Jimmy Lai, magnata da mídia de Hong Kong, é preso | Mundo

O magnata Jimmy Lai foi preso nesta segunda-feira (10), e sua assessoria de imprensa na Hong Kong foi alvo de uma operação de busca e apreensão baseada na polêmica lei de segurança, mais um passo na crescente influência de Pequim na ex-colônia britânica.

O homem de 71 anos foi preso em sua casa pela manhã, disse Mark Simon, um de seus associados mais próximos. Dois outros funcionários da empresa também foram presos.

Em uma frase, polícia anunciou sete detenções por suposto conluio com forças estrangeiras – uma das novas proibições mencionadas na lei de segurança nacional – e por fraude.

Os dois filhos de Lai estão entre os presos, segundo fonte da polícia.

Considerada uma resposta de Pequim a meses de manifestações pró-democracia que marcaram o território semiautônomo em 2019, a lei de segurança nacional dá às autoridades novos poderes para processar quatro tipos de crimes contra a segurança do Estado: subversão, separatismo, terrorismo e conluio com forças estrangeiras.

Vários activistas pró-democracia denunciaram que, na prática, a lei abole o princípio de “um país, dois sistemas” que vigorava desde o retrocesso de 1997 e que em tese garantia até 2047 uma série de liberdades para os Cidadãos de Hong Kong. que não existem no resto da China.

Jimmy Lai, magnata da mídia de Hong Kong, é preso

Jimmy Lai é dono de duas publicações que são abertamente pró-democráticas e críticas ao governo de Pequim, o jornal “Apple Daily” e a “Next Magazine”.

No final da manhã de segunda-feira, cerca de 200 policiais apareceram na sede do grupo de comunicação em uma área industrial no bairro de Lohas Park.

Repórteres do Apple Daily transmitiram imagens da operação ao vivo nas redes sociais, mostrando o editor-chefe da publicação, Law Wai-kwong, pedindo à polícia um mandado de busca e apreensão.

“Diga a seus colegas para não tocarem em nada antes que nossos advogados verifiquem o mandato”, advertiu Law.

Os policiais ordenaram aos jornalistas que fizessem fila para verificar sua identidade, enquanto outros policiais perambulavam pela redação. Lai foi trazido ao local algemado.

Chris Yeung, presidente da Associação de Jornalistas de Hong Kong, chamou a operação de “chocante e aterrorizante”.

“Isso não tem precedentes e era inimaginável um ou dois meses atrás”, disse ele à AFP.

Law mandou mensagem aos jornalistas do grupo, na qual pedia aos profissionais que permanecessem em seus cargos para permitir a publicação da próxima edição do jornal, apesar da operação policial e das prisões.

Para muitos cidadãos de Hong Kong envolvidos no movimento pró-democracia, Lai é um herói, um empresário combativo e o único magnata no território semi-autônomo que ousa criticar Pequim.

As ações da Next Digital fecharam mais de 180% abaixo na Bolsa de Valores de Hong Kong, no nível mais baixo desde junho de 2019, enquanto os apoiadores de Lai começaram uma campanha online para apoiar a empresa.

Poucas pessoas no território causam tanta agitação em Pequim quanto Lai, a quem a imprensa estatal chinesa chama de “traidor”, que o acusa de instigar os protestos de 2019.

As alegações de conluio com uma potência estrangeira aumentaram no ano passado, quando Lai se reuniu com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o vice-presidente dos EUA, Mike Pence.

Em meados de junho, duas semanas antes da promulgação da nova lei de segurança, Jimmy Lai disse à AFP que esperava ser detido.

“Estou preparado para ir para a cadeia”, disse ele. “Se isso acontecer, terei a oportunidade de ler livros que ainda não consegui ler. Tudo o que posso fazer é permanecer otimista”.

Respondeu a alegações de conluio e afirmou que os cidadãos de Hong Kong tinham o direito de se encontrar com políticos estrangeiros.

Lai chegou ilegalmente a Hong Kong com sua família quando tinha 12 anos, a bordo de um navio de Cantão.

Começou a trabalhar numa fábrica de têxteis e quando tinha quase 30 anos aprendeu a falar inglês e fundou a sua própria empresa têxtil.

Mas foi a repressão aos protestos da Tiananmen (Praça Tiananmen) em 1989 que transformou sua visão política. Um ano depois, ele fundou a Next Media.

Na entrevista de junho à AFP, ele disse que a nova lei deixou Hong Kong “de joelhos” e citou temores de processos contra jornalistas.

Autoridades na China e em Hong Kong disseram que a lei não afetaria as liberdades em territórios semiautônomos de forma alguma e teria como alvo uma minoria de pessoas.

Policiais na sede do Apple Daily nesta segunda (10) – Foto: Apple Daily / via Reuters

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado Castilho

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *