Hamilton se torna o maior. Mas todo mundo tem o seu melhor

Lewis Hamilton se destaca nas pistas e também por sua luta contra o racismo (Foto: Mercedes)

Dentro Fórmula 1, a discussão sobre o melhor de todos os tempos é permanente. Fangio? Senna? Schumacher? Prost? Hamilton? Clark? Lauda? Piquet? Que vale? Número de títulos? De vitórias? Velocidade absoluta em uma única volta? Porcentagens de vitórias, poles e troféus no GP disputado?

Cada um escolhe seus próprios critérios. Sinto-me muito privilegiado por ter seguido de perto a carreira de alguns desses nomes; Fangio e Clark são as exceções. Dos outros, você pode listar façanhas, realizações, realizações e talentos transbordantes. Não faltam talentos para cada um deles.

Descubra o canal do Grand Prix no YouTube! Dar um click aqui.
Siga o Grande Prêmio em Twitter e não Instagram!

O argentino Juan Manuel Fangio conquistou cinco títulos de F1 (Foto: Reprodução)

Senna foi muito rápido nas voltas de qualificação. Em alta velocidade, muitas pessoas garantem, nunca houve e nunca haverá alguém como ele.

Prost era um relógio. Inteligente, calculista, preciso, dava aulas em todos os GP, daí o apelido de “Professor”. Nunca houve e nunca haverá alguém como ele.

Schumacher venceu campeonatos e corridas de qualquer maneira. Na chuva, no seco, saindo por trás, com quatro paradas, sem trocar pneus, enfim. Além disso, ele abraçou a missão impossível de colocar a Ferrari de volta no caminho da glória. Como ele, nunca houve outro e nunca haverá.

E a Lauda? E quanto ao seu retorno aos trilhos depois de quase morrer queimado? E do Piquet, que tal o Piquet? Engenhoso, criativo, capaz de vencer campeonatos com três motores diferentes e enfrentar um colega inglês em um time inglês! Nunca mais veremos um Lauda. Nunca mais encontraremos um Piquet.

Nunca mais, nunca mais …

Michael Schumacher, o homem que venceu 91 vezes na F1 e conquistou sete títulos mundiais (Foto: Ferrari)

Quando Schumacher terminou sua carreira pela primeira vez no final de 2006, pedi um autógrafo a ele. Mais precisamente, dois: um com camisa e outro com credencial. Afinal, nunca mais haveria um campeão sete vezes. Ninguém jamais voltaria a ganhar 91 GP.

Bem, Hamilton fez isso. O fígado está faltando. Questão de semanas. Além disso, ele superou o alemão em tudo. Vitórias, poles, pódios, GP na liderança e blahblah.

Alguém imaginaria isso em 2007, quando estreou com Alonso, atual bicampeão, maior estrela da F1 sem Schumacher? Não, não consigo imaginar. Bem, ele foi campeão no segundo ano, 2008, mas não nos próximos cinco anos. E ficar cinco anos sem um título pesa em carreiras que não são tão longas quando se olha para alguém que precisaria vencer sete para se equiparar a outro.

Lewis Hamilton, Mercedes, Fórmula 1
Com 90 vitórias, Hamilton caminha para ser o maior da história (Foto: Reprodução)

Hamilton fez. Porque, como Schumacher, ele espreme até a última gota a hegemonia imposta por sua equipe em seu próprio benefício. Mas e essa hegemonia? Seria o mesmo se o piloto fosse outra pessoa e não Lewis? A Ferrari dominaria a F1 de 2000 a 2004 da maneira que fez se Schumacher não estivesse lá? Quem faria tantos posts com a Lotus senão o Senna? Quem derrotaria Mansell depois de bater em Tamburello? Quem seria o campeão novamente depois de ver a morte sob uma Ferrari em chamas?

Tenho tendência a dizer não a todas essas perguntas. Grandes pilotos amplificam as capacidades de uma grande equipe. Alguém questiona o papel de Vettel no tetra Red Bull entre 2010 e 2013? Webber faria o mesmo? Barrichello faria o que Schumacher fez? Rosberg e Bottas fariam o que Hamilton faz?

Novamente, eu tendo a dizer não. Um puxa o outro, o outro puxa um. Quantas vezes não vimos a Mercedes mancar nos últimos anos para virar a esquina na próxima corrida? Quanto de Hamilton pudemos ver nessas voltas e mais voltas?

Então, sim: Hamilton, no momento em que ele igualar o número de vitórias de Schumacher, e com o sétimo título no bolso e uma tonelada de GPs pela frente, ele se tornará o melhor de todos os tempos. E é bom que estejamos vendo isso acontecer em nosso tempo. Porque não podíamos ver Fangio, a maioria de nós. Porque não podíamos admirar Clark. E tantos outros, que por uma razão ou outra não alcançaram números e realizações tão impressionantes.

Lewis Hamilton, Mercedes, Fórmula 1
Hamilton é o melhor de todos os tempos? (Foto: Reprodução)

Mas estou plenamente ciente de que o título de melhor de todos não virá acompanhado do nome de Hamilton por todos. Fiz o melhor que pude e ele nem correu na F-1; seu nome é Bernd Rosemeyer e ele morreu em 1938 aos 28 anos em um carro prateado a 400 km / h em uma rodovia alemã; É o melhor da minha vida e é isso, posso?

Claro que posso. Assim como você que adora Senna e o tem como herói que vence uma corrida com uma marcha, não precisa mudar de ideia, agora que Hamilton se tornou o melhor. E você que admira Piquet e sua incrível habilidade de atrair oponentes não precisa mudar de ideia, agora que Hamilton se tornou o melhor. E você que passou a vida ansiando por Schumacher em uma Ferrari em chamas, não precisa mudar de ideia, agora que Hamilton se tornou o melhor. E você, que vê Lauda como um exemplo incomparável de melhoria, não precisa mudar de ideia, agora que Hamilton se tornou o melhor.

E principalmente você, que vê Hamilton como um piloto quase infalível, dedicado, comprometido, carismático, relevante, muito veloz em uma volta rápida, ousado em uma corrida, precisa como um relógio, que ataca seus adversários, que é capaz de vencer. uma carreira. com uma picada, e que, além do mais, milita sem medo por causas essenciais à humanidade, principalmente você, não precisa mudar de opinião. Para você, ele sempre foi o melhor.

Agora é ainda mais.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado Castilho

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *