Medidas econômicas tomadas na pandemia garantem ímpeto até dezembro, afirma presidente do BC | economia

Em 2021, segundo ele, o Brasil precisará de credibilidade para continuar a recuperação.

“Quando olhamos para as medidas de crédito e mais medidas que foram tomadas como ajuda de emergência, tivemos um grande impulso em dezembro. O que precisamos agora nesse caminho é ganhar credibilidade para que a economia dê o passo e geremos esse movimento positivo a partir de dezembro ”, disse, durante evento virtual do jornal“ O Estado de S.Paulo ”.

Juliana Rosa analisa medidas do governo para movimentar a economia

Campos Neto estava otimista e destacou que o mercado tem projeções revisadas de alta para a economia em 2020, sem subtrair da previsão de crescimento econômico para 2021.

Segundo o presidente do BC, já é possível ver uma recuperação da economia em “V”, mas um “V amolecido”. A recuperação em V, muito citada pela equipe econômica, remete ao formato da carta: um gráfico com queda acentuada e retomada logo após o ponto mais baixo.

O presidente da Colúmbia Britânica disse ainda que, em outros países, o crescimento do crédito tem sido um fator importante na velocidade da recuperação econômica.

Nesse sentido, Campos Neto diz que o Brasil está bem, pois as medidas adotadas pelo BC garantiram o aumento da oferta de crédito.

Durante a transmissão, Campos Neto defendeu o teto de gastos e disse que ignorar a regra criada em 2017 colocaria o Brasil de volta em um cenário de inflação e juros altos.

O presidente do BC afirmou que a parte fiscal é fundamental e que o BC tem dado essa mensagem em suas comunicações.

“Entendo que o teto é muito importante e temos enviado a mensagem de que a disciplina fiscal é importante. Se começarmos a afrouxar o teto, voltaremos à nossa velha situação que leva a um equilíbrio de alta inflação e juros altos ”, disse.

Sobre a possibilidade de o Banco Central repassar os lucros das reservas internacionais para o Tesouro Nacional, Campos Neto disse que não é contra a transferência, mas que é preciso ter cuidado para que não pareça um financiamento ao Tesouro.

Com a desvalorização do câmbio no primeiro semestre, as reservas internacionais geraram lucros para o Banco Central. O problema é que, se a moeda nacional voltar a se valorizar, o resultado do próximo semestre pode ser negativo.

Campos Neto defende que parte do resultado positivo do primeiro semestre fique com o Banco Central para absorver eventuais impactos.

“A ideia é transferir e deixar um colchão para absorver qualquer impacto. Seria muito ruim fazer o repasse e depois pedir financiamento ao Tesouro ”, disse.

O repasse é autorizado por lei e deve ser aprovado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). No entanto, o dinheiro só pode ser usado para reduzir a dívida pública.

Durante a transmissão, Campos Neto também defendeu a criação da nota de R $ 200. Segundo ele, o Brasil precisa emitir mais dinheiro o quanto antes e a única saída é a nota de R $ 200.

Sobre as críticas de que a criação poderia favorecer crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, o presidente do BC afirmou que a instituição entende que a melhor forma de combater a corrupção é avançando na digitalização.

“Nós entendemos esse argumento. Mais uma vez, resolvi explicar para combater a informação de que o BC queria favorecer uma coisa ou outra ”, disse. Segundo ele, a criação da passagem nasceu da necessidade de se fazer o pagamento do socorro emergencial.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci Shinoda

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *