Fux veta uso de advertência a Deltan Dallagnol em 2019 para agravar novas penalidades no CNMP | Política

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, decidiu nesta segunda-feira (17) que o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) não pode considerar, na análise de novos processos contra o Ministério Público Deltan Dalagnol, uma sanção de advertência que já foi imposta em 2019.

Na prática, a decisão do ministro impede que essa sanção prévia seja utilizada pela Câmara Municipal para agravar a situação disciplinar do Grupo de trabalho Lava Jato no Paraná. Isso porque, de acordo com as regras do conselho, a história do promotor é levada em consideração na definição das punições.

A ação que poderia agravar a situação do Ministério Público foi resolvida em novembro de 2019. Por 8 votos a 3, o CNMP aplicou um pena de advertência contra Dallagnol por reclamar, durante um entrevista de rádio, que o STF envia mensagem de clemência a favor da corrupção em algumas de suas decisões.

Em relação a esse procedimento, a defesa de Dallagnol afirma que o prazo para aplicação da sanção já expirou e que a sanção de advertência viola a Constituição, pois violaria a liberdade de expressão.

Conselho Nacional do MP pune procurador Deltan Dallagnol com advertência

Nesta terça (18), o CNMP tem outros processos contra o promotor para ser julgado.

Uma das ações disciplinares foi movida pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). Segundo o MP, Dallagnol campanha na internet para atacar você, influenciando as eleições para presidente do Senado.

O outro caso contestado pela defesa de Dallagnol é um pedido de expulsão feito pelo senador Katia Abreu (PP-TO).

A Dallagnol também recorreu ao STF solicitando a suspensão do referido processo, considerando que não havia pleno direito de defesa. O relator do pedido é o Ministro. Celso de mello.

Na opinião de Fux, o fato de outros processos estarem próximos ao julgamento justifica a concessão da decisão preliminar (provisória), para evitar uma situação irreversível.

“A iminência de condenação de outros atos disciplinares, em que eventuais condenações venham a ser agravadas pela validade da pena objeto desta ação, revela a existência de perigo no atraso, capaz de dar lugar à concessão de medidas provisórias de urgência em espécie, na medida em que a aplicação de uma sanção indevidamente agravada possa gerar uma situação intransponível de reversão ao status quo ante ”.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *