Falando de política e música brasileira com Da Cruz

hejira O apresentador de rádio de música mundial Jeff Spitzer-Resnick recentemente teve a oportunidade de entrevistar ane heibeisen Y mariana da cruz da banda dá cruz. Atualmente moram em Berna, Suíça e estão com um novo álbum, baladas de luta (Baladas para a luta.) Discutimos a política brasileira e como ela afeta sua música. O seguinte é uma transcrição levemente editada (para maior clareza) da entrevista

JSR: Eu tenho Ane Heibeisen e Maria da Cruz da banda Da Cruz comigo, e elas estão atualmente em Berna, na Suíça. Bem-vindo, você já tem um novo álbum! Em primeiro lugar, e vou deixar vocês fazerem um de cada vez, digam-me o que cada um de vocês faz neste álbum.

AH: Sim, na verdade eu faço muito. Eu sou o maestro da banda. Eu sou o produtor da banda. Eu faço as coisas eletrônicas. Eu sou o rótulo. Então, você deve saber que Da Cruz é uma coisa muito independente. Nós fazemos tudo sozinhos.

JSR: Isso é ótimo. Você é da Suíça, correto?

Ah sim.

JSR: E a Mariana?

MDC: Sim, eu sou o cantor. E eu faço as letras. Eu componho a música, mas fazemos isso juntos.

JSR: E você é do Brasil?

MDC: Sim, sou do Brasil de uma pequena cidade perto de São Paulo.

JSR: Estive no Brasil há um tempo, mas não consegui ir para São Paulo.

AH: A cultura é interessante, mas não é a cidade mais bonita.

JSR: Certo, já estive em alguns lugares lindos no Brasil e espero voltar um dia. Eu amo música e amo sua música. Uma coisa que notei no vídeo que você compartilhou comigo é que sua música é muito política. Então talvez você possa nos dizer quais são as raízes da mensagem política que você está tentando transmitir com sua música.

AH: Posso dizer que o objetivo deste álbum foi quando Bolsonaro no Brasil, a extrema direita ganhou as eleições. Então começamos com nossas primeiras músicas, e foi um período sombrio para nós. Primeiro ficamos meio paralisados ​​e acho que o disco todo fala dessa época, acho que quatro anos com o Bolsonaro, foi um dos momentos mais sombrios porque a sociedade agora está dividida em duas metades, e a gente conversa muito sobre o quê.

MDC: Acho que para mim desta vez foi um choque, e vejo que o meu povo já não sorri. Perderam essa força de lutar, de sorrir e de ter esperança. Eu gosto de falar sobre política. Não preciso ter medo do que vão pensar, mas preciso conversar.

AH: O que descobrimos também no Brasil, os músicos, por muito tempo não tinham coragem de falar ou cantar sobre política porque era muito perigoso.

MDC: Eles moram no Brasil. Brincar, fazer política e cantar qualquer coisa assim… isso é realmente, para eles, isso é perigoso. Tenho tantos amigos em São Paulo, como a Linca, e ela não pode andar sozinha na rua. Você sabe?

JSR: Isso é muito triste. Portanto, a boa notícia é que seu país usou a urna eleitoral. Estamos votando agora, e você votou na semana passada e derrotou o Bolsonaro. Então parabéns.

Ah sim. Esperamos por você também.

MDC: Esse trabalho, nós começamos como Bolsonaro em 2018. Um pouco mais forte com um movimento de mulheres negras. Agora acho que as pessoas são mais fortes unidas e falam sobre política: o que a gente quer, o que a gente precisa.

Ah sim. Acho que os artistas estão mais unidos do que antes. Bolsonaro queria muito estabelecer uma cultura nacionalista e o que ele apoiava nessa cultura era mesmo, tinha que ser evangélica. Tinha que ser sobre família e a outra cultura não tinha chance agora. Eu acho, por outro lado, que a comunidade negra, as mulheres, realmente se uniu e essa solidariedade é maior e mais forte do que antes. Isso dá um pouco de esperança. Mas depois dessa escolha, não é mais fácil. Será um processo muito difícil e complicado para aproximar as pessoas.

JSR: Sim, eu entendo. Foi uma eleição muito acirrada e você tem um país muito dividido, muito parecido com o nosso. Estamos vendo isso em todo o mundo, infelizmente. Então me diga se há uma música em particular em seu álbum que talvez tenha uma mensagem que, por você estar cantando em português, nossos ouvintes não entendem. Existe uma música em particular que você gostaria que nossos ouvintes tivessem uma compreensão particular?

AH: então talvez Lembro Meu Irmão É um desses?

MDC: Sim, Lembro Meu Irmão é sobre meu irmão em São Paulo. Ficou doente e passou sete anos morando na rua, não em São Paulo, mas em outra cidade do noroeste. Nesse tempo eu procuro a família, as pessoas que moram na rua, como essas pessoas vivem aí, como a sociedade fecha os olhos, sabe, eles não ajudam. Eles são como invisíveis. Acho que para mim foi um sentimento muito forte. Como pode a sociedade funcionar assim, tão fria que não ajuda ninguém.

AH: Eu acho que o Brasil é um país muito quente, mas a sociedade está cada vez mais fria, e ela realmente encontrou o irmão na rua, pois no começo foi difícil encontrá-lo.

MDC: Eu procurei por sete anos.

AH: Ele teve que procurar por sete anos para encontrá-lo e então conseguiu (viu) um artigo de jornal sobre ele. Então ela foi lá.

