Ministro envia R $ 1,6 bilhão ao acordo Lava Jato para combater o coronavírus

JBr.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, determinou que R $ 1,6 bilhão, como resultado de um acordo entre a Operação Lava Jato e a Petrobras, fosse usado para combater o coronavírus. Os fundos foram inicialmente alocados à Educação, como resultado da própria decisão do Ministro. No entanto, o procurador-geral Augusto Aras solicitou a realocação de recursos devido à pandemia.

O ministro observou que “a realocação solicitada não levará a nenhuma descontinuidade nas ações ou programas do governo, enquanto satisfaz uma necessidade urgente que ameaça a vida e a integridade física dos brasileiros”. O desafio colocado pela situação atual para a sociedade e autoridades públicas brasileiras é da maior gravidade e não pode ser minimizado.

“A pandemia de covid-19 (coronavírus) é uma ameaça real e iminente, que esgotará a capacidade operacional do sistema público de saúde, com conseqüências desastrosas para a população, se medidas não forem tomadas com efeito imediato”, escreveu ele.

“O dinamismo com o qual a disseminação do coronavírus se desenvolve, associado à relativa incerteza científica sobre quais seriam as melhores práticas para lidar com ele, entre outras inúmeras variáveis, recomenda que ações e programas específicos não sejam definidos com antecedência, mas que recursos à disposição do Ministério da Saúde para uso na “mitigação e contenção de coronavírus”, diz o ministro.

Dinheiro para Covid-19

Aras disse ao ministro Alexandre de Moraes que “há algumas semanas, o mundo começou a enfrentar uma pandemia causada pelo vírus COVID-19, que também afeta o Brasil e criou uma situação sem precedentes de alarme e preocupação com a saúde. na história recente do país “. O pedido teve um parecer favorável do Gabinete do Procurador Geral.

O acordo que destinou R $ 2,6 bilhões do Fundo Lava Jato para a proteção do Meio Ambiente e da Educação foi fechado em setembro de 2019 entre a Procuradoria Geral da República, a Câmara dos Deputados e o Palácio do Planalto. O valor é resultado de uma multa paga pela empresa estatal em ação nos Estados Unidos, que definiu que 80% do valor deve ser remetido ao Brasil.

O valor foi depositado em janeiro de 2019, em conta vinculada ao 13º Tribunal Federal de Curitiba, após acordo entre o grupo de trabalho Lava Jato e a Petrobrás. Inicialmente, o pacto estabeleceu que metade do valor deveria ser alocado para “um fundo de doações, a ser administrado por uma fundação independente, que ainda está em fase de criação”.

No entanto, o ex-procurador-geral Raquel Dodge entrou com uma ação no Supremo Tribunal questionando a aprovação do acordo e o próprio pacto. No mesmo dia em que Raquel fez o interrogatório, Lava Jato pediu ao juiz que suspendesse a constituição da fundação que administraria os R $ 2,6 bilhões.

O ministro Alexandre de Moraes aceitou o pedido de Raquel, suspendeu o contrato de Lava Jato e depois o demitiu, ordenando que os valores mobiliários fossem enviados para Brasília. Após a decisão, Raquel defendeu que o dinheiro era destinado à educação.

Em agosto do ano passado, com a situação gerada pelos incêndios que afetam a região amazônica, a Câmara dos Deputados entrou no debate e solicitou que parte da multa fosse destinada à prevenção e combate a incêndios florestais.

No mês seguinte, o PGR, a Câmara e o Platô chegaram a um acordo que depois foi ratificado por Alexandre, redirecionando os recursos para a Educação (R ​​$ 1,6 bilhão) e para a preservação da Amazônia (R $ 1 bilhão) .

Status do conteúdo

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.