Ficção Cientistas alteram genes e criam plantas que brilham no escuro 29/04/2020

Ficção Cientistas alteram genes e criam plantas que brilham no escuro 29/04/2020

A ficção científica já imaginou florestas com plantas que brilham no escuro e essa idéia se tornou mais real, graças a um grupo de cientistas russos. Os pesquisadores alteraram os genes para criar organismos que brilham mesmo no escuro durante todo o seu ciclo de vida.

O estudo, publicado na revista. Natureza da biotecnologia Nesta semana, mostre uma abordagem diferente para criar plantas que brilham no escuro. Anteriormente, eram utilizados genes de bactérias bioluminescentes ou nanopartículas que geravam luz. Essas plantas, no entanto, não tinham um brilho forte e sofriam de toxicidade, o que foi superado no presente estudo.

A pesquisa foi liderada pelas pesquisadores russas Karen Sarkisyan e Ilia Yampolsky, da Academia Russa de Ciências, em associação com a startup russa Planta. O estudo foi financiado por institutos científicos do Reino Unido e da Áustria.

No trabalho, eles usaram uma técnica na qual o DNA de fungos bioluminescentes era usado para criar plantas que brilham até 10 vezes mais do que as do estudo com genes de bactérias. A planta usada na pesquisa russa é o tabaco.

Através da pesquisa, eles fizeram com que as plantas emitissem luz verde durante todo o seu ciclo de vida. A idéia do estudo era usar a bioluminescência comum a vários organismos vivos; o exemplo mais simples é o dos vaga-lumes.

Apesar de ser comum a alguns seres vivos, essa bioluminescência, pela qual uma enzima atua em alguns produtos químicos chamados luciferina no corpo e libera energia na forma de luz, não é natural nas plantas,

Nesse estudo, os cientistas aproveitaram o processo recentemente descoberto pelo qual os fungos emitem luz. Isso foi importante, pois o alvo era um composto químico que todas as plantas produzem naturalmente, ácido cafeico.

Os cientistas introduziram quatro genes de um fungo chamado Neonothopanus nambi no DNA das plantas de tabaco. Os genes são responsáveis ​​por transformar o ácido cafeico em luciferina, que emite energia na forma de luz, antes de transformar a substância resultante novamente em ácido cafeico.

“Mostramos que é possível transferir quatro genes desses fungos brilhantes para as plantas e depois encaixá-los em seu metabolismo. Portanto, a planta começa a brilhar no escuro”, disse a diretora da CNN Karen Sarkisyan, CEO da Planta, a startup que liderou a pesquisa.

Segundo os pesquisadores, o resultado são plantas que brilham a olho nu no escuro e durante o dia. A pesquisa apontou que as flores são as áreas mais brilhantes e que a luminosidade varia: diminui nas folhas mais velhas e aumenta nos machucados nas folhas.

Os pesquisadores observam que os cientistas podem usar a técnica para entender processos ainda mais naturais desses organismos.

“No futuro, essa tecnologia pode ser usada para visualizar atividades de diferentes hormônios nas plantas ao longo de seu ciclo de vida, de forma não invasiva. Também pode ser usada para monitorar a resposta das plantas ao estresse ou a mudanças no ambiente”. ambiente “, aponta Sarkisyan ao The Guardian

A pesquisa também diz que outras plantas, como petúnias e rosas, podem se adaptar para emitir o brilho. No futuro, as plantas poderão se adaptar para mudar de cor, brilho ou até mesmo responder ao ambiente externo em que estão.

Ainda se diz muito que plantas do tipo no futuro poderão se tornar parte da iluminação pública das cidades. Além disso, eles podem se tornar uma nova decoração para as casas: você já imaginou uma árvore de Natal sem a necessidade de um sinal de volta?

No entanto, os cientistas enfatizam que o estudo fará mais para revolucionar a pesquisa de plantas a princípio.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.