Facebook não protege direitos civis, diz auditoria 07/07/2020

Alphabet doará mais de US $ 800 milhões para ações de combate ao Covid-19 - 27/03/2020

Por Supantha Mukherjee e Elizabeth Culliford.

BANGALORE / LONDRES (Reuters) – O Facebook não fez o suficiente para proteger seus usuários contra discriminação, desinformação e incitação à violência, disse uma auditoria externa de direitos civis na quarta-feira, o que aumentou a pressão sobre a empresa em meio a de um boicote de anunciantes

O relatório de auditoria, contratado pelo Facebook há dois anos, apontou o que os autores descreveram como uma série de decisões prejudiciais, incluindo um “terrível precedente” por não intervir nas postagens do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nas últimas semanas. . Isso poderia permitir que a plataforma fosse “usada como arma para suprimir a votação”.

As descobertas foram feitas quando quase 900 anunciantes, incluindo grandes marcas como a Coca-Cola, aderiram a um boicote promovido pelos principais grupos de direitos civis dos Estados Unidos, incluindo a Liga Contra a Difamação.

“Muitos na comunidade de direitos civis ficaram desanimados, frustrados e irritados após anos de envolvimento, pedindo à empresa que fizesse mais para promover a igualdade e combater a discriminação, além de proteger a liberdade de expressão”, escreveu o auditores.

O Facebook encomendou a auditoria em 2018 como parte de sua resposta a uma série de críticas sobre questões como privacidade de dados, repressão dos eleitores, incitação à violência e falta de transparência na publicidade política. A auditoria foi liderada por Laura Murphy, ex-diretora do escritório legislativo da União Americana das Liberdades Civis.

A empresa não indicou imediatamente medidas específicas a serem tomadas em resposta às descobertas, mas emitiu uma declaração atribuída à vice-presidente de operações Sheryl Sandberg, descrevendo a auditoria como “um processo realmente importante para nossa empresa”.

“O Facebook é firmemente contra o discurso de ódio”, disse Sandberg. “O que ficou cada vez mais claro é que temos um longo caminho a percorrer”.

Os auditores disseram que o Facebook estava muito disposto a isentar os políticos de suas regras, permitindo a disseminação de informações falsas, a retórica prejudicial e divisiva e até mesmo exaltando a violência.

Os organizadores do boicote à empresa se encontraram na terça-feira por videoconferência com o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg. Após a reunião, os ativistas disseram que “não viram compromisso com a ação” em relação às mudanças da empresa.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.