Facebook derruba rede de desinformação ambiental ligada ao Exército do Brasil

SÃO PAULO, 7 Abr (Reuters) – A Meta Platforms, proprietária do Facebook, disse nesta quinta-feira que removeu uma rede de contas de mídia social vinculadas aos militares brasileiros que estavam se passando por falsas organizações sem fins lucrativos para minimizar os perigos do desmatamento.

Embora os indivíduos envolvidos no anel fossem militares ativos, a investigação de Meta encontrou evidências insuficientes para estabelecer se eles estavam seguindo ordens ou agindo de forma independente, disse uma pessoa com conhecimento do assunto.

O relatório trimestral da Meta pode ser prejudicial ao presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. O ex-capitão do exército de extrema direita, um cético de longa data do ambientalismo, enviou as forças armadas para a Amazônia em missões fracassadas para reduzir a destruição da maior floresta tropical do mundo. consulte Mais informação

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

A operação de remoção, a primeira do Meta a atacar uma rede focada principalmente em questões ambientais, também pode aumentar os ataques de Bolsonaro a grandes empresas de tecnologia, que ele acusa de sufocar vozes conservadoras em suas plataformas.

Críticos dizem que Bolsonaro e seus apoiadores usam as plataformas para espalhar desinformação perigosa que prejudica as instituições democráticas do Brasil.

Em seu relatório, Meta disse que a rede não identificada, que tinha escala limitada e engajamento autêntico, usou contas falsas no Facebook e Instagram para postar inicialmente sobre a reforma agrária e a pandemia em 2020 antes de se concentrar em questões ambientais no ano passado.

“Em 2021, eles criaram páginas que se apresentavam como ONGs e ativistas fictícios focados em questões ambientais na região amazônica do Brasil. “, disse Meta em seu relatório.

“Embora as pessoas por trás (da rede) tenham tentado esconder suas identidades e coordenação, nossa investigação encontrou links para pessoas associadas às Forças Armadas Brasileiras”.

Meta se recusou a fornecer informações adicionais sobre sua investigação.

Os militares do Brasil disseram em comunicado que estavam cientes das alegações da Meta e entraram em contato com a empresa para acessar dados que apoiam suas alegações de envolvimento militar.

Ele disse que exigia que todos os seus membros praticassem “verdade, probidade e honestidade”.

O gabinete de Bolsonaro não respondeu a um pedido de comentário.

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Brad Haynes Redação e reportagem adicional de Gabriel Stargardter; editado por John Stonestreet e Sandra Maler

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.