Ferrari 312T: a história esquecida do carro de maior sucesso da Fórmula 1

perdeu o título de construtores para a McLaren, e Clay Regazzoni foi derrotado por Emerson Fittipaldi na última corrida realizada em The Glen, nos Estados Unidos, dando o título de pilotos ao brasileiro.

Na entressafra, Enzo Ferrari nomeou seu assistente, um jovem advogado chamado Luca di Montezemolo, gerente da Scuderia. Seu primeiro movimento foi renomear Mauro Forghieri como engenheiro-chefe e então ele convenceu The Boss a manter Niki Lauda como um de seus pilotos.

Sob a supervisão constante de Forghieri, a equipe começou a desenvolver um novo carro de corrida, pois ficou claro que o antigo 312B precisava de uma revisão completa para resolver seus constantes problemas de manuseio.

O resultado foi o radical 312T, um carro completamente novo que usava um chassi monocoque de alumínio montado em uma estrutura espacial de aço tubular. O sistema de suspensão também foi redesenhado, permitindo aos engenheiros estreitar a frente do chassi e torná-lo mais aerodinamicamente eficiente.

Ele era movido por um motor plano de 12 cilindros com aspiração natural de 510 cavalos e 3,0 litros (2.992 cc, 182,6 cu in) que se tornaria um dos motores de F1 mais confiáveis ​​já criados.

O carro usava uma caixa manual de cinco marchas que foi inovativamente montada em uma posição transversal, resultando em uma distribuição de peso quase perfeita. Este manuseio aprimorado, o principal problema de seu antecessor.

A temporada de estreia: dominação total

Embora tenha sido concluído no outono de 1974 e revelado em Modena antes da nova temporada, o 312T viu sua primeira ação na terceira corrida realizada na África do Sul, desde que a Ferrari decidiu usar o carro antigo na Argentina e no Brasil.

A primeira vitória veio no Marrocos, a quinta corrida da temporada, com Lauda vencendo os brasileiros Fittipaldi e Pace. A Ferrari ganharia cinco das nove corridas restantes, demolindo sua competição e ganhando os campeonatos de construtores e motoristas graças à direção espetacular de Lauda.

Na temporada seguinte, os regulamentos técnicos da Fórmula 1 foram modificados, e as novas regras entraram em vigor em maio daquele ano. Isso significava que a Ferrari poderia continuar usando o carro de 75 nas três primeiras corridas, vencidas por Lauda e seu companheiro de equipe Regazzoni.

Para cumprir as mudanças nas regras, a Scuderia introduziu o 312T2 revisado no Grande Prêmio da Espanha. Ele não tinha mais uma caixa de ar atrás da cabine do piloto, pois era proibido pelos novos regulamentos.

Os engenheiros o substituíram por entradas de ar em forma de NACA habilmente construídas em ambos os lados do corpo, fornecendo ar para cada glorioso banco de doze cilindros.

Fora isso, houve poucas modificações e, embora Lauda tenha perdido para James Hunt na Espanha, o carro teve um bom desempenho e o austríaco venceu três das cinco corridas seguintes. A última corrida de Fórmula 1 em Nordschleife
Durante a décima corrida da temporada, que aconteceu na famosa pista alemã, na segunda volta logo após a rápida curva à esquerda antes da curva à direita de Bergwerk, o 312T2 de Lauda deslizou para a direita e Ele estava girando através da cerca, entrando em um terreno. Banco. Em seguida, ele ricocheteou na pista, explodindo em chamas.

O austríaco foi retirado dos destroços em chamas por seus companheiros motoristas, mas sofreu queimaduras graves e foi levado às pressas para o hospital, onde lutaria por sua vida nos dias seguintes.

Apesar de ter sofrido queimaduras terríveis na cabeça e inalado gases tóxicos quentes que danificaram seus pulmões, Lauda só faltou duas corridas, aparecendo em Monza apenas seis semanas após o acidente, com curativos cobrindo as queimaduras. Ele terminou em quarto com Regazzoni ficando em segundo lugar atrás de Ronnie Peterson de March-Ford.

A temporada foi muito disputada, com Hunt e Lauda prontos para batalhar pelo campeonato na última corrida da temporada, o Grande Prêmio do Japão.

O piloto da Ferrari iria se aposentar depois de apenas duas voltas devido às péssimas condições climáticas que trouxeram memórias de seu terrível acidente. Hunt continuaria e ganharia o título, mas a Scuderia Ferrari conquistaria seu segundo título consecutivo de construtores. 312T2 B: Não é a melhor versão, mas ainda é boa o suficiente para outro dublê

Para a temporada de 1977, o 312T2 foi atualizado para a especificação B. Apresentava algumas mudanças visíveis, a mais surpreendente das quais foi a adição dos logotipos da Fiat pela primeira vez.

Lauda estava insatisfeito com o desempenho do carro nas duas primeiras corridas, o que levou os engenheiros a fazerem várias mudanças no carro, incluindo uma nova asa traseira e suspensão revisada.

Ele iria vencer a próxima corrida realizada na África do Sul, mas teve algumas dificuldades ao longo da temporada devido a problemas constantes com os novos pneus Goodyear.

Apesar disso, o 312T2B foi constantemente desenvolvido e ajudou Lauda a um segundo título de pilotos depois de vencer apenas três das dezessete corridas.

A Ferrari também venceu seu terceiro campeonato de construtores consecutivos naquela temporada, mas perdeu para Lauda depois do Grande Prêmio dos Estados Unidos, que renunciou devido às crescentes tensões com seu companheiro de equipe e gestão. Sem Lauda, ​​o 312T3 não é páreo para o revolucionário Lotus 79

A temporada de 1978 viu a Ferrari apresentar a versão mais recente de seu carro de grande sucesso. Batizado de 312T3, ele apresentava um chassi e quadro monocoque completamente novos e um sistema de suspensão redesenhado.

O motor foi ajustado para produzir cerca de 515 cv, e a carroceria renovada ficou visivelmente mais plana, melhorando o fluxo de ar para a asa traseira.

Foi pilotado por Carlos Reutemann e Gilles Villeneuve e, embora tenha mantido sua confiabilidade, não foi páreo para o pioneiro Lotus 79 pilotado por Mario Andretti. O carro dominou a temporada e conquistou o título de pilotos e construtores, encerrando o regime de três anos da Ferrari. Últimos anos: outra dupla seguida de uma temporada péssima

O fraco desempenho levou a grandes melhorias na aerodinâmica, com Forghieri seguindo o exemplo da Lotus e projetando um carro de efeito solo para a temporada de 1979.

Daí surgiu o carro 312T4, que estreou com uma vitória no Grande Prêmio da África do Sul dirigido por Villeneuve. Ele continuaria e destruiria o Lotus, dando à Ferrari seu quarto título de construtores em cinco anos e ganhando seu mais novo piloto, Jody Scheckter, o troféu dos pilotos.

A quinta e última versão do 312T foi fortemente modificada para acompanhar as equipes Cosworth DFV, que estavam fazendo progressos significativos na aerodinâmica.

O espaçoso motor 312 boxer não estava ajudando os engenheiros a melhorar a aerodinâmica do carro, por isso ele teve dificuldade em causar um impacto inicial e tornou-se cada vez menos competitivo à medida que a temporada avançava.

A Scuderia Ferrari não conseguiu vencer uma única corrida naquela temporada e a equipe terminou em 10º no Campeonato de Construtores, sendo superada por equipes comandadas por Cosworth.

No final, o Ferrari 312T foi substituído pelo novo 126CK para a temporada de 1981, entrando para a história como o carro de Fórmula 1 de maior sucesso já construído.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *