Grupos usam sementes nativas para regenerar as florestas do Brasil

RIPÁ, Brasil — Os homens e mulheres partiram com seu chefe em um caminhão, percorrendo vários quilômetros até que a estrada de sua pequena cidade ficou mole demais para os pneus gastos do veículo. Eles então continuaram a pé, caminhando em fila indiana por uma planície abafada de grama esmeralda na altura dos joelhos.

As árvores esguias da savana ofereciam pouca sombra, mas o calor não importava, dada a sua missão.

“Ouça-me com atenção”, disse a filha do cacique, Neusa Rehim’Watsi’õ Xavante, a um desconhecido que acompanhava o grupo. “O amor que sentimos por plantas e sementes nos faz caminhar sob o sol escaldante sem reclamar.”

A maioria dos cerca de 20.000 Xavante vive em um mosaico de florestas ralas e pastagens arborizadas conhecidas como fechado, cobrindo quase metade do estado brasileiro central de Mato Grosso. Embora seja mais seca e menos densa do que a Bacia Amazônica ao norte, possui flora e fauna exóticas que não são vistas em nenhum outro lugar. Biólogos conservacionistas a chamam de savana mais rica biologicamente do mundo, com 5% das espécies de plantas e animais do mundo.

A expedição, ou dzomori, sai de Ripá para um dia de coleta de sementes nativas no cerrado de Mato Grosso, Brasil. A serra do Roncador no Brasil paira sobre a savana enquanto as mulheres Xavante continuam sua expedição a pé. Gabriela colhe frutos de buriti nas margens de um córrego inundado nas profundezas do território indígena. Os frutos maduros do buriti lembram pequenas joias redondas.

No entanto, nas últimas três décadas, Mato Grosso tornou-se um hotspot global para o desmatamento. Cerca de 12% de seu Cerrado, uma área maior que a Dinamarca, foi desmatada desde 2000. Grandes áreas foram desmatadas. limpo e substituído por plantações industriais de soja, milho e algodão. A destruição só se acelerou desde que o presidente de direita Jair Bolsonaro, líder de torcida das fazendas corporativas, assumiu o cargo. As terras indígenas têm sido um alvo particular.

Há sete anos, Ripá aderiu a um movimento para ajudar a restaurar a vegetação do Cerrado e aumentar a fortuna da comunidade vendendo sementes coletadas em suas terras. Seus habitantes realizam frequentes dias de colheita chamados dzomoris, longas expedições que aperfeiçoaram suas excelentes habilidades de coleta de sementes.

“Com as sementes vamos reflorestar”, explicou o cacique José Serenhomo Sumené Xavante. “É por isso que precisamos de sementes nativas.”

O movimento fez algum progresso, com 29 milhas quadradas de floresta replantadas até agora. Ironicamente, as pessoas e empresas que compram as sementes no centro do esforço são as culpadas pelo desmatamento da terra. E as agências governamentais que impulsionam o reflorestamento estão entre as que falharam em impedir a destruição da floresta em primeiro lugar.

As sementes de Jatobá estão entre as muitas riquezas que crescem no estado central brasileiro de Mato Grosso. Heloisa carrega sua cesta de frutas e sementes, com a corda nas alças enrolada na cabeça. Cestas de frutas, sementes e ervas da savana aguardam o retorno da expedição à aldeia.

Uma cascavel bloqueou o caminho, o chefe acertou e o grupo continuou. A terra descia suavemente em direção à Serra do Roncador, um cume rochoso que é sagrado para os Xavante. Perto do afloramento, as árvores ficam mais próximas e mais altas, e o ar esfria.

Eles pararam em um pântano em uma sela entre penhascos, e as mulheres se espalharam através de riachos labirínticos de água. Eles coletaram punhados de frutas do tamanho de morangos gigantes do solo encharcado em cestas tecidas com fibras de folhas de palmeira. Drupas ovais maduras caíram das palmeiras de buriti, também conhecidas como palmeiras do pântano, que vivem onde o solo é inundado.

Buriti são os preferidos do povo Xavante. A pele escamosa descasca facilmente e a carne macia é refrescante. A fruta é vendida fresca em muitas partes da América do Sul tropical. Também é macerado em fábricas e transformado em suco, sorvete e geléia.

DEIXOU: De volta a Ripá, Verónica verifica e classifica as sementes coletadas naquele dia. DIREITA: As sementes da árvore mirindiba são colocadas em frondes gigantes.

