Intelectuais, artistas, políticos e ativistas se unem no pedido de impeachment de Bolsonaro

JBr.

Os crimes contra a saúde pública e os crimes de responsabilidade, como a promoção de atos de fechamento do Congresso Nacional, foram a última gota para motivar intelectuais, artistas, parlamentares e ativistas brasileiros a exigir a remoção do presidente Jair. Bolsonaro. O pedido foi protocolado hoje (18) e aguarda a posição do Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para iniciar o processamento.

Débora Diniz, Vladimir Safatle e Luis Felipe Miguel estão entre os intelectuais e pesquisadores que assinaram a ação. A eles se juntam artistas como Gregório Duvivier e Zélia Duncan. Fernanda Melchiona, Sâmia Bonfim e David Miranda são os parlamentares federais do PSOL signatários do trabalho. Fábio Felix (DF) é o representante regional da sigla que também solicita a saída imediata do Presidente da República.

Segundo a deputada Fernanda Melchionna (PSOL / RS), “Bolsonaro não pode falar ou agir como ele deseja. Estamos no pior momento da história recente do país com a pandemia de Coronavírus e, é claro, um momento terrível para uma crise política, mas talvez seja o mais necessário. Bolsonaro tem sido um criminoso em sua conduta e sua irresponsabilidade pode trazer sérios riscos à vida das pessoas e à saúde nacional, aprofundando a crise em vez de resolvê-la. Diante disso, chegamos a uma medida limite, que é o pedido de impeachment “, declara. “Este grupo estuda há muito tempo medidas contrárias à conduta criminal de Bolsonaro. Existem muitas violações e violações do decoro, mas a posição do presidente em relação à pandemia de coronavírus torna seu mandato insustentável “, diz o deputado distrital Fábio Felix.

A solicitação trata diretamente dos artigos do Art. 6º da Lei nº. 1.079 / 50, que dispõe do livre exercício dos poderes legislativo e judicial e constitucional dos Estados, e o trata como crime 1) tentando dissolver o Congresso Nacional; 2) objetar diretamente e por fatos ao livre exercício do Poder Judiciário; do artigo 7, como 1) usar as autoridades sob sua subordinação imediata para praticar abuso de poder ou tolerar que essas autoridades o pratiquem sem a repressão; 2) agir de maneira inconsistente com a dignidade, honra e decoro do cargo, e o Artigo 9, como 1) não fazer cumprir a responsabilidade de seus subordinados, quando se manifestar em crimes funcionais ou na prática de atos contrários à Constituição; 2) emitir ordens ou fazer uma solicitação contrária às disposições expressas da Constituição.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *