Nigéria agora joga “Kick and Go Football” – ex-Ajax Star explora a filosofia Rohr’s Super Eagles

O estrategista alemão foi criticado por muitas coisas, como convidar muitas estrelas estrangeiras e ignorar jogadores do NPFL, mas as últimas escavações de um ex-internacional podem ser as mais difíceis.

O ex-internacional da Nigéria Tijani Babangida acredita que as Super Águias agora jogam um tipo de futebol pouco atraente chamado de ‘chute e vá’ – um grande afastamento do futebol de ataque brasileiro.

A seleção nigeriana alcançou fama mundial no final dos anos 1980, conquistando muitos torcedores com seu estilo de jogo, que dava muita ênfase ao jogo lateral e ao brilhantismo individual.

Mas os três vezes campeões africanos têm sofrido fortes críticas por não terem um estilo de jogo definido sob o comando do estrategista alemão Rohr.

O ex-técnico do Gabão conseguiu se manter acima de suas críticas ao orientar as Super Águias para se classificarem para os dois últimos grandes torneios, a Copa do Mundo FIFA 2018 e a AFCON 2019, com um jogo de sobra em cada campanha. classificação.

Mas as duras críticas foram intermináveis ​​em um ano em que os Super Eagles não conseguiram vencer nenhum dos quatro jogos disputados em 2020, incluindo jogos consecutivos contra a humilde Serra Leoa.

O ex-ala do Ajax Babangida diz que a razão pela qual os Super Eagles têm lutado para vencer partidas de futebol nos últimos anos é que o time abandonou sua cultura futebolística.

“Nunca conhecemos a Nigéria como um país que chuta e segue o futebol, mas já perdemos nossa cultura futebolística na África”, disse Babangida Soco.

“Temos uma cultura de jogo própria, assim como os brasileiros, e acho que só Nigéria e Brasil têm essa cultura no futebol. Mas nós o perdemos.

“Você vai descobrir que toda vez que jogarmos com qualquer time com qualquer tática que eles possam pensar, eles facilmente caem quando começarmos a jogar.”

Rohr foi atingido várias vezes por preferir jogadores estrangeiros a jogadores da liga nacional, e Babangida acredita que a política de recrutamento da seleção do ex-técnico do Bordeaux é falha.

“Agora mudamos e não estamos procurando jogadores que se adaptem ao sistema. E depois achamos difícil porque jogamos com o sistema defensivo em 4-4-2, e é por isso que sempre temos problemas.

“A Nigéria é um país com muitos jogadores em potencial, e o único país que pode competir com a Nigéria em potencial é o Brasil.

“Somos quase iguais a eles e é por isso que sempre vencemos outros africanos ou outras nações quando os jogamos, porque temos a qualidade, temos o grupo e também temos a cultura. Mas foi essa cultura que perdemos “, concluiu o ex-extremo do Super Eagles.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *