Jatos quentes que não deveriam ter sido detectados em um buraco negro

Astrônomos descobriram jatos de plasma vindos de um lugar inesperado: a Masmorra supermassivo na galáxia central de um aglomerado de galáxias onde ocorre a formação de novas estrelas. Isso é peculiar porque tais jatos nunca foram detectados em centros galácticos onde o gás é frio o suficiente para iniciar a formação de estrelas.

Esses jatos estavam localizados no aglomerado Phoenix, um grupo gigante formado por várias galáxias mantidas juntas pela força gravitacional. Aglomerados de galáxias são considerados o segundo maior tipo de estrutura do universo, atrás apenas dos superaglomerados, que contêm dezenas de aglomerados galácticos.

Com a ajuda do Australia Telescope Compact Array (ATCA), os astrônomos observaram o aglomerado Phoenix, que está localizado a 5,9 bilhões de anos-luz de distância. O objetivo era entender os mecanismos que poderiam influenciar, ou impedir, a formação de novas estrelas. Nestes grupos, o espaço entre as galáxias está cheio de gás, mesmo que muito diluído. Teoricamente, quando a temperatura desses gases é baixa o suficiente, eles podem se condensar nas condições para a formação de estrelas no centro do aglomerado.

No entanto, isso não é exatamente o que os cientistas encontram em grupos próximos. O gás resfriado e as estrelas não são encontrados nos corações desses grupos. Isso significa que algo deve aquecer o material gasoso, evitando que ele se condense para formar estrelas.

Ilustração do aglomerado de galáxias Phoenix e suas explosões emitidas por um buraco negro central (Imagem: Reprodução / NAOJ)

Ainda não se sabe exatamente como funciona esse processo ou quais são as condições para que o gás resfrie ou aqueça. Até agora, os cientistas levantaram a hipótese de que a fonte de calor que mantém o gás aquecido e diluído são os jatos de alta velocidade, emitidos por buracos negros supermassivos, provavelmente localizados no coração da galáxia central do aglomerado. Apenas o grupo Phoenix conseguiu tudo sob controle. Além do fato de que o gás que ali existe é frio, os astrônomos observaram a formação de estrelas massivas.

Você quer dizer, então, que o cluster Phoenix não tem jatos quentes emitidos do buraco negro central? Essa seria uma conclusão lógica, mas para a surpresa dos astrônomos liderados pelo Dr. Takaya Akahori do Observatório Astronômico Nacional do Japão, o radiotelescópio ATCA detectou os jatos em raios X. Mais precisamente, uma estrutura binária difusa em forma de dois foi detectada. barras que se estendem do centro da galáxia central. Segundo os pesquisadores, a estrutura é formada por jatos emitidos por um buraco negro.

Isso significa que a equipe de Akahori descobriu o primeiro exemplo de um aglomerado de galáxias onde há resfriamento de gás entre as galáxias e os jatos quentes do buraco negro. O estudo foi não publicou Publicações da Sociedade Astronômica do Japão.

Fonte: Science-News

Gostou deste artigo?

Assine seu e-mail no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas novidades do mundo da tecnologia.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *