Médicos corrigem Bolsonaro e afirmam que atletas podem ficar doentes com coronavírus

A declaração do presidente Jair Bolsonaro em um comunicado na terça-feira passada que, dado seu histórico como atleta, ele não teria complicações com o novo coronavírus não se aplica à realidade. O Estado Ele falou com dois médicos de doenças infecciosas para entender como o contágio funciona no corpo de atletas de alto desempenho, e a resposta é que um estilo de vida atlético e saudável não é garantia de proteção.

Segundo a consultora da Sociedade Brasileira de Doenças Infecciosas (OSE), Eliana Bicudo, os atletas têm como principal vantagem contra qualquer doença o estilo de vida saudável e a rotina de treinamento. “O fato de o indivíduo ser atleta e não apresentar comorbidades como hipertensão, excesso de peso e tabagismo leva o paciente a ter uma melhor resposta ao tratamento”. Mas eu não pararia de pagar pelo coronavírus só porque sou atleta ”, explicou.

O médico disse que não existem estudos especificamente direcionados ao impacto do novo coronavírus de acordo com o estilo de vida das pessoas, sejam atletas ou sedentárias. As pesquisas realizadas até o momento se concentraram apenas na faixa etária dos entrevistados. No entanto, mesmo que os atletas não possam desenvolver condições graves, eles podem ser vetores da doença. “Os atletas adquirem a doença e podem até transmiti-la, mesmo com condições leves e assintomáticas”, afirmou.

Há relatos de complicações na longa lista de atletas infectados com o novo coronavírus. O campeão olímpico de natação da África do Sul em 2012, Cameron van der Burgh, 31 anos, revelou nas mídias sociais que ele sofreu da doença. “De longe o pior vírus que já sofri. Qualquer atividade física como caminhar me deixa exausta por horas. A perda de condicionamento no corpo tem sido imensa ”, ele escreveu no Twitter.

Outra vítima da pandemia foi o jogador de vôlei francês de 29 anos Earvin Ngapeth. Dias atrás, ele postou uma foto em uma cama de hospital. “Já deixei para trás os mais difíceis. Tive três dias difíceis, mas agora acabou, deixarei o hospital em uma semana ”, disse ele em um post no Instagram.

O consultor da OSE, Wladimir Queiroz, explicou que, como os atletas são geralmente jovens e com boa saúde, dificilmente desenvolverão as condições mais graves da doença. Mas isso não garante que, no futuro, esses mesmos atletas não possam se tornar perfis de risco para o novo coronavírus.

“Existem ex-atletas obesos, sedentários e idosos. É o caso do presidente”. Não faz sentido falar sobre o passado, se o seu presente tiver 65 anos. Mesmo se você fosse atleta, a idade aumenta o risco de fatores de risco, como hipertensão e diabetes “, afirmou o médico. Queiroz afirmou que, devido à complexidade genética, não é possível generalizar e estabelecer que um atleta estará imune à pandemia.

“Medicina não é matemática. Nada é 100% Existem fatores de risco que aumentam o agravamento da doença, mas há o imponderável, que é a composição genética. Mesmo se você levar 10 pessoas com a mesma condição física que um atleta, nem todas responderão da mesma maneira, porque nem todos os organismos estão preparados para a mesma doença “, explicou.

Status do conteúdo

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *