MERCADOS EMERGENTES-Latam FX, Ações caem à medida que temores de recessão causam fuga para dólar forte

* Ministério da Economia do Brasil eleva a previsão de crescimento do PIB em 2022 para 2% * Peso do Chile atinge outra baixa histórica com o dólar retomando a alta (Atualização de preços) Por Anisha Sircar e Devik Jain 14 de julho (Reuters)) mínimas do mês na quinta-feira, com as moedas caindo em relação ao dólar porto-seguro devido a crescentes preocupações de que os ciclos agressivos de aperto monetário dos principais bancos centrais prejudicariam o crescimento econômico e causariam uma recessão. O peso chileno caiu 3,8%, atingindo outra baixa recorde de 1.047,40 por dólar, já que analistas disseram que o aumento de 75 pontos-base do banco central na quarta-feira não foi suficiente para estabilizar a moeda. O banco central do Chile disse que mais aumentos seriam necessários para combater a inflação em espiral. Pesando ainda mais sobre a moeda, os preços do principal produto de exportação do Chile, o cobre, caíram mais 2%. Eles caíram 34% desde março devido a um dólar mais forte, já que as restrições da COVID-19 da China alimentaram preocupações com a demanda. O peso do México e o peso da Colômbia caíram 0,4% e 0,1%, respectivamente, com o dólar subindo com as perspectivas de que o Federal Reserve dos EUA continuará a aumentar as taxas de forma mais agressiva do que seus pares, como resultado da inflação pairando em torno do máximo de mais de quatro décadas. “Expectativas de aumentos mais agressivos de juros nos EUA aumentam a pressão sobre os bancos centrais latino-americanos, especialmente o México, que permanece efetivamente atrás da curva de inflação; as perspectivas para os mercados emergentes se deterioraram e os aumentos de juros na América Latina reforçam isso”, disse o economista da TS Lombard Wilson Ferreira. “A perspectiva de preços mais baixos das commodities no futuro não favorece essas economias, principalmente em um ambiente de juros muito mais altos nas economias desenvolvidas, continuaremos vendo essas moedas sofrerem nos próximos meses.” Analistas temem que a América Latina veja um crescimento mais lento à medida que a alta inflação corrói o poder de compra dos consumidores e as condições financeiras apertam, com os ativos na região também sob pressão dos crescentes riscos geopolíticos. Na quinta-feira, as ações caíram quase 3% para mínimas em mais de 20 meses, com o índice Bovespa do Brasil caindo 1,9% para liderar as perdas. As moedas caíram 1% e perderam quase 2,7% até agora esta semana. O real brasileiro caiu 0,6%, uma vez que um índice do banco central mostrou que a atividade na maior economia da América Latina caiu pelo segundo mês consecutivo em maio. Enquanto isso, o Ministério da Economia do Brasil elevou sua previsão de crescimento econômico este ano para 2%, de 1,5% anteriormente, informou a Reuters na terça-feira. O sol peruano se fortaleceu 1,4% em operações voláteis. O ministro das Finanças do país, Oscar Graham, reiterou que espera que a economia do país cresça 3,6% em 2022, apesar das preocupações com a desaceleração. Principais índices de ações e moedas da América Latina às 19:00 GMT: Índices de ações Última variação diária de % MSCI Mercados emergentes 964,97 -0,57 MSCI LatAm 1916,17 -2,85 Brasil Bovespa 96120,16 -1,8 México IPC 46771 ,70 -1,45 Chile IPSA 4,090,03 -0,59 Argentina MerVal 1,67011,090,03 -0,59 Argentina MerVal 1,67011,09860,03 -0,59 -3,94 Moedas Última variação diária % Real brasileiro 5,4367 -0,62 Peso mexicano 20,8165 – 0,46 Peso chileno 1047,4 -3,82 Peso colombiano 4482,6 0,07 Sol peruano 3,8954 1,20 Peso argentino (interbancário) 128,0000 -0,13 Peso argentino Sircar. e Devik Jain em Bengaluru; Edição de Andrew Heavens)

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.