Número de incêndios na Amazônia brasileira atinge alta de cinco anos em agosto

(MANAUS, Brasil) – Mais incêndios queimaram na floresta amazônica brasileira em agosto do que em qualquer mês em quase cinco anos, graças a um aumento no desmatamento ilegal.

Sensores de satélite detectaram 33.116 incêndios de acordo com o instituto espacial nacional do Brasil. Os meses da estação seca de agosto e setembro são tipicamente os piores tanto para o desmatamento quanto para os incêndios.

Foi também o pior agosto para incêndios em 12 anos. Isso inclui agosto de 2019, quando imagens da floresta tropical em chamas chocaram o mundo e atraíram críticas de líderes europeus. Bolsonaro havia assumido o cargo recentemente e estava virando de cabeça para baixo a aplicação da lei ambiental, dizendo que criminosos não deveriam ser multados e prometendo o desenvolvimento da Amazônia.

O presidente de extrema-direita minimizou os incêndios violentos na época e continua a fazê-lo hoje. Ele disse à rede Globo em 22 de agosto, o pior dia para focos de incêndio em 15 anos, que as críticas fazem parte de um esforço para minar o agronegócio do país.

Consulte Mais informação: O Brasil está queimando, e o ministro do Meio Ambiente do presidente Bolsonaro está retirando mais proteções

“O Brasil não merece ser atacado dessa forma”, disse Bolsonaro, que está em campanha pela reeleição.

Os incêndios são evidentes mesmo a várias centenas de quilômetros de distância na maior cidade da Amazônia, Manaus, onde a fumaça paira no céu há semanas.

O fogo na Amazônia quase sempre é feito deliberadamente, principalmente para melhorar a pastagem do gado ou para queimar árvores recém-abatidas quando secas. Os incêndios muitas vezes ficam fora de controle e se espalham para áreas virgens da floresta.

Após uma calmaria com chuvas excepcionalmente altas no início de agosto, as chamas começaram a se espalhar rapidamente, disse Ane Alencar, coordenadora do projeto Mapbiomas Fire, administrado por uma rede de organizações sem fins lucrativos, universidades e startups de tecnologia.

“A taxa de desmatamento é muito alta. Isso significa que há muitas árvores derrubadas prontas para queimar ”, disse Alencar à Associated Press em uma entrevista no Zoom. A temporada de incêndios será ainda mais intensa em setembro.”

Cerca de 20% da área queimada na Amazônia este ano foi desmatada recentemente. Alguns estão dentro de áreas protegidas visadas por grileiros, de acordo com uma análise do Center of Life Institute, uma organização sem fins lucrativos brasileira, com base no Global Fire Emissions Database da NASA.

Consulte Mais informação: Facebook perdeu desinformação eleitoral nos anúncios do Brasil

Um exemplo é o Parque Estadual Cristalino II, em Mato Grosso, área protegida recentemente declarado ilegal por um tribunal estadual. A Procuradoria do Estado recorreu dessa decisão, mas a dissolução legal pareceu dar licença aos desmatadores, desencadeando uma onda de destruição. Somente nas últimas semanas, o incêndio destruiu quase 40 quilômetros quadrados no parque, apesar da presença de bombeiros, de acordo com o Center of Life Institute.

O incêndio generalizado significa que o Brasil não está conseguindo reduzir as emissões de gases de efeito estufa, já que quase metade da poluição de carbono do país vem da conversão de terras. A floresta amazônica é um grande sumidouro de carbono para o planeta, mas a queima de madeira libera esse carbono na atmosfera.

Durante a cúpula climática da COP26 no início deste ano, o governo Bolsonaro prometeu interromper todo o desmatamento ilegal até 2028. Até agora, durante seu mandato, a perda de florestas aumentou para um máximo de 15 anos.

“Se o Brasil quer reduzir suas emissões de carbono, a primeira coisa a fazer é reduzir o desmatamento. E a segunda é reduzir o uso do fogo”, disse Alencar.

A cobertura de clima e meio ambiente da Associated Press é apoiada por várias fundações privadas. Veja mais sobre a iniciativa climática da AP aqui. O AP é o único responsável por todo o conteúdo.

Mais histórias de leitura obrigatória da TIME


Contate-nos em [email protected]

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.