Impostos: Apple se livrou de pagar o equivalente a R $ 80 bilhões à Irlanda – 15/07/2020

Impostos: Apple se livrou de pagar o equivalente a R $ 80 bilhões à Irlanda - 15/07/2020

Juízes europeus endireitaram a Apple na quarta-feira (15) e revertiram a decisão da Comissão Européia que obrigou a empresa americana a devolver 13 bilhões de euros (80 bilhões de reais) à Irlanda em impostos atrasados, em um caso crucial para Política da Comissão Europeia.

A decisão é um grande revés para o Executivo da Comunidade, responsável por garantir a concorrência na União Européia (UE), em sua batalha para limitar a transferência de lucros de multinacionais e o poder de grandes grupos americanos no setor de a tecnologia.

“Congratulamo-nos com o veredicto do tribunal europeu”, afirmou o Ministério das Finanças da Irlanda em comunicado.

O texto destaca que “nunca houve um tratamento especial” para a Apple.

A empresa também disse que está satisfeita com a decisão.

O veredicto do Tribunal Geral da UE pode ser apelado e a decisão final será anunciada apenas em 2021.

“É improvável que a sentença desta quarta-feira termine a história”, disse Alfonso Lamadrid, advogado da consultoria Garrigues.

A disputa começou em agosto de 2016, quando uma decisão histórica do comissário da concorrência Margrethe Vestager colocou a UE no mapa como o “executor” do Vale do Silício, acusando a Irlanda de permitir que a Apple economizasse impostos entre 2003 e 2014.

Segundo Bruxelas, a empresa americana se beneficiou das “vantagens fiscais” da Irlanda, onde em 2014 teve uma taxa de imposto de 0,005%, ao declarar os rendimentos obtidos na Europa, África, Oriente Médio e Índia.

A Comissão considerou que isso conferia uma vantagem sobre outras empresas, permitindo que a Apple evitasse pagar cerca de 13 bilhões de euros durante o período e declarou que a Irlanda concedia “auxílios estatais” ilegais.

O CEO da Apple, Tim Cook, chamou a decisão na época de “lixo político” e uma tentativa de mudar a maneira como as multinacionais pagam impostos. A Irlanda considerou a medida uma interpretação “surpreendente” da lei tributária.

O presidente dos EUA, Donald Trump, acusou Vestager, que em 2019 renovou seu mandato como Comissário da Concorrência por mais cinco anos, de “odiar” os Estados Unidos e chamá-la de “mulher de impostos” por causa de multas aplicadas a empresas do país. pais

Alguns analistas expressaram dúvidas sobre o caso da Apple. Eles questionaram se a UE estava usando regras antitruste para tomar medidas firmes contra as estratégias de otimização fiscal das multinacionais.

Imposto global em ponto morto

Em casos semelhantes, o mesmo tribunal reverteu uma ordem de Bruxelas para que a rede Starbucks retornasse € 30 milhões à Holanda. No entanto, em outra decisão, o tribunal confirmou que a Fiat deveria pagar aproximadamente o mesmo valor ao Luxemburgo.

A decisão foi anunciada no momento em que a UE tenta encontrar maneiras de tributar gigantes digitais de maneira mais eficiente, para que as empresas paguem impostos onde quer que façam negócios. Alguns países do bloco são contra a ideia.

Tove Ryding, especialista em impostos da Rede Europeia de Dívida e Desenvolvimento (Eurodad), destaca o que ele considera o “elefante na sala”: alguns países da UE têm “lacunas preenchidas com lacunas” que disponibilizam para as multinacionais .

Países Baixos, Chipre, Malta e Luxemburgo praticam práticas semelhantes às da Irlanda, segundo Ryding. O ex-comissário econômico europeu Pierre Moscovici chamou esses países de “buracos negros fiscais”.

Embora os países da UE condicionem a adoção de um imposto digital a um pacto internacional, as negociações na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) são paralisadas pela oposição de Washington.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.