Keppel Offshore & Marine pagará ao Brasil 65 milhões de dólares para resolver caso de suborno em 2016

A Keppel Offshore & Marine assinou um acordo de leniência no Brasil para resolver acusações de corrupção que remontam ao início dos anos 2000 (foto de arquivo)

Postado em 20 de dezembro de 2022 às 15h11 por

O Executivo Marítimo

A Keppel Offshore & Marine (KOM) e a Procuradoria Geral da República e a Controladoria Geral do Brasil chegaram a um acordo para a resolução de um caso que remonta a 2016 e pagamentos corruptos feitos por um ex-agente da KOM no Brasil. A empresa disse que com este último acordo, que se soma a um acordo de 2017 com Brasil, Cingapura e Estados Unidos, a KOM não espera mais motivos de responsabilidade no Brasil relacionados a essas questões.


Já em 2015 havia rumores de possíveis pagamentos de propina no Brasil pelo agente local da empresa, Zwi Skornicki. Foi informado que o agente preso em fevereiro de 2016 e Keppel em outubro de 2016 disseram que haviam concluído uma investigação interna completa, identificando certas transações suspeitas envolvendo Skornicki e que ele estava cooperando com as autoridades no Brasil e em outros lugares para resolver os problemas.


Todo o escopo da corrupção foi revelado em um trio único. acordo entre Brasil, Cingapura e Estados Unidos em dezembro de 2017. De acordo com admissões e documentos judiciais, desde pelo menos 2001 até pelo menos 2014, a KOM estava envolvida no pagamento de aproximadamente US$ 55 milhões em propinas a funcionários da empresa estatal brasileira empresa petrolífera Petrobras, e então partido político no poder no Brasil, para ganhar 13 contratos com a Petrobras e outra entidade brasileira. De acordo com os documentos judiciais, a KOM fez e ocultou os pagamentos de suborno pagando comissões enormes a um intermediário, sob o disfarce de negócios de consultoria legítimos, que então fizeram pagamentos em benefício de autoridades brasileiras e do partido político brasileiro. A KOM USA esteve envolvida na conspiração de aproximadamente 2007 a 2014 e a KOM USA se declarou culpada no Distrito Leste de Nova York em conexão com o acordo, junto com um ex-membro sênior do departamento jurídico da KOM nos EUA.


A KOM em 2017 concordou em pagar uma multa total combinada de mais de US$ 422 milhões para liquidar as acusações com as autoridades dos Estados Unidos, Brasil e Cingapura. No novo acordo de leniência com a Advocacia Geral da União e a Controladoria Geral da União, a KOM concordou em pagar aproximadamente US$ 65 milhões em multas e danos. No entanto, as Câmaras do Procurador-Geral de Cingapura e o Escritório de Investigação de Práticas Corruptas concordaram em princípio em permitir que a KOM solicite um crédito de até aproximadamente US$ 53 milhões sob os termos do acordo de 2017.


No Brasil, a AGU e a CGU são autoridades que têm um mandato paralelo às autoridades criminais brasileiras para fazer cumprir certas leis anticorrupção. A Keppel foi, portanto, obrigada a se envolver em um processo de negociação separado com esses escritórios após o acordo de 2017 que incluiu o Ministério Público no Brasil (Ministério Público Federal).


“O acordo de leniência é resultado da total cooperação da KOM com as investigações da AGU e da CGU, que as duas autoridades reconheceram juntamente com os extensos esforços de remediação da KOM e melhorias significativas na conformidade em resposta a questões relacionadas ao ex-agente no Brasil”, disse a empresa. ao anunciar o negócio. . A Keppel disse que continua comprometida em manter altos padrões éticos e fortes controles em suas operações globais.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *