Mulheres americanas, eleitores majoritários, devem decidir as eleições presidenciais dos EUA | Jornal nacional

As mulheres são a maioria dos eleitores americanos e têm maior probabilidade de ir às urnas do que os homens. Na escolha deste ano, Joe Biden tem uma vantagem entre eles.

O voto feminino foi decisivo para a vitória de Donald Trump em 2016. Agora, em 2020, boa parte desse eleitorado mudou de lado. Mulheres como a aposentada Lori McCommon, apaixonada pela liberdade, de preferência em uma companheira de duas rodas. Mas, às vésperas das eleições, ele tem medo de perder o que mais ama.

“Aos poucos, Trump tirou nossas liberdades. Tenho medo de perder até a liberdade de escolher um presidente”, diz ele.

Lori, que mora em Wisconsin, votou em Donald Trump preocupada com a imigração ilegal. Mas ele lamentou e este ano decidiu votar no democrata Joe Biden

“Covid é um dos principais motivos, mas também tem filhos separados de seus pais na fronteira e o fato de Trump não respeitar nossos militares”, afirma.

A maior pesquisa já realizada sobre o voto feminino mostra que Lori não está sozinha. Entre os republicanos, 25% votarão em Biden. Contando todos os americanos, Biden tem uma vantagem de quase 11 pontos. As únicas que se mantêm fiéis a Trump são as mulheres brancas sem curso superior, com uma diferença de 21 pontos.

Mulheres gostam da empresária Jennifer Nixon, que mora na Flórida e vai votar em Trump porque acredita que ele é honesto e cumpriu suas promessas de campanha, como o corte de impostos.

“Ele também é forte na lei e na ordem. E precisamos que a polícia esteja segura”, diz Jennifer, repetindo um argumento usado pela campanha de Trump.

Jennifer acredita que nenhum país soube combater a pandemia. E embora os dados mostrem que não é o caso, ela acha que os Estados Unidos só registraram mais casos e mais mortes porque têm uma população maior.

“Depois de 5 de novembro, não ouviremos mais sobre a Covid. Acho que é um vírus político”, diz ele.

Exatamente 100 anos atrás, as mulheres foram às urnas pela primeira vez na América. Em 1980, eles se tornaram a maioria do eleitorado. Hoje, eles representam 55% dos eleitores americanos. E, em um país onde o voto não é obrigatório, também são os que mais vão às urnas.

Lauren Leaders, presidente da maior organização americana para incentivar o voto feminino, diz que a participação deve aumentar ainda mais em 2020.

“A vitória de Trump foi tão chocante que mudou a posição das mulheres no processo político e elas passaram a participar mais das eleições. As mulheres veem o voto como essencial para proteger suas famílias e o futuro do país. É muito. mais do que um dever cívico ”, avalia.

Após seis anos na Força Aérea, Sarah Moser trocou a cabine por uma muito mais espaçosa que passa pelo milharal em Ohio. De tradicional família republicana, desta vez ele não votará no candidato do partido.

“Não vou votar apenas contra Trump. Vou votar em Biden. Ele acredita nos valores da família e do trabalho. Hoje, tenho vergonha da América, quero ter orgulho do meu país novamente”, afirma.

A enfermeira Lynn Schmidt, que mora no Missouri, já foi delegada republicana, mas agora escolheu Biden porque sonha com um país menos dividido.

“Biden vai tentar nos unir. Trump foi incompetente e narcisista até mesmo em resposta ao coronavírus. Biden vai ouvir os especialistas. Isso é o mais importante para mim”, diz ele.

O sindicato também é um dos motivos de Lori para mudar de lado.

“Nós somos os Estados Unidos da América, não os Estados Divididos da América. Em última análise, são as mulheres que vão votar para remover Trump do governo”, diz ela.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *