Inter adota a idéia argentina de que até Guardiola costumava mudar seu jogo 11/02/2016

UOL - O melhor conteúdo

Foi uma imagem frequente nos jogos internacionais, no início de 2016: no chute de gol, Paulão e Réver se movem para as laterais do campo e deixam espaço para a chegada de Fernando Bob. Na frente da área, o meia recebe de Alisson e levanta a cabeça para iniciar o movimento ofensivo a partir daí. A peça é a mesma que o Barcelona fez com Pep Guardiola, especialmente no início do mandato do técnico em Camp Nou, mas foi criada no México.

Ricardo La Volpe, técnico argentino, é o pai do movimento que o Inter já usou. Foi ele, nos dias da equipe mexicana, que pensou em uma dinâmica para criar superioridade numérica contra um adversário que marca com pressão.

Chamado de ‘três saídas’ ou ‘saída lavolpiana’, visa criar um desequilíbrio e pode até gerar um efeito dominó no restante do campo. A idéia foi finalmente adotada por inúmeros treinadores em todo o mundo há anos e agora chegou ao Beira-Rio.

Com um meia entre os zagueiros, o goleiro sempre tem três opções para parar de jogar. As extremidades, que em outros tipos de saídas de bola estão próximas da área, avançam ainda mais e estão próximas da linha do meio-campo.

Mesmo nos Estados Unidos, onde participou da Copa da Flórida, a Inter aplicou o princípio. E ele gostou da resposta, repetindo a dose contra Coritiba e Ypiranga-RS. O principal ator desse plano é Fernando Bob, segundo no ranking de determinados passes do Brasileirão 2015, segundo o site especializado Footstats.

Com Bob, o Algiers Fucks encontrou uma maneira de ter mais posse de bola e controlar o jogo. No entanto, no Campeonato Gaúcho, contra adversários tecnicamente inferiores, o cenário não é totalmente ideal. Diante de equipes limitadas e fechadas, a pontuação mais alta não aparece. A vantagem numérica na primeira linha (defesa) não existe e o que era uma solução pode se tornar um problema. Por esse motivo, variações táticas começam a aparecer.

“Eu não estou conectado a um sistema. Já brincamos com vários esquemas. Já brincamos com losango, quadrado (no centro do campo). Contra o Bayer (Leverkusen, na Copa da Flórida), jogamos por 4-2-4, agora (contra o Ypiranga-RS) começamos no diamante e, com 25 minutos, passamos para uma linha de quatro. É importante controlar, é importante ter propriedade. Mas é importante marcar ”, disse Alger depois de uma vitória por 3-2 contra a equipe de Erechim.

Em uma recente sessão de treinamento, o Inter começou a exercitar três com outros jogadores. Além de Bob, Rodrigo Dourado e até Anderson foram instruídos a procurar a bola entre os zagueiros. Com o jogo três, ou uma variação ainda a ser usada, o Colorado envia uma mensagem: quer deixar de ser o time que sobreviveu à base de bolas aéreas e aos contra-ataques, como no início dos trabalhos de Argel. Nesta quinta-feira, a equipe tem a oportunidade de testar novamente.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL X PASSO FUNDO

Data: 11/02/2016 (quinta-feira)
Localização: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Horário: às 19:30 (Brasília)
Árbitro: Francisco Neto
Participantes: Élio Nepomuceno e André da Silva Bitencourt

INTERNACIONAL: Alisson William, Paulão, Réver e Artur; Fernando Bob, Rodrigo Dourado, Anderson e Alex (Andrigo); Eduardo Sasha (Marquinhos) e Vitinho
Técnica: Argel fode

Antecedentes Mateo; Tiago Machado, Gustavo, Leo Kanu, Alisson Gaúcho; Rudiero, Nata, Souza, Rennan Oliveira; Jean Silva e Hyantony (Branquinho)
Técnica: Paulo Porto

You May Also Like

About the Author: Manoel Menezes

"Analista hardcore. Viciado em Twitter. Comunicador. Jogador sutilmente encantador. Fã de bacon. Fanático por álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *