O abate de visons e o risco real de animais transmitirem o novo coronavírus – 12/11/2020

Só de olhar para a imagem de um desses animais, meu coração se parte. Na semana passada, os dinamarqueses prometeram massacrar cerca de 17 milhões de visons para evitar que uma versão, ou melhor, uma cepa diferente da nova circule pelo planeta. coronavírus. Traria uma mutação que, quem sabe, poderia em teoria torná-la ainda mais ameaçadora, talvez até comprometendo a eficácia das vacinas em teste.

Até aquele ponto, eu não tinha ideia de que um dos setores fortes da economia da Jutlândia seriam suas 270 fazendas de visons monumentais, e foi nessa península que os problemas eclodiram na Dinamarca. Até o momento, existem 12 casos confirmados na região de pessoas que foram infectadas com esta versão bombeada do Sars-Cov 2.

Pensei: vale a pena o sacrifício? Há quem aposte que sim. Não posso deixar de tremer, e não é que os milhões de animais abatidos tenham um destino menos cruel. Para minha surpresa, a cada ano, Dinamarca, Polônia e Holanda, os três países juntos, matam cerca de 50 milhões desses mamíferos fofos para se tornarem o casaco de madame, um costume que deveria estar desatualizado.

Falando da Holanda, para esquentar a discussão sobre a transmissão do novo coronavírus dos animais para o homem, estiveram cientistas de várias instituições de lá, liderados por virologistas da Universidade Erasmus de Rotterdam, que ontem, 10 de novembro, publicaram estudo em um jornal Prestigiado Ciências . Eles analisaram o que estava acontecendo em 16 das maiores fazendas de visons em seu país.

Bem, eles não apenas encontraram muitos animais contaminados pelo Sars CoV 2, como descobriram que 68% das pessoas que trabalhavam nesses locais ou que viviam com esses funcionários haviam sido infectadas com o novo coronavírus. Esta seria uma proporção muito maior do que a da população holandesa em geral.

Quem passou o Sars-CoV 2 para quem? E que outras espécies têm potencial para capturar e transmitir o vírus covid-19? Esta é uma questão importante de vigilância em saúde. “Afinal, sabíamos desde o início: estávamos diante de uma zoonose”, observa o infectologista Alexandre Naime Barbosa, professor da Unesp (Universidade Estadual Paulista), de Botucatu. Em outras palavras, estamos falando de uma doença que os animais podem transmitir aos humanos e isso – atenção! – os humanos podem transmitir aos animais. “É bom esclarecer isso: é sempre uma via de mão dupla”, diz o médico.

Eles eram morcegos no início?

É analisando o material genético, comparando diferenças muito pequenas do coronavírus encontrado em uma espécie com o coronavírus encontrado em outra espécie, que os cientistas tentam reconstruir a história e compreender essa agonia que a humanidade agora enfrenta. “No momento, a suspeita é de que o vírus infectou morcegos, passando para o pangolim, uma tatuagem asiática que não tem casca como a nossa e que foi vendida na feira de Wuhan”, diz o professor Barbosa.

O pangolim não tem os hábitos alimentares mais apreciáveis. Gosta de morder as fezes de outras pessoas. Você pode ter comido cocô infectado por morcego, por exemplo. Tudo é uma hipótese. A verdade é que o vírus encontrado nos pangolins vem dos morcegos e o vírus encontrado em pessoas como nós é mais próximo do dos pangolins.

Mas então tudo começou com alguém comendo um ensopado de tatu no jantar? Uau, talvez não! “O caçador desses animais tem mais chance de ter se contaminado pelo contato com eles”, diz o infectologista. Sim, animais infectados podem transmitir o vírus covid-19 pelo ar, como nós.

“Então, nosso caçador infectado teria ido à feira vender seu produto de caça e, como era um local de grande aglomeração, acabou transmitindo para vários frequentadores”, especula o professor. Na verdade, dados os danos que o novo coronavírus causou a quem visitou o mercado chinês, parece ainda mais plausível.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *