Maradona morre, aos 60 anos, na Argentina

Diego Armando Maradona morreu nesta quarta-feira, aos 60 anos, após uma parada cardíaca. A informação inicial, divulgada pelo jornal “Clarín”, foi confirmada pelo assessor de imprensa de Maradona, Sebastián Sanchi. O governo argentino decretou luto oficial de três dias.

Relatos indicam que a equipe médica chamou uma ambulância para a casa de Diego, no Tigre, mas foi confirmada a morte do ex-jogador e atual técnico do LP Gimnasia.

Maradona estava se recuperando em casa após receber alta no dia 11. Ele foi levado às pressas ao hospital no início deste mês e foi submetido a uma cirurgia para remover um hematoma subdural em sua cabeça.

MAIS:Maradona morreu no mesmo dia que Fidel Castro

Desde que apareceu como jogador no Argentinos Juniors em 1976, passou seus anos no Boca Juniors, chegou à Europa via Barcelona e atingiu seu auge no Napoli -onde se tornou uma divindade do futebol-, Maradona deu uma dica para canhotos magia inebriante. Hipnotizador.

Pela seleção argentina, chegou a usar a mão nas quartas de final da Copa do Mundo de 1986, naquela Copa do Mundo que muitos dizem que ele conquistou sozinho a camisa 10. Ousadamente, como se referindo a si mesmo, a oferta foi cunhada como “a mão de Deus”. A tese tem como principal marco o golaço naquele mesmo jogo contra a Inglaterra. Épico, memorável. Ele driblou a equipe inteira e entrou para a história. A final contra a Alemanha foi a consagração.

HISTÓRIA:Lembre-se das 25 melhores frases de Diego Maradona

Como treinador não foi tão grande, mas teve o privilégio de comandar a Argentina na Copa do Mundo de 2010. Dirigiu aquele que o sucedeu na magia, no talento, no Monte Olimpo no futebol: Messi. O resultado, porém, não foi bom: caíram nas quartas de final pela Alemanha.

Além de ser um jogador único, o personagem de Maradona talvez seja incomparável. Fora do campo, a divindade exibia seus atributos humanos. O estilo de vida rebelde cobrou seu preço. A saída da seleção argentina das Copas do Mundo foi em 1994, após ser flagrada por doping.

O governo argentino declarou três dias de luto. Mas o sentimento do país é compartilhado por todos os amantes do esporte mais popular do planeta. Maradona simboliza o futebol. A melhor parte. Refere-se ao drible, ao corte seco, à efusiva celebração pelo título conquistado, ao reconhecimento e gratidão pelo prazer de vê-lo em ação.

O homem morreu. Ele continua sendo o símbolo, o ídolo, o protagonista da história.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *