Gestores de fundos tripartidos de US $ 4 pedem ao Brasil para parar o desmatamento 23/06/2020

Alphabet doará mais de US $ 800 milhões para ações de combate ao Covid-19 - 27/03/2020

Paris, 23 de junho de 2020 (AFP) – Os fundos de investimento que administram ativos no valor de US $ 4 trilhões (mais de R $ 20 trilhões) pediram ao Brasil nesta terça-feira (23) que pare com o desmatamento na Amazônia em uma carta na qual eles avisavam que a perda de biodiversidade e emissões de carbono representam um “risco sistêmico” para suas carteiras.

Gestores de fundos de países europeus, asiáticos e sul-americanos expressaram temores de que o governo do presidente Jair Bolsonaro esteja usando a crise de saúde COVID-19 para promover a desregulamentação ambiental, o que poderia “comprometer a sobrevivência da Amazônia”.

“Estamos preocupados com o impacto financeiro do desmatamento, bem como violações dos direitos dos povos indígenas, que têm conseqüências potenciais para os riscos de reputação, operacionais e regulatórios de nossos clientes e empresas investidas”, diz a carta.

Embora as medidas de quarentena relacionadas à nova pandemia de coronavírus possam resultar em uma queda de alguns pontos percentuais nas emissões globais de carbono, o aumento do desmatamento na Amazônia pode aumentar a contribuição anual do Brasil para o aquecimento global.

Ambientalistas alertam que 2020 está a caminho de se tornar o ano mais destrutivo já registrado para a maior floresta tropical do planeta, com ainda mais perdas do que nos incêndios devastadores que provocaram indignação mundial no ano passado.

Um total de 829 km2 da Amazônia brasileira, 14 vezes a área da ilha de Manhattan, em Nova York, foi perdido devido ao desmatamento somente em maio, segundo dados de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O número corresponde a um aumento de 12% em relação ao desmatamento no ano passado e marca o pior mês de maio desde o início dos registros, em agosto de 2015.

Ativistas acusam o presidente Jair Bolsonaro, um cético do clima, de incentivar os desmatadores com pedidos para legalizar a agricultura e a mineração em terras protegidas.

Uma das ações do governo federal que preocupa os investidores é o PL (2633/2020), que trata da regularização da posse da terra e que os ambientalistas chamam de PL da Grilagem.

“Estamos profundamente preocupados com a Medida Provisória 910 (recentemente modificada para PL 2633/2020), (…) que legalizaria a ocupação de terras públicas, principalmente concentradas na Amazônia” e colocaria “a sobrevivência da Amazônia e o cumprimento de eles alteraram os objetivos do Acordo de Paris, que também prejudica os direitos das comunidades indígenas e tradicionais “.

O PL já foi alvo de ameaças de parceiros comerciais no Brasil. Em maio, as principais redes de supermercados britânicas ameaçaram em carta aberta a deputados e senadores boicotar produtos produzidos no Brasil, expressando “profunda preocupação” com uma medida que, se aprovada, levaria a um desmatamento adicional.

Em junho, um grupo de legisladores norte-americanos, liderado pelo representante indígena Deb Haaland, pediu ao Congresso brasileiro que rejeitasse o projeto, chamando-o de “muito prejudicial” para a Amazônia.

– Direitos dos povos indígenas – Agora, os gerentes de fundos, que coletivamente controlam mais de US $ 3,75 trilhões em ativos, pediram ao governo Bolsonaro que demonstrasse um “compromisso claro” de reduzir o desmatamento e proteger os direitos das pessoas. povo indígena.

Seiji Kawazoe, da japonesa Sumitomo Mitsui Trust Asset Management, uma das mais de duas dúzias de empresas que assinaram a carta aberta na terça-feira, disse que evitar os impactos negativos das mudanças climáticas se tornou a principal preocupação da holding.

“A Amazônia é uma das principais áreas da floresta tropical que afeta o clima global e juntamos a carta para solicitar medidas governamentais urgentes para evitar ações que tenham um impacto negativo nas mudanças climáticas”, disse ele à AFP.

A maioria dos signatários é membro da Iniciativa para Investidores em Florestas Sustentáveis, da qual participam empresas expostas ao desmatamento por seus investimentos na produção de soja e pecuária.

Os fundos representados na carta incluem o LGPS Central Britânico, o French Comgest e o KLP, o maior fundo de pensão da Noruega.

“Como instituições financeiras, que têm o dever fiduciário de atuar no melhor interesse de nossos clientes a longo prazo, reconhecemos o papel crucial que as florestas tropicais desempenham no combate às mudanças climáticas, na proteção da biodiversidade e na prestação de serviços. ecossistema “, eles escreveram. .

“Queremos continuar investindo no Brasil e ajudar a demonstrar que o desenvolvimento econômico e a proteção ambiental não precisam ser mutuamente exclusivos. Portanto, instamos o governo brasileiro a demonstrar um claro compromisso com a eliminação do desmatamento e a proteção”. dos direitos do povo “. indígena “, ele solicitou.

pg / rl / mvv / js

SUMITOMO MITSUI TRUST HOLDINGS

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *