Índia sediará a Cúpula do G20 em setembro de 2023 | Últimas notícias Índia

A Índia assumirá a presidência do G20 a partir de dezembro e sediará a cúpula dos líderes das vinte maiores economias do mundo em Nova Délhi, de 9 a 10 de setembro de 2023.

Leia também: Candidato a primeiro-ministro do Reino Unido Sunak: Putin da Rússia deve ser excluído do G20

A Índia assumirá a presidência do G20 por um ano da Indonésia, que sediará a cúpula dos líderes em novembro. O país ocupará a presidência de 1º de dezembro de 2022 a 30 de novembro de 2023.

Sob sua presidência, a Índia deve sediar mais de 200 reuniões preparatórias e outras em todo o país, começando em dezembro deste ano. Um exercício já está em andamento para identificar locais adequados em locais que vão de Tamil Nadu ao Território da União de Jammu e Caxemira para sediar essas reuniões.

A Índia assumirá o cargo depois de trocar a presidência do G20 duas vezes, primeiro com a Itália em 2021 e depois com a Indonésia em 2022.

“A Cimeira de Líderes do G20 a nível de Chefes de Estado [or] O governo está programado para 9 e 10 de setembro de 2023 em Nova Délhi”, disse o Ministério das Relações Exteriores em comunicado na terça-feira.

A Indonésia convidou os presidentes russo e ucraniano para a Cúpula do G20 a ser realizada em Bali nos dias 15 e 16 de novembro. A presença da Rússia nas reuniões preparatórias deste ano já causou algumas tensões com outros Estados membros.

O Grupo dos Vinte é um fórum intergovernamental das principais economias desenvolvidas e em desenvolvimento do mundo. É composto por 19 países: Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, Coreia do Sul, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Turquia, Reino Unido e EUA, e União Europeia (UE).

Juntos, o G20 representa 85% do PIB mundial, 75% do comércio internacional e dois terços da população mundial, tornando-se o principal fórum de cooperação econômica internacional.

Atualmente, a Índia faz parte da Tróica do G20, que compreende as presidências atual, anterior e futura do G20 e inclui Indonésia, Itália e Índia. Durante sua presidência, a troika incluirá Índia, Indonésia e Brasil. Esta será a primeira vez que a troika será composta por três países em desenvolvimento e economias emergentes, “dando-lhes uma voz maior”, disse o comunicado.

O G20 inclui a trilha de finanças, com oito linhas de trabalho: políticas macroeconômicas globais, financiamento de infraestrutura, arquitetura financeira internacional, finanças sustentáveis, inclusão financeira, finanças da saúde, tributação internacional e reformas do setor financeiro.

Também inclui o caminho Sherpa, com 12 linhas de trabalho: anticorrupção, agricultura, cultura, desenvolvimento, economia digital, emprego, meio ambiente e clima, educação, transição energética, saúde, comércio e investimento e turismo.

Existem 10 grupos de engajamento do setor privado, sociedade civil e órgãos independentes que se concentram em áreas como negócios, assuntos civis, trabalho, parlamento, ciência, instituições de auditoria, assuntos urbanos e assuntos da mulher e da juventude.

Há uma tradição de que a presidência do G20 convide países convidados e organizações internacionais para suas reuniões e cúpulas. Além das habituais organizações internacionais como a ONU, FMI, Banco Mundial, OMS, OMC e OIT e presidentes de organizações regionais como a ASEAN, a Índia, durante a sua presidência, convidará Bangladesh, Egipto, Maurícias, Holanda, Nigéria, Omã, Cingapura, Espanha e Emirados Árabes Unidos como países convidados.

A Índia também convidará a International Solar Alliance, Coalition for Disaster Resilient Infrastructure e o Asian Development Bank como organizações internacionais convidadas.

Enquanto as prioridades do G20 da Índia estão se firmando, as negociações em andamento giram em torno do crescimento inclusivo, equitativo e sustentável, vida ou estilo de vida para o meio ambiente, empoderamento das mulheres, infraestrutura pública digital e desenvolvimento tecnológico em áreas como saúde, agricultura, educação e turismo, financiamento climático , segurança alimentar global, segurança energética, combate ao crime econômico e reformas multilaterais, dizia o comunicado.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.