Marshland! Como o gráfico será atualizado para 2021?

Nostalgia? Já visto? Nostalgia? De qualquer forma, mesmo quem não tem ideia de qual foi o efeito do fenômeno Pantanal na telenovela nacional, está curioso para saber detalhes e o que será dessa trama, cuja confirmação do remake abalou os últimos dias.

Exibido originalmente em 1990 na extinta TV Manchete, Pantanal foi um marco na televisão e na carreira de Benedito Ruy Barbosa. A novela que deslocou o público da outrora intransponível Globo – que agora detém os direitos e apresentará a nova versão – lançou caras novas, optou por coisas simples, mas nunca explorou, ousou e captou o gosto popular.

No entanto, ao pensar no remake, especialistas e amantes de novelas se perguntam: a lentidão da trama ainda se encaixa hoje? Foram 223 capítulos exaltando a natureza, o folclore, a trilha sonora, a sensualidade. Situações que passam longe do ritmo vertiginoso da nova era em que a série dita ao público.

O relatório de Oficial Ele conversou com três especialistas em novelas e foram unânimes: Bruno Luperi, neto de Benedito Ruy Barbosa, que ficará encarregado de atualizar o enredo do avô, deve acelerar as histórias.

“Não dá para contar a mesma história em meados do século 21, em 2020, nesse ritmo. O Pantanal, como todas as novelas da época, eram novelas muito lentas. Claro, eles eram lindos e atraíram a atenção daquele público. Para aquele público, naquela época, estávamos acostumados com aquelas narrativas ficcionais ”, disse Valmir Moratelli, doutor em Comunicação, autor do livro O que as novelas mostram enquanto o mundo muda.

Ele enfatizou que as plataformas digitais mudaram todo o conceito.

“Hoje em dia, por causa do streaming, da série, dessa narrativa nova, mais ágil e perfurada, narrativas complexas, não poderíamos ter uma novela exatamente tão lenta. O Pantanal deve estar muito emocionado na edição. ”

Para Thomaz Rocha, pesquisador em teledramaturgia, avaliou.

Hoje, o romance que foi escrito há 30 anos, em que as narrativas mais lentas fizeram sucesso, precisa ser revisado. Estava cheio de imagens contemplativas, coisas que não se aplicam à série de hoje. O remake do Pantanal não pode ter uma narrativa lenta ”, disse.

O editor da revista Minha Novela, Jorge Luiz Brasil, citou um trecho rotineiro da trama, por exemplo.

“Dependendo de quem dirige – adoro Jayme Monjardim, adoro Luiz Fernando Carvalho – não sei quem será, acho que o Papinha estará, por favor, aos poucos em seu lirismo exacerbado. Eu não suporto o galho da árvore! Certa vez contei, em um único capítulo, o tuiuiú empoleirado 17 vezes no galho de uma árvore ”, lembrou.

Diretores da Globo correm o risco de adivinhar quem será Juma no remake do Pantanal
Refazer Pantanal deve decolar em breve

Cristiana Oliveira estrelou no Pantanal

Quem será quem?

O elenco foi um romance paralelo. Digamos um spin-off, trazendo para o presente … Thomaz avisou.

“Você não pode ter um gesso inchado.”

Apoiou o coro daqueles que preferem uma nova atriz na televisão para vivenciar a protagonista Juma Marruá, a mulher que vira onça. Jorge Luiz Brasil também. Mas aponte algumas sugestões.

“O Juma tem que ser um lançamento, como era feito no tempo de Marjorie Estiano, Vitória Strada em Tempo de Amar, Patricia França em Teresa Batista, Camila Queiroz em Verdades Secretas. Eu queria um rosto novo, alguém que parecesse um furacão e que dominasse o país. Se não, eu chamaria Lucy Alves, uma menina que tem muito potencial, mais como atriz do que como cantora, ela tem o sabor do Pantanal, se encaixaria muito bem na personagem ”.

Valmir chamou a atenção para a delicadeza que é necessária, já que os remakes mexem com o imaginário popular.

“Foi a mesma coisa quando fizeram a Gabriela: como colocar uma pessoa no lugar da Sonia Braga? E Juliana Paes se saiu muito bem. Essas substituições são sempre muito tensas, muito complicadas porque você está mexendo com o imaginário popular. Esses romances clássicos e icônicos que ficaram gravados na memória dos brasileiros como muito fortes e icônicos, eles voltam ao ar, você tem que ter pelo menos o mesmo ou superar o impacto disso. virar.”

Ele lembra que hoje em dia uma atriz é convidada a falar mais sobre questões sociais, como inclusão e representatividade.

