Lula do Brasil tem vantagem de dois dígitos sobre Bolsonaro: pesquisa | notícias eleitorais

O ex-presidente de esquerda tem 46% de apoio em comparação com 32% do atual Jair Bolsonaro, segundo uma nova pesquisa.

O ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, que está competindo para destituir Jair Bolsonaro nas eleições de outubro do país, reivindicou uma vantagem de dois dígitos sobre o líder de extrema-direita, de acordo com uma nova pesquisa.

A pesquisa publicada segunda-feira pelo Instituto FSB descobriu que 46% dos eleitores disseram apoiar Lula, acima dos 41% em abril, enquanto o apoio a Bolsonaro permaneceu inalterado em relação a um mês atrás em 32%.

O diretor do FSB, Marcelo Tokarski, disse que Bolsonaro ganhou terreno em abril depois que o ex-ministro da Justiça Sergio Moro deixou o cargo, mas Lula viu um obstáculo depois que João Doria, ex-governador do estado de São Paulo, que concorreu como candidato de centro-direita, jogou no toalha. a semana passada.

“O aumento da inflação, mas principalmente a expectativa da maioria dos eleitores de que os preços continuarão subindo nos próximos três meses, tem sido um obstáculo aos planos de reeleição de Bolsonaro”, disse Tokarski.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, está enfrentando uma queda na popularidade em meio à crise do coronavírus. [File: Guga Matos/Reuters]

Bolsonaro, um nacionalista pró-armas, enfrenta um crescente descontentamento público com o tratamento da pandemia de coronavírus e seu esforço para incentivar a mineração na Amazônia, enquanto a alta inflação e o aumento dos preços dos combustíveis também afetaram sua popularidade.

Bolsonaro, que assumiu o cargo em 2019, também expressou preocupação com seus ataques ao sistema de votação eletrônica do país. Ele insistiu, sem provas, que o sistema é vulnerável a fraudes, uma alegação rejeitada por especialistas judiciais que disseram que ele está tentando colocar em dúvida antes da votação de 2022 para contestar os resultados.

No início de maio, um grupo de 80 juristas e pesquisadores jurídicos apelou ao Relator Especial das Nações Unidas para visitar o Brasil e relatar os ataques do governo ao Supremo Tribunal Federal e ao Tribunal Superior Eleitoral que fiscaliza as eleições.

Enquanto isso, Lula vem buscando ampliar sua coalizão política antes das eleições de outubro, nomeando o centrista Geraldo Alckmin como seu companheiro de chapa.

O homem de 76 anos, do Partido dos Trabalhadores de esquerda, já foi perseguido por um escândalo de corrupção e uma temporada na prisão, mas um juiz anulou sua condenação no ano passado em uma medida que abriu a porta para ele buscar a reeleição.

De acordo com a pesquisa de segunda-feira, em um esperado segundo turno entre os dois rivais, Lula teria 54% dos votos e Bolsonaro 35%, uma vantagem de 19 pontos percentuais que Lula tinha em março.

A pesquisa, patrocinada pelo banco de investimentos BT, mostrou que as eleições brasileiras estão mais polarizadas do que nunca, com alternativas centristas a Lula e Bolsonaro ganhando apenas 13% do apoio dos eleitores, ante 17% em abril e 24% em março.

As taxas de rejeição para Lula e Bolsonaro permanecem praticamente inalteradas, com 43% dos eleitores dizendo que nunca votariam em Lula e 59% dizendo que nunca votariam no candidato de extrema direita.

Na semana passada, uma pesquisa do Datafolha mostrou que Lula obteve 48% de apoio em comparação com 27% de Bolsonaro.

“Esses números são uma ótima notícia para a campanha de Lula. Bolsonaro vai ter que tirar um coelho da cartola agora”, disse o analista político André Cesar, da consultoria de risco Hold Assessoria, à agência de notícias Reuters.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.