Marco Aurélio autoriza PRF a atuar em investigações com a Polícia Federal

O juiz Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, revogou a decisão de Dias Toffoli, presidente do Tribunal, que impedia a Polícia Rodoviária Federal de participar de operações conjuntas com a Polícia Federal, o Serviço Fiscal e o Ministério Público nas rodovias federais e áreas de interesse da União. A medida havia sido contestada pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) contra a ordem do Ministro da Justiça, Sérgio Moro, de outubro de 2019. Toffoli havia concedido uma ordem judicial durante o recesso do Judiciário para suspender a ordem. , mas Marco Aurélio, relator, agora toma a decisão sem efeito.

Ele abriu o processo para julgamento em 2 de março, mas a sessão não ocorreu. Como os ministros decidiram se reunir a cada duas semanas devido à pandemia do novo coronavírus, Marco Aurélio considerou a “extrema urgência” do assunto e decidiu julgar apenas a decisão de Toffoli de suspender temporariamente a portaria do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

“Eu voto para não apoiar a decisão pela qual o Presidente, agindo durante o período de férias coletivas, implementou uma medida cautelar para suspender, até o julgamento por mérito, a eficácia da Portaria no 739/2019 do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o recurso interlocutório contra a decisão pela qual a ordem judicial foi concedida foi prejudicado. “

Em seu voto, Marco Aurélio também defende a desistência da ação. “A partir de agora, advogo a extinção do processo sem o julgamento final dos méritos, pois implica um simples ato regulatório, que não desafia o controle concentrado das leis”.

“Além disso, a Portaria no 739/2019, de 3 de outubro de 2019, emitida pelo Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública, estipulando que a Polícia Rodoviária Federal participará de operações de investigação ou inteligência, concedendo-lhe poderes inerentes. à polícia judiciária, poderes que vão além das atividades de patrulha da rede federal de rodovias ”, escreveu Toffoli na decisão de janeiro.

Segundo os delegados, que entraram com a ação, a cooperação entre as várias instituições de segurança “deve respeitar os limites de ação de cada policial”.

Segundo a entidade, de acordo com a Constituição, é de responsabilidade da Polícia Federal e da Polícia Civil exercer, exclusivamente, as funções da polícia judiciária, dentre as quais as atividades de investigação e repressão de infrações penais.

“Ao ampliar os poderes inerentes à PRF, a portaria viola os princípios de eficiência e a supremacia do interesse público”, afirma a Associação de Delegados da Polícia Federal.

O que a ordenança diz

O artigo 2 da portaria emitida por Moro diz que o PRF pode atuar na investigação de infrações penais, sujeitas à jurisdição da polícia judiciária, e na execução de uma ordem judicial, emitida com a determinação do cumprimento do apoio operacional. do PRF. Será permitida a participação da Polícia Rodoviária Federal em operações conjuntas, desde que:

Observando seus poderes legais e constitucionais;

O suporte a agências é de natureza operacional; y

Os crimes sob investigação foram cometidos em rodovias federais, rodovias federais ou em áreas de interesse da União.

Status do conteúdo

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *