Fórmula 1: Grosjean relata o acidente em detalhes; ‘Meus filhos não podiam perder o pai naquele dia’

Em uma videoconferência, o piloto Romain Grosjean relembrou o acidente de domingo no Grande Prêmio do Bahrain e contou como escapou da cena. O Haas de Grosjean cruzou uma barreira de metal, se partiu em dois e pegou fogo. Leia a história completa:

Sem perceber o fogo

Não demorou 28 segundos, pareceu mais um minuto. Quando o carro parou, abri os olhos e tirei rapidamente o cinto de segurança. O que ele não se lembrou no dia seguinte foi o que fizera com o volante. Não tenho lembranças de ter tirado, mas me disseram que foi entre as minhas pernas – explicou o piloto.

Consulte Mais informação: Emerson Fittipaldi na estreia do neto na F1: ‘Meu pai está muito feliz em ver isso, será espetacular’

Senti algo tocar minha cabeça, então me sentei no carro e pensei, a princípio, em esperar. Eu estava de bruços, contra a parede, então esperava que alguém viesse me ajudar. Ele não estava desesperado e não sabia nada sobre o incêndio.

Niki Lauda e o medo da morte

Então olhei para a esquerda e para a direita e vi o fogo à esquerda. Achei que não teria tempo para esperar ali. O que tentei em seguida foi subir para a direita, mas não funcionou. Tentei à esquerda e funcionou também. Sentei-me e pensei em Niki Lauda, ​​sobre seu acidente (o lendário piloto foi gravemente queimado em um acidente em 1976).

Analisar:As falhas de Ribamar abriram grandes brechas e más opções no Vasco

O carro de Grosjean pegou fogo em um acidente Foto: KAMRAN JEBREILI / Piscina via REUTERS

Eu pensei “Eu não posso terminar assim”. Esta não pode ser minha última corrida, não pode terminar assim. De maneira nenhuma. Tentei sair de novo e fiquei preso. Então voltei e chegou o pior momento, quando meu corpo começou a relaxar. Ele estava em paz e morreria lá. Eu pensei “Você vai queimar meu sapato, minha mão ou meus pés? Vai doer? Onde isso começa?” Deve demorar milissegundos.

Lembre-se das crianças e da luva derretida

Pensei em meus filhos. Eles não podiam perder o pai naquele dia. Então, não sei por que, mas decidi girar meu capacete para o lado da minha mão esquerda, para levantar e dobrar meu ombro. De alguma forma funcionou, mas então percebi que meu pé estava preso no carro. Então me sentei de novo e puxei minha perna com toda a força que pude. O sapato ficou lá. Tento sair de novo e meus ombros passam pelo halo, aí eu já sabia que iria.

Leia também:A saída de treinadores deixa os clubes “órfãos” e desestabiliza empregos de sucesso em 2020

Ele tinha as duas mãos em chamas. Minhas luvas são vermelhas e vi a da esquerda mudar de cor, derreter e ficar preta. Senti dor porque minhas mãos estavam em chamas, mas alívio quando saí do carro. Eu pulei de lá, me aproximei da barreira e senti o Dr. Ian Roberts me puxar. Eu não estava mais sozinho, havia alguém comigo.

Imagens de ambulância

Depois de retirar e verificar o carro, Grosjean foi para a ambulância:

– Era muito importante que houvesse imagens minhas caminhando em direção à ambulância. Mesmo depois de sair do incêndio, precisava enviar outra mensagem dizendo que estava bem.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *