Fernández enfrenta protestos mais massivos na Argentina. Compreendo

Milhares de pessoas protestaram contra o governo de Alberto Fernández em Argentina neste feriado de 12 de outubro, quando se comemora o Dia do Respeito à Diversidade Cultural no país. Não só em Buenos Aires, mas também em outras cidades importantes, como Córdoba, Bariloche, Rosário e Mendoza, os argentinos saíram às ruas, a pé ou de carro, carregando bandeiras do país, exigindo do presidente atenção aos temas. que os afetam mais. -a pandemia Covid-19 e a crise econômica- em vez de colaborar com o avanço do Kirchnerismo na justiça.

Este é o seu artigo gratuito do dia. Assine agora e tenha acesso ilimitado.R $ 0,99 no 1º mês

Outros protestos contra Fernández e sua deputada, Cristina Kirchner, já haviam ocorrido em julho, agosto e setembro, mas a posição do governo agora é ainda pior devido ao aumento de casos Covid-19, ao agravamento da crise econômica e ao Os recentes avanços de Kirchner na justiça.

A popularidade do presidente já estava caindo devido à “quarentena eterna” na capital, mas pela primeira vez, após 200 dias de confinamento, os argentinos começaram a ter uma percepção. mais negativo É muito positivo como a Casa Rosada liderou a resposta à pandemia, como mostrou uma pesquisa da consultoria Poliarquía no fim de semana.

Isso se explica pela explosão de novos casos da Covid-19 no país, principalmente no interior, com mais de 900 mil cadastrados até esta terça-feira. Estima-se que, ainda esta semana, Argentina deve ultrapassar a Colômbia em número de casos de coronavírus, se somando à lista dos cinco países mais afetados pela pandemia, atrás apenas de Rússia, Brasil, Índia e Estados Unidos. Um balde de água fria para um governo que foi elogiado por ter decretado a quarentena nacional logo após os primeiros casos da doença em seu território e que agora é criticado por ter se precipitado e não conseguido promover outras frentes de combate à pandemia além do confinamento.

O impacto econômico do fechamento da economia se refletiu no aumento da pobreza. O Instituto Nacional de Estatística e Censos da Argentina (Indec) relataram que a taxa de pobreza do país atingiu 40,9% da população no primeiro semestre de 2020, com uma taxa de pobreza de 10,5%. Para efeito de comparação, no final de 2019 as taxas eram de 35,5% e 8%, respectivamente. É um dos piores registros da história do país.

O Fundo Monetário Internacional, com quem a Argentina vai negociar uma dívida de 44 bilhões de dólares, revisou as projeções da economia do país, mostrando um cenário ainda pior do que se imaginava. O PIB do país deve cair, segundo o FMI, em 11,8% em 2020, quase dois pontos percentuais a mais do que o esperado em meados do ano. A própria Casa Rosada prevê queda de 12,1% no PIB neste ano. O desemprego na Argentina foi de 13% no segundo trimestre, segundo o Indec.

“Tenho medo da inércia, da pobreza, da miséria, da insegurança. É terrível onde nos conduzem e a vice-presidente não fala. Ela está preocupada com a própria situação”, disse uma argentina que protestava em Buenos Aires.

A reforma judicial e outros esforços do kirchnerismo em matéria de Justiça também desagradam parte da população. A proposta, enviada por Fernández e aprovada às pressas no Senado, visa diluir o poder dos juízes do comodoro Py, tribunais que tratam de todos os casos de corrupção envolvendo Kirchner e seus ex-funcionários, aumentando o número de tribunais. No entanto, o governo ainda estuda outras mudanças, como o aumento do número de juízes do Supremo Tribunal argentino.

Mas enquanto o processo está paralisado na Câmara, onde as autoridades precisam do apoio da oposição para aprovar a reforma, Kirchner abriu outras frentes para tentar enfraquecer os casos de corrupção pelos quais responde. Uma das tentativas é retirar de seus cargos três juízes que foram transferidos para Comodoro Py durante o governo Macri: dois que confirmaram as acusações contra o vice-presidente e outros kirchneristas e um que deve julgar o processo conhecido como “suborno”. que acusa Kirchner de liderar um esquema de corrupção quando era presidente da Argentina. Ele também está tentando remover o procurador-geral interino Eduardo Casal de seu cargo, já que não tem maioria especial no Senado para aprovar outro nome.

Outras pautas também apareceram nos protestos de segunda-feira, como o pedido de volta às aulas, a disputa entre o governo da capital e a Casa Rosada por recursos orçamentários, a inação do governo diante das ocupações de terras, que aumentaram nos dez meses da Presidência de Fernández, e a criação de um observatório para o controle de conteúdo da mídia impressa e social (denominado Nodio, Observatório Estadual de Desinformação e Violência Simbólica em Mídias Digitais e Plataformas).

Diante de toda essa indignação, o chefe de gabinete de Fernández, Santiago Cafiero, encolheu os ombros. Disse que os que protestam “não são nós, não são o povo, não são a Argentina” e se identificam “com um partido político que não aceita que tenha perdido as eleições há um ano”.

“Acreditamos no direito de manifestar; faz parte da democracia. Mas também devemos aceitar a diversidade; Eles não são nós, não são todos, não são o povo; A Argentina é muito mais diversa ”, disse ele à rádio Continental.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *