Goldfajn é escolhido para substituir presidente deposto do BID Por Reuters

© Reuters. FOTO DO ARQUIVO: Presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn, fala durante entrevista à Reuters em Brasília, Brasil, 22 de janeiro de 2019. REUTERS/Ueslei Marcelino

WASHINGTON (Reuters) – O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) disse neste domingo que seu conselho de governadores escolheu o brasileiro Ilan Goldfajn como presidente da instituição financeira, depois que Mauricio Claver-Carone, o primeiro americano a liderá-lo, foi deposto por questões éticas . violações

Cinco países – Argentina, Trinidad e Tobago, México, Brasil e Chile – indicaram candidatos para chefiar o BID, o maior banco de desenvolvimento da América Latina, depois que a turbulência do ano passado prejudicou gravemente o moral da instituição.

Com sede em Washington, o BID é um dos principais investidores na América Latina e no Caribe, responsável por US$ 23,4 bilhões em compromissos financeiros em 2021 e centenas de projetos de infraestrutura, saúde e turismo.

Em comunicado, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, parabenizou Goldfajn e disse que os EUA apoiam o BID como a principal instituição financeira de desenvolvimento da região.

“Contamos com o presidente Goldfajn para liderar esta organização e ser um motor de mudança e progresso para nossos vizinhos da América Latina e do Caribe”, disse Yellen.

A escandalosa destituição de Claver-Carone, indicado pelo ex-presidente Donald Trump, tornou mais provável que o próximo candidato viesse da América Latina, seguindo o precedente anterior. Ainda assim, Goldfajn estará sob pressão para trabalhar em estreita colaboração com os Estados Unidos, Europa e China, uma vez que todos são membros e podem buscar influência de longe.

O BID pode ser um campo de batalha para uma disputa geopolítica sobre decisões financeiras importantes para seus membros, enquanto a América Latina luta contra uma inflação teimosamente alta e uma desaceleração econômica.

A Argentina indicou Cecilia Todesca Bocco, secretária de relações econômicas internacionais do país.

O México nomeou seu vice-presidente do banco central, Gerardo Esquivel, e o Chile, seu ex-ministro da Fazenda, Nicolás Eyzaguirre.

O ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro indicou Goldfajn, ex-presidente do banco central do país e atual diretor do departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional.

Trinidad e Tobago indicou Gerard Johnson, ex-funcionário do BID que agora atua como consultor sênior do Ministério das Finanças jamaicano.

A votação ocorreu após uma reunião dos governadores do BID, que geralmente são ministros das finanças ou outros funcionários econômicos de alto escalão dos 48 países membros do banco.

Os acionistas do BID enfatizaram a importância de restaurar a confiança na instituição após a gestão tensa de Claver-Carone por quase dois anos.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.