“Eu adoraria que ela fosse interpretada por uma atriz negra. Seria muito importante para o momento que vivemos, seria um marco na televisão. Logo vem o nome de Jéssica Ellen e Dandara Mariana, atrizes que se destacaram nos últimos três anos como coadjuvantes. Seria incrível. Eles têm olhos muito marcantes para fazer aquela transição de Juma se tornar uma onça, através do olhar, brilhantemente interpretado por Cristiana Oliveira. Seria ousado, necessário e oportuno. “

Dandara Mariana pode estrelar no Pantanal

Joventino – o parceiro romântico de Juma

O parceiro romântico de Juma, Joventino, interpretado por Marcos Winter, também é alvo de palpites.

“Sonho com Marco Pigossi, embora seja difícil para mim fazer novela tão cedo. Não sendo um rosto novo, e tendo Pigossi, penso em Isis Valverde para Juma. Há muita química com ele. Ele provou isso em Boogie Oogie e The Force of Wanting. Eu daria um lindo casal ”, aposta Jorge Brasil.

Marco Pigossi levaria sua beleza e talento para ser parceiro de Juma

“Felipe Simas seria Joventino”, preferiu Thomaz Rocha.

Valmir Moratelli mencionou outros jovens atores.

“Adoraria que a Globo desse um descanso ao Chay Sued e ao Rodrigo Simas, que já estão com uma imagem meio desgastada, consertando papéis de protagonista. Eu citaria o Igor Cosso, que se destacou, o Gabriel Leone, pelo que fez no Velho Chico ”.

Igor Cosso chamou a atenção por seu dom como ator

Velho carioca

Antônio Fagundes pode viver o Velho do Rio

Para vivenciar Velho do Rio, interpretado com maestria pelo falecido Cláudio Marzo, Jorge concordou com a sugestão de Benedito Ruy Barbosa: Antônio Fagundes.

Valmir tem outro nome em mente.

“José de Abreu me procura na hora, porque ele desempenhou um papel de forma brilhante na Avenida Brasil. Aqueles velhos mal-humorados e mal-humorados que se movem entre a fantasia e a realidade se dão muito bem, assim como os personagens de Benedito neste romance místico. Quem também interpretaria perfeitamente esse papel seria Tonico Pereira. Ele tem uma expressão nos olhos, na voz, seria muito curioso ”, disse.

Belezas naturais

Para os especialistas, a paisagem natural será o grande ganho do Pantanal neste remake. Exatamente como em 1990. Jorge Brasil teme que os constantes incêndios recentes prejudiquem de alguma forma.

“Bruno tem que aproveitar as belezas naturais, se sobrar algo depois desses incêndios. Eu também acho que toda a parte sócio-política, econômica e ecológica é ótima, coisa que ele fez muito bem no Velho Chico. Simplesmente não pode ser muito didático. Foi então que o Velho Chico se perdeu. Ele tinha uma excelente proposta de educação, propriedade da terra, questões fundiárias, questões muito importantes que precisam ser abordadas, mas não pode ser exagerado. Na segunda fase do Pantanal, a trama se prolongou ”, lembrou a editora de Minha Novela.

“A manutenção do meio rural é um dos pontos principais da atmosfera de mistério e elementos de fantasia, as lendas do rio, elementos que estimulam a imaginação do público”, disse Thomaz.

“Uma coisa que não pode faltar neste romance é a fotografia maravilhosa do Pantanal Matogrossense com aquelas imagens aéreas indígenas”, acrescentou Valmir.

Jorge lembrou que o misticismo foi outro grande diferencial, que deve ser mantido na versão de Bruno Luperi.

O folclore e o misticismo devem ser valorizados, mais do que tudo. Até porque as novelas têm sido muito realistas, muita gente gosta de nós, o que é muito bom, mas é ótimo explorar essa parte folclórica. A mulher que vira onça, o velho que faz mágica no rio, o outro que vira cobra ”.

Raízes musicais

Capas das trilhas sonoras originais do romance Pantanal

A trilha sonora é outro elemento que os especialistas consideram essencial. Naquela época, dois volumes de LP foram lançados com trilha sonora estritamente country. Foram dois outros discos: O Melhor do Pantanal e Pantanal Suíte Sinfônica. Um sucesso impressionante que deu um impulso à história, com canções imortalizadas por Sérgio Reis, Almir Sater, Marcus Viana, entre outros.

“Você deve manter a trilha sonora organizada”, disse Thomaz Rocha.

“A trilha sonora rural, rural, que nada tem a ver com as que ouvimos nesses enredos urbanos. Há quem diga que a trilha do Pantanal só tem a força do elenco desse elenco. E a sensualidade não pode faltar ”, lembrou Valmir.

Agora só podemos esperar!

Pantanal remake promete repetir sucesso

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci Shinoda

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *