Mesmo com lucros multimilionários, Itaú, Bradesco e Santander disparam em meio à pandemia

Mesmo com um lucro médio semestral de mais de R $ 5 bilhões, mais de 1.400 funcionários já foram desligados das instituições nos últimos dois meses

Conteúdo Henrique Barreto / EstadãoEm ação que inclui até o fechamento de 40 escritórios, o Santander já dispensou pelo menos 1.040 funcionários

Nos primeiros dias de março, a preocupação tomou conta de Ramón Peres, presidente do Sindicato dos Bancários de BH e Região. O motivo foi o aumento de casos de COVID-19 e o que é esperado crise econômica isso afetaria o Brasil. Portanto, antecipando-se aos problemas, dirigentes sindicais como Ramón buscaram firmar convênio com instituições financeiras para garantir a permanência dos empregos e a segurança dos trabalhadores durante pandemia. “Desde o início, os sindicatos, as federações e a Confederação foram rápidos em falar com os bancos para salvaguardar a vida dos bancários e de suas famílias. Desde o primeiro momento pedimos às instituições que garantissem que não disparariam durante a pandemia. Esse período é muito complicado na história da humanidade e entendemos que não poderíamos colocar o trabalho das pessoas sob controle quando elas mais precisam ”, afirma Peres.

O compromisso, firmado entre as entidades e os principais bancos, foi firmado sob o discurso de responsabilidade social instituições. Porém, na prática, o acordo não está sendo respeitado. O grande problema é que, nos últimos dois meses, pelo menos 1.400 bancários foram dispensados ​​de seus empregos em todo o país. Só em SantanderPor exemplo, foram 1.040 demissões desde agosto, medida que inclui até o fechamento de 40 filiais. A empresa não justifica os motivos das demissões e exclui qualquer possibilidade de negociação ou revogação da decisão. “Somos fortemente contra dispensas. O Santander rompeu unilateralmente o compromisso e passou a despedir pessoas sem argumentos. Queremos que você mantenha sua palavra e não demita ninguém. Não saímos da pandemia, os números mostram. Há mais que 146 mil mortos [pela Covid-19] no Brasil. Ainda estamos no meio de uma pandemia ”, argumenta Peres.

No entanto, a onda de demissões, assim como o descumprimento do compromisso firmado no início de março, não se limita ao Santander. Em setembro, Itaú Unibanco também iniciou uma série de dispensas de funcionários. No total, segundo os dados citados por Ramon Peres, mais de 300 funcionários foram desligados. Para os sindicatos, o banco alega que as demissões ocorreram apenas na área de veículos da empresa. No entanto, Ramón diz que as demissões também afetam os funcionários da agência. “Dizem que são demissões ocasionais, mas vemos o contrário. Eles estão demitindo pessoas com desempenho de vendas, que cumprem seus objetivos. O que vemos é uma diminuição dos empregos. E o Banco Itaú, fazendo essas demissões, já anunciou o fechamento de sete agências em Minas Gerais. É uma reestruturação de empregos devido ao pandemia. “

As recentes demissões realizadas pelos dois bancos geraram uma onda de movimentos e manifestações pela internet. Com hashtags como #itaunaodemita, #Itaunaodemitameuspais, # SantanderPareAsDemissions, funcionários, ex-funcionários de instituições, sindicatos e até clientes de bancos cobram responsabilidade social corporativa. Nas publicações, os participantes do movimento afirmam que a posição das empresas vai de encontro à propaganda direcionada ao público, na qual os bancos enfatizam sua responsabilidade perante a pandemia. “Vemos esse posicionamento dos bancos de uma forma muito estranha. Em março, os sindicatos e Febraban Ele fez várias discussões para que houvesse avanços na proteção dos bancários e no atendimento à população. Havia o compromisso de manter esses empregos. Portanto, entendemos que em todo o estado de calamidade pública, esse compromisso tem que ser garantido e os bancários não podem ser demitidos ”, afirma Jeferson Rubens Boava, presidente da Federação dos Funcionários dos Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP / MS).

Na mesma linha, outro banco que iniciou uma série de demissões nesta semana foi o Bradesco. Segundo o sindicato dos bancários de BH e região, a empresa encaminhou comunicado, intitulado “Concessão de Benefício Adicional na Desligamento”, informando que os trabalhadores desligados no período de 21 de setembro a 30 de novembro, sem justa causa, terão os planos . assistência médica e odontológica mantida por seis meses a mais do que o previsto no Acordo Coletivo de Trabalho (CCT) da categoria. No total, sindicatos Eles estimam que pelo menos 70 funcionários já foram dispensados.

Jeferson Boava sustenta que não há justificativa para os cortes, já que as três empresas tiveram lucros multimilionários nos primeiros seis meses deste ano. “Com a pandemia, todos os setores encontraram dificuldades. Só os bancos não querem enfrentar dificuldades. Querem manter o nível de lucro cortando funcionários, aumentando taxas, encontrando uma forma de se reposicionar no mercado, mantendo assim o lucro ”, afirma. De acordo com levantamento da Economatica, empresa de informações financeiras, Bradesco, Itaú e Santander se cadastraram, respectivamente, R $ 6,85 bilhões, R $ 6,74 bilhões mim R $ 5,8 bilhões no primeiro semestre de 2020, sendo o Bradesco considerada a empresa latina que mais se beneficiou no período.

Transformação digital

Sem muita justificativa, os motivos das demissões se tornaram em grande parte desconhecidos para agora ex-funcionários e dirigentes sindicais. Na opinião de Peres, o movimento é impulsionado pela transformação digital nos bancos, embora ele considere que o objetivo central das demissões é a redução de custos. De maneira geral, Peres entende que a mudança prejudicará os clientes e afetará negativamente a rotina dos funcionários. “A tecnologia nunca vai substituir o atendimento humanizado, a qualidade do atendimento humanizado é muito superior a ser atendido por um robô. O problema é que os bancos consideram que, quando passam por alguma dificuldade, o trabalhador tem que pagar a conta. Investir em tecnologia é uma tentativa de reduzir despesas com folha de pagamento. Hoje, abrir uma conta digitalmente é seis vezes mais barato do que se for feito fisicamente, por exemplo. Por isso, investem em tecnologia com o intuito de reduzir custos e aumentar o grau de eficiência ”.

Jeferson Boava, presidente da FEEB-SP / MS, também vê a postura dos bancos como uma medida para cortar custos. Reflete que, além de prejudicar clientes e colaboradores, a redução do quadro de funcionários também pode impulsionar a formação de aglomerações agências. “Eles vão fechar filiais e depois vão atender a população mais pobre, que é a que mais precisa e tem mais dificuldade com tecnologia? Isso vai intensificar as filas. Nesse período de pandemia, considero que fechar agências é um erro, porque vai causar multidões. O banco é uma concessão pública, então eles têm essa responsabilidade social de atender toda a população ”.

Em uma declaração enviada para Pão jovem, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) afirmou que não é possível dizer, até agora, “que haja uma relação direta entre os transformação digital bancos e reduzindo o número de pessoas que trabalham no setor ”. Segundo eles, “o avanço dos serviços digitais tem levado os bancos a contratarem um grande volume de profissionais”, principalmente nas áreas relacionadas à tecnologia e segurança contra fraudes digitais, diz a nota. “Cada instituição financeira tem sua política de contratação de pessoas com base em sua visão de mercado e estratégia de negócios”, conclui o comunicado.

Ainda em nota enviada ao relatório da Jovem Pan, o Itaú Unibanco informou que retomou em setembro “alguns processos internos que estavam suspensos na área popular desde março, por conta da pandemia Covid-19”. Segundo eles, os processos incluem demissões e contratações de pessoas, representando movimentos “que fazem parte da retomada da rotina normal do banco”. A empresa não confirmou o número total de demissões e disse que não divulgará as informações. Questionado sobre as recentes demissões, o Bradesco disse que não comentaria o assunto. O Santander não respondeu às perguntas do relatório.

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *