Netflix lança ‘Santo’, dirigido por Vicente Amorim, de Nostromo Prodigo

A Netflix está preparando a estreia do crime original “Santo”, que estreia em 16 de setembro, marcando um novo marco para a gigante americana do streaming: seu primeiro projeto de ficção filmado entre Espanha e Brasil, dois de seus principais mercados no exterior.

Uma empresa importante, a série inclui parceiros experientes e talentos por trás das câmeras. Produzida pela Nostromo Pictures (“Through My Window”) com apoio da Prodigo Films (“Cidade Invisível”), a série de seis episódios é criada por Carlos López (“A Embaixada”) e dirigida por Vicente Amorim (“Princesa Yakuza” ). , autor que se consolidou nos últimos anos como um dos mais destacados diretores de séries de ação do Brasil, tendo aderido ao banner direto da Netflix com o título “Senna”.

“Santo” segue dois policiais teimosos, mas divergentes, Cardona (Bruno Gagliasso, “Marighella”) e Millán (Raúl Arévalo, “Pântano”), enquanto perseguem um traficante indescritível implicado em crimes relacionados ao ocultismo ocorridos entre Salvador da Bahia, Brasil . e Madri.

O criminoso é onipresente, levando a dupla a deixar de lado suas crescentes diferenças para manter o curso e fazer uma captura.

“Pelo roteiro, senti que esse seria um dos personagens mais intensos da minha carreira. Imediatamente me identifiquei com a força e determinação de Cardona. Esta foi a preparação mais visceral da minha vida. Tive que acessar lugares muito profundos, acessar meu inferno e encontrar meus demônios para construir Cardona”, disse Gagliasso.

Originalidade do oculto

López cria uma narrativa que inclui elementos do ocultismo, mas eles não ocupam o centro do palco e parecem mais uma onda quente recuando para o mar. Na superfície, o programa fornece todos os elementos de um processo penal bem-sucedido, mas sai dos trilhos ao elevar essa tendência, proporcionando um mergulho mais profundo na alma e na psique de seus protagonistas.

“Fiquei fascinado ao pensar em um thriller policial que consiste em policiais perseguindo o mal e a noção de que o mal é algo que realmente não vemos, que é algo que acho que acontece na vida”, contou Lopez.

O que o tornou muito original foi esse novo elemento, o oculto, que Carlos trouxe para ele. É realmente complicado porque é muito pessoal. A verdade é que o ocultismo está dentro de nós, o tempo todo, e ao trazer esse elemento para a série, tornou os personagens muito mais interessantes do que seriam em um drama policial normal”, acrescentou Amorim.

Um conto de duas cidades

A produção de dois países funde autenticamente culturas, línguas e paisagens para capturar a dicotomia de mundos que moldaram Cardona e Millán. As ruas frenéticas e antiquadas da cidade de Madri contrastam com a animada e movimentada cidade litorânea da Bahia. Os personagens se alinham com essa dualidade, causando atritos.

“Achei que a melhor maneira de contar isso era com dois personagens que moram em lugares opostos. Eles são personagens muito diferentes em sua relação com suas próprias almas, eu precisava que eles viessem de culturas muito diferentes”, disse López.

A equipe de produção se apoiou fortemente enquanto saltavam continentes para garantir a representação representativa de cada local, navegando em planos ligeiramente prejudicados por uma pandemia global para garantir a rica visão multicultural que Lopez e Amorim tinham para cada episódio.

“A Bahia é essencialmente brasileira. Como tínhamos muita consciência de que tínhamos que tratar os aspectos culturais com cuidado, com respeito, com muita pesquisa, nunca corremos o risco de ter uma visão estrangeira do Brasil, porque sou brasileiro. Não só eu, mas o resto da seleção brasileira. Esse choque de culturas foi algo que está no roteiro, já escrito de uma forma muito especial. É algo que faz essa série realmente se destacar”, disse Amorim.

“Fui para a Espanha trabalhar em uma produção internacional, mas interpretei um brasileiro. O mais legal é que estou contando, em português, uma história que também se passa no Brasil, com criação e produção internacional”, acrescentou Gagliasso.

ação e muito mais

Impulsionada pela ação, cada cena rapidamente impulsiona o público para a próxima, permitindo que os arcos dos personagens se desenrolem organicamente com a sensação de que o público está sendo conduzido em tempo real com os protagonistas para um futuro incerto.

“Acho que todo o trabalho do roteiro, da direção e de todo o departamento para tentar fazer com que pareça simples ou fluido para o espectador, pode parecer um caos, pode parecer um quebra-cabeça, mas tem que ser algo que o convida a continuar, como se houvesse alguém que efetivamente o conduzisse”, disse López.

Ele continuou: “Às vezes chega a um tom quase circense, um tom de espetáculo que dá ação à história. Ao mesmo tempo, é muito íntimo, muito pessoal.”

“Uma coisa que é muito inteligente sobre a estrutura é que nunca nos adiantamos aos personagens, então descobrimos as coisas com eles”, acrescentou Amorim.

As sequências de ação são “parte da jornada do personagem. Cada cena de ação muda quem são os personagens, muda seu caminho e nos mostra um lado diferente deles”, acrescentou Amorim.

Sagrado

Crédito: Manolo Pavon

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.