Monoglota e alienado? A avaliação de estudantes brasileiros em ‘competência global’

Para a OCDE, ‘ao lidar com a globalização, essa geração precisará de novas habilidades. Seja em ambientes de trabalho tradicionais ou empresariais, os jovens precisarão colaborar com pessoas de diferentes disciplinas, culturas e sistemas de valores para resolver problemas complexos e criar valor social e econômico. ‘

Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Alunos brasileiros do ensino médio mantêm, em média, pouco contato com pessoas de outros países, são mais monoglotas (ou seja, falam apenas um idioma) e relatam ter menos conhecimento sobre questões globais do que alunos de outros países medidos pela OCDE, o Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

Esse distanciamento pode ser mais uma barreira para que os estudantes brasileiros desenvolvam plenamente o que a organização chama de “competências globais”, cada vez mais necessárias em um mundo mais competitivo e cujos desafios transcendem as fronteiras nacionais, como pandemias e mudanças climáticas. .

A avaliação da OCDE foi realizada por meio de questionários aplicados em 2018 durante o Exame Internacional de Pisa, que mediu o conhecimento de leitura, ciências e matemática de 600.000 alunos de 15 anos de idade em 79 países membros da OCDE, economias ou países parceiros ( sim do Brasil).

Pela primeira vez, de forma experimental, a organização perguntou aos alunos o quanto eles acham que têm conhecimento (e iniciativa para agir) sobre problemas globais, seu contato com imigrantes e outras culturas, sua capacidade de falar outras línguas e sua aprendizagem a partir de perspectivas diferente dos outros. os seus.

O material sobre “competições globais” foi publicado em reportagem nesta quinta-feira (22/10), intitulada Os alunos estão preparados para prosperar em um mundo interconectado?.

O relatório não oferece nenhum tipo de ranking dos países participantes, e a análise das diferentes questões permite tirar diferentes conclusões sobre o grau de interconectividade dos alunos de cada nação.

Mas, de acordo com a OCDE, é uma iniciativa inicial para medir a capacidade dos alunos no mundo de “1) analisar questões de importância local, global e cultural; 2) compreender e levar em consideração as visões de mundo dos outros; 3) participar em interações interculturais abertas, adequadas e eficientes; e 4) ser capaz de atuar pelo bem-estar coletivo e pelo desenvolvimento sustentável ”.

Para Andreas Schleicher, diretor de educação da OCDE, “para lidar com a globalização, esta geração precisará de novas habilidades. Seja em ambientes de trabalho tradicionais ou empreendedores, os jovens precisarão colaborar com pessoas de diferentes disciplinas, culturas e sistemas de valores, de resolver problemas complexos e criar valor social e econômico ”.

Respostas dos alunos no Brasil

As 'competências globais' de estudantes de diferentes países foram analisadas por meio de um questionário aplicado durante o Pisa 2018

As ‘competências globais’ de estudantes de diferentes países foram analisadas por meio de um questionário aplicado durante o Pisa 2018

Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Cerca de 11 mil alunos em seus 15 anos participaram do Pisa 2018 e, consequentemente, do questionário sobre interconectividade.

E estão no grupo de alunos com menor proximidade com pessoas de outros países: enquanto em lugares como Albânia, Alemanha e Grécia pelo menos 70% dos alunos afirmaram ter contato com estrangeiros, esse percentual ficou entre 20% e 30% em Brasil, Argentina. , México, Turquia e Vietnã.

No Brasil, pouco mais de um terço dos alunos disse falar mais de um idioma, índice apenas superior ao da Coreia do Sul, México, Colômbia e Vietnã.

Em comparação, mais de 90% dos estudantes na Croácia, Estônia e Hong Kong disseram que podiam se expressar em mais de um idioma.

Segundo a OCDE, existe uma associação “positiva e significativa” entre o contacto com estrangeiros e o domínio de outras línguas com a atitude dos alunos, na sua “adaptabilidade cognitiva, na sua (percepção de) autoeficácia nas questões globais e no seu interesse pela aprendizagem sobre outras culturas, seu respeito por pessoas de outras culturas e sua capacidade de ver de diferentes perspectivas ”.

Mesmo no Brasil, quanto mais os alunos conheciam outras línguas, mais se conscientizavam dos problemas relevantes no mundo inteiro.

É bom notar que, ao contrário de muitos países que participam do questionário da OCDE, o Brasil é um país de dimensões continentais, com apenas um idioma oficial e uma presença relativamente pequena de imigrantes recentes.

Dito isso, os estudantes brasileiros tiveram uma média muito inferior à da OCDE em “consciência dos problemas globais”.

A organização mediu isso perguntando aos alunos o quão familiarizados eles estavam com questões como aquecimento global, conflitos internacionais, desnutrição, as causas da pobreza e igualdade entre homens e mulheres.

Estudantes da Albânia, Lituânia e Grécia foram os que se declararam mais capazes de responder a esses problemas. O Brasil, por sua vez, ficou em 53º lugar entre os 65 países que participaram deste ponto do questionário.

Como em outras partes da pesquisa, a OCDE encontrou aqui uma forte correlação entre o status socioeconômico dos alunos e sua consciência dos problemas globais: os alunos de classes sociais mais ricas tinham mais conhecimento sobre essas questões do que seus pares mais pobres, ambos no Brasil e em outros países.

Os brasileiros estão entre os alunos com menos contato com pessoas de outros países e menos conhecimento de outros idiomas

Os brasileiros estão entre os alunos com menos contato com pessoas de outros países e menos conhecimento de outros idiomas.

Foto: Getty Images / BBC News Brasil

“Essas diferenças de consciência relacionadas ao status socioeconômico podem ser o resultado de um acesso desigual às oportunidades na escola, para aprender sobre questões globais”, diz o relatório.

A OCDE também perguntou aos professores dos alunos se eles sentiam a necessidade de desenvolvimento profissional para ensinar em um segundo idioma e em um ambiente multicultural. Entre todos os países participantes, os professores do Brasil foram os que mais responderam “sim” a ambas as questões.

Por outro lado, mais de 75% dos estudantes brasileiros estudavam em escolas que tinham comemorações e festivais de outras culturas, índice muito superior ao de 35% nos países da OCDE.

Em todos os países pesquisados, quanto mais prazer os alunos têm com a leitura, mais conscientes eles ficam das questões globais, provavelmente porque a leitura agradável aumenta as chances de esses alunos adquirirem mais conhecimento e serem expostos a diferentes fontes de informação.

Para Schleicher, da OCDE, a escola tem um papel fundamental em ajudar os alunos a pensar e aprender de forma autônoma e a ampliar sua compreensão de outras culturas, tradições, modos de vida e modos de pensar.

“A capacidade de ler e compreender a diversidade e de reconhecer os valores liberais fundamentais em nossas sociedades, como tolerância e empatia, pode ajudar a responder ao extremismo e à radicalização”, disse ele.

“Atitudes abertas e flexíveis serão vitais para os jovens coexistirem e interagirem com pessoas de outras religiões e de outros países. O mesmo acontecerá com os valores humanos comuns que nos unem.”

Veja também:

Pego com dinheiro na cueca, Chico Rodrigues pede sua destituição do Senado por 90 dias

BBC News Brasil
BBC News Brasil – Todos os direitos reservados. A reprodução é proibida sem a permissão por escrito da BBC News Brasil.

  • separador

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *