Líbano vota nas primeiras eleições desde a crise, com pouca esperança de mudança

BEIRUTE (AFP) – O Líbano foi às urnas neste domingo para suas primeiras eleições desde que várias crises o levaram à beira de um estado falido, com a elite governante esperando confortavelmente resistir à raiva pública.

A eleição parlamentar é um primeiro teste para os movimentos de oposição gerados por uma revolta anti-establishment sem precedentes em 2019 que aumentou brevemente as esperanças de mudança de regime no Líbano.

No entanto, os observadores alertaram que nenhuma mudança sísmica deve ser esperada, com todas as alavancas do poder firmemente nas mãos dos partidos sectários tradicionais e um sistema eleitoral manipulado a seu favor.

Após uma campanha decepcionante sufocada pela terrível situação econômica do país, 3,9 milhões de libaneses poderão votar quando as urnas abrirem às 7:00 am (0400 GMT).

Os independentes podem esperar mais do que o único assento que conquistaram em 2018, mas a maioria do parlamento de 128 assentos permanecerá nas mãos da mesma classe política culpada pelos problemas do país.

A câmara cessante foi dominada pelo grupo xiita Hezbollah apoiado pelo Irã e seus dois principais aliados: o partido xiita Amal do presidente Nabih Berri e o Movimento Patriótico Livre Cristão do presidente Michel Aoun.

Cartazes expressando apoio ao líder do Hezbollah do Líbano, Hassan Nasrallah, estão pendurados em uma rua principal da capital Beirute em 14 de maio de 2022, na véspera das eleições parlamentares. (LOUAI BESHARA/AFP)

“Parece quase impossível imaginar o Líbano votando por mais do mesmo, e ainda assim esse parece ser o resultado mais provável”, disse Sam Heller, analista da Century Foundation.

Desde as últimas eleições, o país foi prejudicado por uma explosão no porto de Beirute que se tornou uma das maiores explosões não nucleares da história e aprofundou uma das recessões econômicas mais espetaculares do nosso tempo.

A libra libanesa perdeu 95% de seu valor, as economias das pessoas estão trancadas nos bancos, o salário mínimo não é suficiente para comprar um botijão de gás e a rede elétrica só funciona duas horas por dia.

Um outdoor eleitoral é colocado no topo de um prédio em Beirute, capital do Líbano, em 14 de maio de 2022, na véspera das eleições parlamentares. (LOUAI BESHARA/AFP)

Mais de 80% da população é agora considerada pobre pelas Nações Unidas, com os mais desesperados tentando travessias de barco cada vez mais perigosas para fugir para a Europa.

Uma vez descrito como a Suíça do Oriente Médio, o Líbano ficou em penúltimo lugar atrás do Afeganistão no último Índice Mundial de Felicidade divulgado em março.

Atordoados com as dificuldades diárias da crise econômica, muitos eleitores registrados ficaram indiferentes a uma eleição que até poucos dias atrás duvidavam que acontecesse.

Apesar da pressão internacional para reformar a política libanesa, a corrupção que derrubou o país ainda é abundante, inclusive no processo eleitoral.

A crise só fez aumentar a diferença de poder de compra entre os políticos que compram votos e o eleitorado que os vende.

Mulheres sob um outdoor eleitoral na capital do Líbano, Beirute, em 14 de maio de 2022, na véspera das eleições parlamentares. (LOUAI BESHARA/AFP)

No comício de um candidato na cidade de Trípoli, no norte, alguns apoiadores ficaram desapontados com a falta de dinheiro que foi feito com as cadeiras de plástico.

Embora a eleição de domingo possa não derrubar sua liderança insultada, alguns libaneses veem a votação como um importante teste de princípios que surgiram durante a revolta de outubro de 2019.

Para Marianne Vodolian, a explosão cataclísmica em agosto de 2020 que desfigurou Beirute e matou mais de 200 pessoas torna o voto um dever ainda mais sagrado.

“Somos contra o regime que nos governou por 30 anos, nos roubou e nos explodiu”, disse o homem de 32 anos, porta-voz das famílias das vítimas da explosão.

Os partidos de oposição, muitos dos quais surgiram do já extinto movimento de protesto que apoia mudanças seculares e democráticas, têm lutado para montar um desafio unido, mas ainda assim podem garantir uma voz mais forte no parlamento.

Veículos do exército libanês patrulham uma rodovia na cidade de Trípoli, no norte, em 14 de maio de 2022, na véspera das eleições parlamentares. (Ibrahim CHALHOUB/AFP)

“As eleições são uma oportunidade para mudar o sistema e responsabilizá-lo de uma forma que torne este país habitável”, disse Vodolian.

Os principais barões políticos paralisaram uma investigação sobre a explosão (dois dos principais suspeitos estão concorrendo a uma cadeira) e os processos legais contra o presidente do banco central por crimes financeiros são igualmente instáveis.

Uma das mudanças mais notáveis ​​no cenário eleitoral é a ausência do ex-primeiro-ministro Saad Hariri, deixando parte do voto sunita em disputa para novos jogadores.

você é um leitor dedicado

É por isso que começamos o Times of Israel há dez anos, para fornecer a leitores perspicazes como você uma cobertura de leitura obrigatória de Israel e do mundo judaico.

Então agora temos um pedido. Ao contrário de outros meios de comunicação, não instalamos um paywall. Mas como o jornalismo que fazemos é caro, convidamos os leitores para quem o The Times of Israel se tornou importante para ajudar a apoiar nosso trabalho juntando-se A Comunidade dos Tempos de Israel.

Por apenas US$ 6 por mês, você pode ajudar a apoiar nosso jornalismo de qualidade enquanto desfruta do The Times of Israel. ANÚNCIO GRÁTISassim como o acesso conteúdo exclusivo disponível apenas para membros da comunidade Times of Israel.

Obrigada,
David Horovitz, editor fundador do The Times of Israel

Junte-se a nossa comunidade

Junte-se a nossa comunidade

Já é um usuário? Faça login para parar de assistir

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.