Número de mortos sobe após fortes chuvas no Brasil provocarem enchentes e deslizamentos de terra

Emitida em:

Chuvas torrenciais no nordeste do Brasil deixaram pelo menos 79 mortos e dezenas de desaparecidos, disseram autoridades da defesa civil no domingo, enquanto equipes de resgate aproveitavam uma calmaria nas chuvas para procurar sobreviventes.

“A partir das 18h00 (21h00 GMT) deste domingo, o número de mortos pelas chuvas chega a 79”, informou a autoridade de defesa civil do estado de Pernambuco, onde estão localizadas as comunidades afetadas pelas chuvas. Recife e Olinda. em uma frase.

O desastre é o mais recente de uma série recente de deslizamentos de terra e inundações mortais provocados pelo clima extremo no Brasil.

O número de mortos aumentou de forma constante no fim de semana, incluindo dezenas de deslizamentos de terra, já que fortes chuvas causaram o transbordamento de rios e a lama varreu tudo em seu caminho.

A última declaração da defesa civil não forneceu uma atualização sobre o número de pessoas desaparecidas, embora a agência tenha relatado anteriormente que 56 pessoas ainda estavam desaparecidas e quase 4.000 perderam suas casas.

“Ainda não temos um número exato, mas ainda há relatos de vítimas… que não foram encontradas”, disse o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, em entrevista coletiva.

“A busca continuará até que possamos identificar todas as pessoas desaparecidas”, disse ele.

As autoridades alertaram que a chuva deve continuar na segunda-feira, mas, enquanto a tempestade diminuiu, cerca de 1.200 pessoas, algumas em barcos ou helicópteros, retomaram os esforços de busca e resgate, disseram autoridades estaduais.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira, pediu cautela em uma entrevista coletiva no domingo em Recife, capital do estado de Pernambuco.

“Embora tenha parado de chover agora, prevemos chuva forte para os próximos dias”, disse ele.

“Então, a primeira coisa é manter as medidas de autoproteção.”

Entre a noite de sexta e a manhã de sábado, o volume de chuvas chegou a 70% do previsto para todo o mês de maio em alguns pontos do Recife.

‘Duro’

Imagens divulgadas na mídia local mostraram equipes de resgate e voluntários limpando montes de escombros no Jardim Monteverde, na divisa entre Recife e o município de Jaboatão dos Guararapes, onde 19 pessoas morreram na manhã de sábado em um deslizamento de terra que destruiu casas mal construídas.

Luiz Estevão Aguiar, que mora em outro município, perdeu 11 parentes no desastre, disse à TV Globo.

“Minha irmã, meu cunhado, 11 pessoas da minha família morreram. Foi difícil… eu não esperava isso”, disse ela entre lágrimas.

Perto dali, Flavio José da Silva procura desesperadamente por seu padrasto Gilvan nos escombros do que já foi sua casa.

Pouco depois de desmoronar, ele ouviu Gilvan dizer: “Estou aqui, no subsolo”.

“Esperamos encontrá-lo vivo”, disse Silva, animado, apontando para uma montanha de escombros.

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, disse no domingo que viajaria para Recife na segunda-feira.

No ano passado, centenas de brasileiros morreram em enchentes e deslizamentos de terra causados ​​por chuvas torrenciais.

Em fevereiro, mais de 230 pessoas foram mortas na cidade de Petrópolis, capital de verão do então império brasileiro no século 19, no estado do Rio de Janeiro.

No início do mês passado, mais 14 pessoas foram mortas por enchentes e deslizamentos de terra no estado.

Especialistas dizem que as chuvas da estação chuvosa no Brasil estão sendo aumentadas pelo La Niña, o resfriamento cíclico do Oceano Pacífico e pelas mudanças climáticas.

Como uma atmosfera mais quente retém mais água, o aquecimento global aumenta o risco e a intensidade de inundações de eventos extremos de chuva.

Os riscos de chuvas fortes são aumentados pela topografia e má construção em favelas construídas em áreas íngremes.

De acordo com o meteorologista Estael Sias, da agência MetSul, as fortes chuvas que atingem Pernambuco e, em menor escala, outros quatro estados nordestinos, são produto de um fenômeno sazonal típico chamado “ondas de leste”.

Ele explicou que são áreas de distúrbios atmosféricos que se deslocam da África para o litoral nordeste do Brasil.

“Em outras áreas do Atlântico, essa instabilidade forma furacões, mas no nordeste do Brasil tem potencial para muita chuva e até trovoadas”, disse.

(AFP)

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.