No entanto, as mulheres Ripá não vendem sua colheita; Eles vendem as sementes. A renda que produz não é muito – cerca de US$ 1.200 por ano para toda a comunidade – mas complementa o que eles ganham com a venda de artesanato e o que recebem em modestos subsídios governamentais.

No entanto, a renda não é o ponto. “Os não indígenas estão destruindo o Cerrado e não entendem a natureza”, disse Neusa. Cada dzomori coletar sementes ajuda a curar o dano que foi feito.

Nessa viagem de um dia inteiro, a busca se estendeu além do buriti.

Uma mulher subiu ao topo retorcido de uma árvore baixa de Murici. Ela o sacudiu com força. Frutas firmes que parecem maçãs amarelas choveram. Mais longe, outras mulheres estavam colhendo frutas pálidas do tamanho de uma manga dos galhos finos de uma árvore angelim.

Tudo isso, com sementes comercializáveis, eles jogavam em suas cestas. À tarde, cada um havia colhido quase um alqueire de frutas.

Mudas de árvores nativas são cultivadas no viveiro da Rede de Sementes do Xingu. Uma funcionária do viveiro examina as muitas espécies de plantas e árvores da Rede de Sementes do Xingu. As mudas são cuidadosamente cuidadas como parte dos esforços críticos de reflorestamento em Mato Grosso.

A exploração madeireira do Cerrado e da floresta amazônica é um problema não só das terras indígenas. O Código Florestal Brasileiro e as leis estaduais exigem que os proprietários deixem parte de sua propriedade em seu estado nativo como reserva florestal, variando o percentual por região e tipo de vegetação. Em Mato Grosso, entre 35 e 80 por cento da floresta deve permanecer intacta.

Proprietários que desmatam ilegalmente, ignorando a exigência de reserva, devem replantar árvores nativas. Isso cria a necessidade de sementes como buriti, murici e angelim.

A maior parte da demanda vem de grandes fazendas de commodities. O Código Florestal dá alta prioridade à proteção e reflorestamento das margens dos rios. A construção de estradas e outros projetos de obras públicas são muitas vezes necessários para substituir a vegetação danificada.

Ripá e outras 24 comunidades indígenas do estado vendem o que arrecadam para uma rede conhecida como Rede Sementes do Xingu, maior fornecedora de sementes nativas do Brasil. Uma coalizão de indígenas e não indígenas a fundou em 2007 para reflorestar as margens dos rios da bacia do rio Xingu, afluente do Amazonas. A RSX envia sementes e ajuda a plantá-las. Agricultores dentro e fora dos territórios indígenas estão envolvidos, assim como alguns moradores da cidade.

DEIXOU: Um trabalhador da Rede de Sementes do Xingu pesa um saco de sementes de peroba.
DIREITA: Cerca de 200 espécies de sementes nativas estão em exposição para os clientes da rede.

Em seus 15 anos, a RSX já vendeu mais de 300 toneladas de 220 espécies de sementes, incluindo semente de pequi, do tamanho de uma noz, e embaúba, uma semente menor que um grão de arroz. Quase tudo isso foi comprado dentro do Mato Grosso.

A quantidade de terra que ele replantou até hoje é notável, uma área um pouco maior que Manhattan. Mas em Mato Grosso, maior produtor de grãos do Brasil e lar do maior rebanho bovino do país, 29 milhas quadradas não podem compensar o que foi perdido. Sobre 1.000 milhas quadradas Eles foram limpos no ano passado.

Bruna Ferreira, diretora de longa data da RSX, admite que a tarefa de Sísifo de recuperar florestas “às vezes parece inútil”. Mas, ele disse em uma entrevista, as conquistas não devem ser julgadas apenas pela pequena porcentagem de terra restaurada. O esforço é “um trabalho de resistência, fortalecendo essas comunidades”.

Depois que o cacique, sua filha e as outras mulheres voltaram para sua aldeia, havia mais trabalho a ser feito com o que havia sido coletado. Djanira Pe’Wee Xavante separou as frutas de Murici que trouxe, selecionando as melhores para comer e quebrando as partes podres.

Depois de descascar a fruta, ele deixou as sementes secarem. Os compradores as combinariam com dezenas de outras espécies de sementes em uma mistura que, feita à mão, deveria crescer em uma década para uma extensão que imitasse a floresta nativa.

Restaurar o Cerrado muitas vezes parece mais um trabalho de amor, disse Neusa. Ainda assim, vale a pena, acrescentou. “Se você ama o Cerrado, ele o devolverá para você.”

A reportagem e a fotografia nesta história foram apoiadas em parte por uma doação do Pulitzer Center.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.