Malkia Strikers perde mais uma vez em amistoso antes do evento mundial

Sharon Chepchumba, do Quênia, chuta a bola contra jogadores do São Caetino durante seu amistoso em 27 de julho de 2022 em São Paulo, Brasil. [Courtesy]

A seleção nacional feminina de vôlei do Malkia Strikers perdeu sua sétima partida no Brasil ao intensificar seus treinamentos em preparação para o Mundial do próximo mês, que será co-organizado pela Holanda e Polônia.

A obra-prima mundial está agendada de 23 de setembro a 15 de outubro.

As meninas do Quênia, sob a tutela de Paul Bitok, devem retornar em 5 de setembro antes de voar para a Sérvia para mais partidas de aquecimento de 12 a 19 de setembro e depois voar para a Polônia, onde ficarão sediadas.

Na partida de ontem em São Paulo, o Malkia Strikers mais uma vez não conseguiu impressionar ao perder em dois sets, 25-20, 25-21 e 25-16 para o Esporte Clube Pinheiros, time da Superliga Brasileira Série A.

Malkia começou a partida forte antes dos anfitriões vencerem o primeiro set por cinco pontos. O Quênia melhorou no segundo set, perdendo por quatro pontos de diferença. Porém, no terceiro set, o Esporte jogou bem para dominar os quenianos com uma diferença de nove pontos.

Mais cedo, o técnico Bitok, que é auxiliado por Japheth Munala, havia levantado preocupações sobre os saques e bloqueios da equipe, que ele disse que estão trabalhando para melhorar desde que chegaram ao Brasil em junho.

“Precisamos trabalhar em recepções e serviços. Tivemos problemas com nossas recepções e serviços”, disse Bitok em entrevista anterior, acrescentando que há muitas melhorias em bloqueios e ataques. De oito amistosos, o Malkia Strikers venceu apenas uma vez, mas Bitok acredita que houve uma grande melhoria no Brasil.

A capitã Mercy Moim, Belinda Barasa, Veronica Adhiambo, Emmaculate Nekesa, Sharon Chepchumba, Edith Wisa e Agrippina Kundu são algumas das jogadoras que se destacaram no campo de treinamento de alto rendimento até agora.

Enquanto isso, como a Federação de Voleibol do Quênia, cujos atacantes Malkia foram destacados por Luizomar de Moura como treinador, a missão da Associação Sueca de Voleibol de transformar a seleção sueca feminina de vôlei em um competidor internacional foi recentemente impulsionada pelo apoio da FIVB Volleyball Empowerment programa.

O apoio da FIVB incluiu três meses de apoio técnico em 2021 e 2022, além de um projeto de desenvolvimento de treinadores da seleção nacional.

O apoio permitiu à Federação Sueca de Voleibol contratar o técnico Lauri Hakala, da Finlândia, para comandar a seleção feminina. Durante seu tempo na Suécia, Hakala também implementou um programa de equipe nacional que estabelecerá as bases para o sucesso sustentável e de longo prazo no cenário internacional.

“A FIVB continua elevando o padrão do vôlei em todo o mundo, ajudando as equipes a atingirem todo o seu potencial”, disse o presidente da FIVB, Dr. Ary S. Graça F°.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.