Governo avança nas negociações para compra de 70 milhões de doses da vacina Pfizer contra Covid-19

BRASÍLIA – O governo brasileiro avançou nas negociações para a compra de 70 milhões de doses da vacina da farmacêutica Pfizer contra a Covid-19, com previsão de abastecimento em 2021. Segundo o Ministério da Saúde, “os prazos já estão bem adiantados e devem finalizar no início desta semana com a assinatura do Memorando de Intenções. ”

Descobrir: Maia quer votar deputado pelo acesso global para comprar vacinas até a próxima semana

“O governo brasileiro e a Pfizer estão avançando em seus acordos com a intenção de adquirir 70 milhões de doses da vacina Pfizer e Biontech contra Covid-19, a serem entregues em 2021. Os prazos estão bem adiantados e devem ser finalizados ainda esta semana com a assinatura do protocolo de intenções ”, diz nota divulgada pelo Ministério da Saúde.

Anteriormente, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que qualquer vacina que receba o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) será oferecida gratuitamente a todos os brasileiros.

“Se houver certificação da ANVISA (diretrizes científicas e preceitos legais), o governo vai oferecer a vacina a todos, de forma gratuita e não obrigatória”, disse Bolsonaro em suas redes sociais.

E também: Especialistas defendem criação de estrutura para adoção da vacina Pfizer no Brasil

Na semana passada, executivos da Pfizer acusaram o governo brasileiro de fechar negócio para comprar lotes da vacina o mais rápido possível. O diretor da farmacêutica no Brasil, Alejandro Lizarraga, disse na época que o prazo era curto, uma questão de “alguns dias, ou talvez uma semana”.
O principal argumento que a Pfizer apresentou para persuadir o governo brasileiro a concluir a compra foi justamente o período em que a empresa poderia entregar as doses do imunizante, que no Reino Unido começa a aplicar amanhã.

Em novembro, a conclusão dos testes de fase 3 da vacina candidata Covid-19 mostrou que a eficácia alcançada foi de 95% na prevenção da doença e não houve efeitos colaterais graves. Os dados ainda não foram publicados em periódico científico.

Consulte Mais informação: Pfizer dá ao Brasil uma semana para fechar negócio da vacina Covid-19

O desafio logístico da vacina Pfizer, por sua vez, foi um dos motivos citados pelo governo para não priorizar a compra do imunizante. A vacina deve ser mantida a -75ºC, o que é comparável, segundo especialistas, às dificuldades de obtenção de respiradores no início da pandemia.

O Brasil já tem acordo fechado com a vacina desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford e a Astrazeneca.

Diante do anúncio de Doria, Bolsonaro decidiu que teria de apresentar algumas notícias do governo federal em resposta. Em seguida, o presidente convocou uma reunião emergencial para as 17h30, no Palácio do Planalto, que contou com a presença dos ministros Eduardo Pazuello (Saúde), Braga Netto (Casa Civil) e Fábio Faria (Comunicações), além do Diretor Presidente da Anvisa, Antônio. Barra Torres, e o secretário especial de Comunicação Social, Fabio Wajngarten. Na reunião, o presidente deu um martelo ao anúncio do andamento das negociações com a Pfizer, que já vinha sendo costurado nos últimos dias. Durante este encontro, também foi feita uma publicação nas redes sociais sobre a garantia da vacinação de “toda a população”.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *