Lula apresenta visão para o Brasil e o planeta na COP 27

SHARM EL-SHEIKH, Egito – O novo presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, expôs sua visão para a maior floresta tropical do mundo e o futuro de um planeta em aquecimento para centenas de apoiadores nas negociações climáticas anuais aqui na quarta-feira.

Em um discurso de 30 minutos, ele promoveu o respeito à natureza, os direitos dos povos indígenas e o fim total do desmatamento em todo o Brasil.

“Estou aqui hoje para dizer que o Brasil está pronto para mais uma vez somar esforços para construir um planeta mais saudável”, afirmou.

Lula então pediu mais liderança para reverter as temperaturas mais altas e mais recursos dos países desenvolvidos para que os mais pobres e ameaçados pelo clima enfrentem as consequências de um problema que não criaram. E ele chamou a atenção para a grande desigualdade na forma como os impactos climáticos são sentidos nas nações com base no tamanho de suas economias.

“A luta contra o aquecimento global é inseparável da luta contra a pobreza”, disse, sob aplausos generalizados.

Enquanto os negociadores aqui trabalham para chegar a um acordo sobre o futuro da ação e financiamento climático, uma multidão grande demais para caber em uma sala se reuniu na esperança de vislumbrar um homem que deve virar a maré lá. Apenas para a Amazônia, mas para todos os brasileiros . biomas.

Alguns também esperavam que Lula pudesse dar o exemplo do tipo de liderança necessária para enfrentar uma crescente crise climática.

“Sentimos que não foi apenas a vitória de Lula ou a vitória da democracia, mas a vitória de seus povos indígenas no sentido de que defendemos a democracia multiespécie, defendemos um termo ou ideia mais ampla de democracia ambiental. Não podemos pensar em uma economia saudável sem um ambiente saudável”, disse Edson Krenak Naknanuk, líder brasileiro da Cultural Survival, uma organização sem fins lucrativos que defende os direitos dos povos indígenas.

A aparição do político de 77 anos nas negociações climáticas anuais aqui marca a primeira viagem internacional de Lula desde que ele venceu o segundo turno no final do mês passado. O convite a um novo presidente foi um reconhecimento de que o mundo tem pressa de ver o Brasil mais uma vez participando das discussões sobre o futuro do planeta, disse.

“Ao final de uma disputa implacável, o povo brasileiro tomou sua decisão e a democracia venceu”, disse. “Com isso… volta o respeito aos direitos humanos e o compromisso de enfrentar com determinação o tema das mudanças climáticas.”

Quando ele entrou na sala, os participantes começaram a cantar: “Ole, ole, ole, ole, Lula, Lula”, eles entoavam.

Lula ainda não está no comando do governo, mas isso não o impediu de negociar futuros acordos climáticos no Egito.

A ministra de Cooperação Econômica e Desenvolvimento da Alemanha, Svenja Schulze, disse após uma reunião com a equipe de Lula que faria ligações imediatamente após a conferência para discutir um acordo do Grupo dos Sete para pagar o Brasil pela transição de sua economia.

“Devemos conversar com o novo governo do Brasil não apenas sobre o setor de energia, mas, além disso, sobre uma parceria que, em conjunto, busque mover a economia para uma direção mais social e ecológica”, afirmou.

A mudança climática será uma prioridade fundamental no novo governo, disse Lula, chamando o desmatamento maciço de florestas que ocorreu sob seu antecessor, Jair Bolsonaro, “uma coisa do passado”. Somente nos últimos três anos, o desmatamento na Amazônia aumentou 73% sob pressão dos interesses de mineração, extração de madeira e pecuária. Muitos especialistas temiam que outro mandato de Bolsonaro pudesse levar ao seu colapso (climatizável30 de setembro).

Lula também prometeu reprimir os crimes ambientais e fortalecer os órgãos de fiscalização que Bolsonaro desmantelou. E prometeu criar um ministério dos Povos Indígenas que promoveria políticas voltadas para a paz, segurança e sustentabilidade.

Os 28 milhões de brasileiros que vivem na Amazônia devem ser os primeiros agentes e beneficiários de um modelo de desenvolvimento local sustentável, não um modelo que destrói a floresta e traz riqueza para poucos, disse Lula.

“Vamos mostrar mais uma vez que é possível gerar riqueza sem causar mudanças climáticas”, acrescentou.

Em um aceno para a arena global a que estava se dirigindo, Lula fez uma oferta para sediar as negociações climáticas em 2025 e pediu uma revisão do sistema da ONU para permitir uma maior diversidade de vozes e representação.

E ele ainda opinou sobre um dos tópicos mais controversos nas negociações climáticas deste ano: a compensação por danos climáticos irreparáveis. “Não podemos adiar este debate”, disse ele.

O repórter do POLITICO Europe, Karl Mathiesen, contribuiu.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.