Mais de 800 manifestantes presos durante novos protestos na Bielo-Rússia | Mundo

Mais de 800 manifestantes foram presos neste domingo (8) em Bielo-Rússia durante protestos da oposição em Minsk pedindo a saída do presidente Alexander Lukashenko.

Os oponentes se reuniram todos os domingos na capital e outras cidades durante três meses para pedir a renúncia do presidente após a disputa. Eleição presidencial de 9 de agosto, sinalizado por acusações de fraude.

Eles exigem que Lukashenko, no poder desde 1994, dê lugar a seu oponente nas eleições presidenciais, Svetlana Tikhanovskaya, que teve de fugir para o exterior semanas após as eleições para escapar da repressão.

Milhares de manifestantes, muitos vestidos com as cores vermelho e branco da oposição, aglomeraram-se no centro de Minsk, cercados por uma grande força policial e onde várias estações de metrô foram fechadas.

Policiais prendem um homem em Minsk, Bielo-Rússia, neste domingo (8), durante um protesto contra o resultado das eleições presidenciais no país – Foto: AFP

De acordo com a organização de direitos humanos Viasna, pelo menos 830 manifestantes foram presos em Minsk e algumas outras cidades. Entre eles estão uma dezena de jornalistas, além de atletas, como o medalhista de decalques olímpicos Andrei Krauchanka ou a Miss Belarus 2008, Olga Jinikova, segundo a mídia independente Tut.by.

“O país virou uma prisão. É uma junta militar, é impossível suportar essa situação, essa repressão, essas pessoas presas na rua”, disse Elena Vassilevich, uma aposentada de 65 anos que disse esperar “viver em um país. livre”. e democrático “.

5 pontos para entender a crise na Bielorrússia

Refugiada na Lituânia, Svetlana Tikhanovskaïa estimou no domingo que esses 90 dias de manifestações mostram que “o poder perdeu sua legitimidade”.

“Ele não quer nos dar o direito de decidir o que vai acontecer em nosso país”, escreveu no Telegram, acrescentando que os protestos vão continuar “até a vitória”.

Tikhanovskaya, que reivindica vitória nas eleições de 9 de agosto, foi apoiado por vários líderes europeus que se recusaram a reconhecer o resultado da eleição.

No sábado (7), ele parabenizou Joe Biden pela eleição para a Casa Branca. “Foi uma verdadeira corrida de ideias, programas e equipes, ao contrário da Bielo-Rússia, onde os votos foram simplesmente roubados”, disse ele.

Ele acrescentou que acredita que “o novo presidente dos Estados Unidos logo se encontrará com o recém-eleito presidente de uma nova Bielorrússia livre”, observando que Joe Biden “repetidamente assumiu posições firmes de apoio ao povo bielorrusso”.

Alexander Lukashenko descreveu as eleições nos Estados Unidos no sábado como uma “paródia da democracia” e disse não esperar que suas relações com Washington mudem.

Policiais são vistos durante protesto da oposição contra o resultado oficial das eleições presidenciais em Minsk, Bielo-Rússia, neste domingo (8) – Foto: AP

As manifestações de domingo na Bielo-Rússia reúnem dezenas de milhares de pessoas, às vezes mais de 100.000, e constituem os maiores encontros desde a independência do país em 1991.

As primeiras manifestações, nos dias posteriores às eleições que Lukashenko afirma ter vencido com 80% dos votos, foram marcadas por violentas repressões que deixaram pelo menos três mortos e acusações de tortura por manifestantes detidos.

Alexander Loukachenko, que exclui a renúncia, multiplicou suas declarações marciais, por exemplo, tendo garantido que a polícia logo dispararia munição real ou pedindo à polícia na semana passada que não “fizesse prisioneiros”.

Lukashenko, seu filho Viktor e treze outras autoridades bielorrussas foram oficialmente adicionados à lista de sanções da UE na sexta-feira.

VÍDEOS: os mais vistos do G1 nos últimos 7 dias

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *