No Brasil, assessor de Lula quer adiar eleição de líder de banco interamericano Por Reuters


Por Marcela Ayres e Rodrigo Viga Gaier

BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) – Um assessor do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva quer adiar a eleição de 20 de novembro para o líder do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) até o próximo ano e busca apoio dos Estados Unidos Estados para o movimento.

O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, que está na equipe de transição de Lula, disse que enviou uma carta à secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, e conversou com representantes de outros países latino-americanos “para procurar um candidato que represente o sindicato.

“O governo Bolsonaro não conseguiu convencer ninguém, os países não gostam do governo Bolsonaro e da gestão Bolsonaro”, disse ele em entrevista ao canal de televisão GloboNews, acrescentando que conversou com Lula sobre sua decisão.

O ex-presidente Jair Bolsonaro indicou o ex-presidente do banco central Ilan Goldfajn para concorrer ao cargo de líder do BID. Mas os aliados de Lula questionaram a legitimidade de sua candidatura, argumentando que a eleição do BID deveria ser adiada para o próximo ano para que a indicação do Brasil possa refletir seu governo recém-eleito.

O Tesouro dos EUA não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Na quarta-feira, Mantega disse à Reuters que estava conversando com “vários governadores” do BID para adiar a eleição até a posse de Lula, em 1º de janeiro.

“Basta um terço dos membros não comparecer para adiar a votação”, disse Mantega.

De acordo com as regras do BID, o quórum para qualquer reunião deve ser a maioria absoluta dos governadores, incluindo a maioria dos membros regionais, “representando não menos que dois terços do poder total de voto dos países membros”.

O Tesouro dos EUA, que disse que não indicará nenhum candidato, tem 30% do poder de voto no banco, seguido por Brasil (11%) e Argentina (11%). Colômbia e Chile têm 3% cada um.

Uma fonte, que trabalha no BID e confirmou a carta inicialmente, disse que as chances de um adiamento são improváveis, já que vários outros países da região esperam que seus candidatos substituam Mauricio Claver-Carone, ex-chefe do BID, que foi deposto em um escândalo de ética. .

A Argentina anunciou na sexta-feira que nomeará a secretária de Relações Econômicas Internacionais, Cecilia Todesca Bocco, como candidata. O vice-governador do Banco Central do México, Gerardo Esquivel, e o ex-ministro da Fazenda do Chile, Nicolás Eyzaguirre, também concorrem ao cargo.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.