibidas, como usar contas falsas, enviar spam ou adotar ferramentas artificiais para aumentar a presença online.

É a primeira vez que o Facebook realiza tal ação no Brasil. Também nesta quarta-feira, três outras derrubadas massivas foram feitas nos Estados Unidos, Ucrânia e outros países da América Latina, a partir de redes coordenadas que se apresentam como outras pessoas.

No Brasil, embora os envolvidos tentassem ocultar suas identidades, o Facebook pôde verificar sua conexão com pessoas ligadas ao PSL e funcionários dos deputados estaduais Anderson Moraes e Alana Passos (ambos do PSL-RJ) e do clã Bolsonaro. Segundo a rede social, há indícios de que parlamentares, como Eduardo e Jair Bolsonaro, estejam diretamente envolvidos.

Atribuímos apenas o que podemos provar. E removemos todas as partes da rede. Vimos conexões com o PSL e com a equipe nos escritórios das pessoas mencionadas e sua participação direta
Nathaniel Gleicher, líder da política de segurança do Facebook

As contas também publicaram conteúdo sobre políticas e eleições nacionais, memes e críticas a figuras da oposição, organizações de mídia e jornalistas. Mais recentemente, o grupo começou a distribuir textos, vídeos e fotos sobre a pandemia de coronavírus.

O Facebook não detalha se esse conteúdo continha falsificações Notícia ou não. Ele apenas informa que a rede não foi interrompida por isso, mas por se passar por outras pessoas. A empresa acrescenta que algumas das publicações já havia sido alvo de despejos por estupro local, como aquele que proíbe o discurso de ódio.

Algumas das imagens postadas pelo Facebook mostraram publicações sobre o ex-ministro Sergio Moro e uma publicação que acusou a TV Globo de inventar mortes falsas pela covid-19.

No total, foram desmobilizados os seguintes:

  • 35 contas do Facebook
  • 38 contas do Instagram
  • 14 páginas
  • 1 grupo no Facebook

Essa rede tinha:

  • 883k ​​seguidores no Facebook
  • 350 membros do grupo
  • 917k seguidores do Instagram

A empresa também identificou que o grupo gastou US $ 1.500 em anúncios.

O tipo de conduta que levou à sanção é chamado pelo Facebook de “comportamento não autêntico coordenado”, porque os criminosos tentam enganar os usuários da rede social assumindo a identidade de outras pessoas. A rede social identificou, por exemplo, que o grupo usava essas contas para representar repórteres ou gerentes de redação.

“Para mim, o que você está dizendo é novo. Minha conta está confirmada. Agora, não temos acesso à conta das pessoas que trabalham conosco. Todo mundo publica o que deseja, aqui não peço a ninguém que publique nada, mesmo para republicar o meu. Não é verdade que tenho duas contas “, diz o deputado Anderson Moraes, em resposta ao relatório.

Inclinação Ele está tentando entrar em contato com o presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro e a deputada estadual Alana Passos. Esta notícia será atualizada com suas respostas ao relatório do caso.

* Rodrigo Trindade e Gabriel Francisco Ribeiro colaboraram

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.