MDC: Então eu fui para o noroeste como Fortaleza e perguntei: “É esse o caminho?” Eu descubro essas pessoas. Essas pessoas têm coração. Eles o ajudam. Eles falam comigo: “Ei, esse cara, a gente sabe que ele não é daqui, mas a gente se preocupa com ele.” Para mim, essas pessoas são realmente incríveis. Não é como São Paulo ou Rio.

AH: Provavelmente outra música é não deixe ir.

JSR: O que é isso?

AH: É sobre quando um presidente ganha uma eleição, todo mundo diz a mesma coisa. Eles dizem: “Eu quero ser presidente de todo o povo do Brasil.” Y Lula ele também nos disse: “Gente, estamos muito cansados ​​para lutar agora” (soa um pouco açucarado), mas “Temos que dar as mãos e encontrar uma visão para o futuro, uma visão comum”. Na verdade, escrevemos essa música antes das eleições e não sabíamos que Lula iria ganhar. Agora uma nova era começa e temos que tentar encontrar um caminho. Então, é engraçado porque na América, como disse Trump, temos que “tornar a América grande novamente”. Bolsonaro nos disse: “Brasil primeiro”. É divertido tornar um país excelente, mas você não pode tornar um país excelente se dividir as pessoas. Então eu acho que o Brasil realmente tem que reencontrar essa unidade.

JSR: Então você tem mais esperança agora depois das eleições?

CDM: Esperança? Sim. Mas acho que há anos, sei que ele é um pouco velho (Lula), mas não temos outro para lutar contra o Bolsonaro e a gente entende isso. Mas ele nos disse que só ficaria quatro anos, depois vêm os jovens, os novos. Mas eu acho, espero quatro anos, acho que não é tanto. Mas acho que é o começo dele.

AH: Sempre pergunto à Mariana se um cara de 80 anos pode ser o futuro do Brasil. Ela diz que para a geração dele, ele deu aos negros, à comunidade negra, aos pobres a chance de fazer faculdade. Ele abriu portas. Acho que é por isso que muitos jovens ainda têm esperança neste homem mais velho, que é muito carismático. Mas ele também errou muito, ecológico, não fez quase nada, então temos que ver o que acontece.

MDC: Mas agora tenho esperança. Para mim a base importante é a educação para todos, porque agora vemos depois das eleições como as pessoas estavam loucas nas ruas. Acho que precisamos dessa base de educação e saúde e, claro, empregos para todos.

JSR: Você acha que a vitória de Lula afetará sua música no futuro?

AH: Hum. uma boa pergunta. É difícil. Acredito que o tempo não mudará para brilhar no Brasil. Esta é realmente uma boa pergunta. O que vai acontecer? Acho que os problemas continuam os mesmos. Não começamos falando sobre o que está acontecendo no Brasil com este álbum. Então esse é o nosso sexto álbum, e nunca tivemos a intenção de mostrar um cartão postal do Brasil em nossa música. Nossa música está nos cantos escuros do Brasil.

JSR: Então deixe-me perguntar mais um tipo de Uma pergunta pessoal. Como um suíço e uma brasileira acabaram formando uma dupla musical?

AH: Era o velho truque do “produtor”. Eu a vi cantando em um pub irlandês em Lisboa, e ela estava cantando bossa nova e eu a vi, e me apaixonei por essa voz. Então eu disse a ele: “Ei, sou um produtor da Suíça. Vamos tentar fazer algo juntos.”

JSR: Quando foi?

AH: 2002.

JSR: Ah, então vocês estão juntos há muito tempo.

MDC: Sim, mas eu morava em Lisboa, Portugal, cantava em um pub e tentava fazer a música lá, mas não o clichê (tipo), sabe. Não quero levar comigo a memória do Brasil. Eu quero tentar algo novo. Depois, quando conheci a Ane lá, tentamos fazer algo mais experimental.

AH: Não experimental, algo moderno, mas atemporal da mesma forma. Acho que é porque desde os anos 80 eu trabalho com eletrônica, então eu faço música eletrônica e o problema é que é difícil fazer algo atemporal porque normalmente você ouve “Ok, essa caixa é dos anos 80, esse baixo é do noventa”. Para mim a intenção é misturar música acústica com música eletrônica e sempre adicionar a parte eletrônica como elemento atemporal. Isso é bem difícil, espero que às vezes consiga, às vezes não, mas eu tento.

JSR: Então, há mais alguma coisa que você não perguntou e gostaria que nossos ouvintes soubessem?

AH: Hum. Sim. Espero que você possa nos ver ao vivo algum dia. Fizemos apenas um show nos EUA até agora no Brazil Summer Fest em Nova York. Espero que Joe Biden abra um pouco as portas para os músicos porque é muito difícil você vir de fora dos EUA para fazer shows porque precisa do visto de artista. E para uma banda de 6 a 7 pessoas, é muito caro. Mas espero que seja possível. Tocamos muito no Canadá porque acho que viver é outra energia.

JSR: Eu adoraria ver você ao vivo e tenho certeza que o povo de Madison adoraria vê-lo ao vivo também. Temos alguns festivais de verão que atraem muitos músicos de todo o mundo, mas sei que alguns tiveram que cancelar devido a problemas de visto. Então talvez você possa entreter e educar os fãs em Madison. Sim, isso seria ótimo. Muito bom, foi um prazer falar com você e Agora vamos ouvir mais algumas músicas do Da Cruz.

****************************

Aqui está um ótimo vídeo de dá cruza canção de QUALQUER Corpo de seu novo álbum. Dar um click aqui ver.

Você gostou desta história? Seu financiamento torna possível um grande jornalismo local como este. doar aqui

Mais postagens para mostrar: hejira

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.