Noites brasileiras do ponto de vista de um animal

O Zoológico de Brasília costuma se preocupar com animais doentes descobertos nas ruas da cidade em que está sediado. Esta relação em mudança entre a expansão urbana e o mundo natural é o centro das atenções no documentário de Ana Vaz. É noite na América (é noite na América). O uso de filmes 16mm vencidos acentua o estado precário em que esses animais vivem e, através de sua própria forma, o filme busca reequilibrar as hierarquias humano/animal.

Uma vez vencido, o filme de celulóide tende a ser indesejável, pois não é comercialmente viável. A granulação torna-se maior e mais suave, a exposição pisca de forma inconsistente e as cores mudam de matiz. Não é diferente de como um corpo lida com uma infecção. É como se o filme estivesse respirando pesadamente enquanto tenta segurar cada quadro. Os animais que Vaz observa ocupam uma área cinzenta semelhante, forçados a se adaptar à vida da cidade em uma região que já foi destinada a eles, muitas vezes contraindo cinomose no processo.

É incomum que tantos animais apareçam nas ruas de Brasília, ou é a expansão urbana que toma conta daquele ambiente a verdadeira intrusão? Ao longo do filme, telefonemas e depoimentos em áudio detalham a variedade de maneiras pelas quais os animais chegam aos cuidados do zoológico, muitas vezes transmitidos com descrença. Essas anedotas fazem as situações parecerem sensacionais, mas sua frequência ilustra a magnitude do problema. O restante do áudio do filme está repleto de ruídos de animais, como se estivessem conversando com humanos ou fazendo uma ligação e respondendo.

Do É noite na América

Vaz oferece uma variedade de formas alternativas de visualização. Através da névoa do filme vencido, os passeios noturnos se transformam em nebulosas borradas. Em uma sequência, um mamífero é capturado em close-ups em movimento lento que traçam o pelo, os olhos e a boca do animal, e o grão de cor azul o torna uma superfície visualmente tátil. Essas imagens parecem familiares, mas isso é um ponto de vista humano ou de um animal perdido em Brasília?

O cinema há muito imbuiu a noite com um senso de mística. Nos dias anteriores ao filme colorido, o celulóide era tingido de azul para marcar as cenas noturnas. Isso perdurou na era da cor por décadas, com filtros e produtos químicos usados ​​como parte do processo dia-a-noite, uma maneira de forjar uma noite perfeitamente controlada. é noite na América aponta para essa história em sua sequência de abertura, uma série de planos panorâmicos do horizonte de Brasília banhado em azul profundo. À medida que as tomadas aceleram junto com uma paisagem sonora que funde os ruídos da cidade e os chamados dos animais, os prédios se desfocam, transformando a cidade em um lugar que não existe. Aqui está outra forma alternativa de ver, pois os aviões imitam o voo de um pássaro desorientado.

Do É noite na América

é noite na América dá às formas liminares um protagonismo que normalmente não lhes é concedido. O título incorpora isso. A palavra “América” ​​é frequentemente associada apenas aos Estados Unidos, com vista para o Hemisfério Ocidental em geral. Existem perspectivas alternativas que oferecem maneiras de olhar mais profundamente.

É noite na América estreias no Festival Internacional de Cinema de Locarno (a partir de agora até 13 de agosto em Locarno), e também jogará no Festival Documentário Cidade Aberta (de 7 a 13 de setembro em Londres).

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.