O acesso à Internet pode salvar a vida de quem mora em barracos, diz morador

Quebrada Tech

Beco com barracos de moradores do Jardim São Savério, no Fundão do Ipiranga (Arquivo Pessoal)

Residente cria campanha para arrecadar fundos para democratizar o acesso à Internet para 500 famílias afetadas pela falta de entretenimento e informação durante a pandemia de coronavírus na região do Fundão do Ipiranga, sul de São Paulo

Por Tamires Rodrigues

A moradora Maria Nilda, do Fundão do Ipiranga, sul de São Paulo, compromete-se a criar uma solução para que 500 famílias tenham acesso a Internet qualidade sem sair de casa em tempos de isolamento social imposto pela pandemia de coronavírus. Para isso, ela criou o projeto “Conexões contra Covid “, cujo objetivo é arrecadar fundos para construir uma infraestrutura de Internet gratuita, comunitária e de qualidade para quem mora na região.

Maria Nilda acredita que a Internet pode ajudar as famílias a passar por esse momento de isolamento. A realização veio após uma experiência pessoal. Ele ficou sem acesso à Internet em casa por alguns dias e não tinha opções para se distrair e trabalhar.

“Senti-me sozinho e violado, sem direito à comunicação, sem poder trabalhar, sem acesso ao lazer, sem saída. Por isso, recebi ajuda de alguns amigos que conheciam minha dificuldade. Recebi R $ 150 e paguei as contas pendentes”, diz ele. residente, poeta e médico em estudos comparativos da literatura portuguesa.

Com poucos recursos para se distrair, Nilda concentrou seu tempo lendo livros e planejando como essa situação poderia mudar, não apenas para ela, mas também para os moradores do território onde mora. “Eu li, escrevi e planejei a campanha”, lembra ele.

O projeto “Conexões contra a Covid” ajudará famílias que vivem em moradias precárias à beira do riacho São Francisco, que divide os bairros do Parque Bristol e Jardim São Savério, que fazem parte da região do Fundão do Ipiranga. Com os recursos captados, será construído um “espaço virtual”, onde a senha do Wi-fi será o mesmo e todos os moradores do bairro terão acesso a ele.

Neste momento, além de informar, comunicar, proporcionar entretenimento e cultura, o acesso à Internet pode salvar vidas, pois permite que você tenha algo a fazer, mesmo no pequeno espaço das cabines, sabia? “

Maria Nilda

A idéia de uma rede comunitária não veio com a pandemia e já era uma prática comum no bairro. “Durante anos, eu tinha uma rede de internet gratuita em casa. Meu nome de rede era ‘Desbloqueie seu wi-fi’ e eu não tinha senha. O bairro se amontoou à minha porta para aproveitar o sinal”, diz ele.

Em relação aos moradores que já possuem internet, a poeta diz que fará melhorias na rede com os recursos da campanha, deixando-os isentos do pagamento de mensalidades.

Juntamente com Nilda, o projeto firmou parceria com os grupos Posse Poder e Revolução, Edições Me Parió Revolução, Sindicato dos Moradores do Parque Bristol e Jardim São Savério.

Até o momento, a iniciativa levantou 20% da quantia necessária para estabelecer a infraestrutura da Internet da comunidade.

Aumentar as chances

Roberto Oliveira, 35 anos, mora no Jardim São Savério e compartilha a internet com o vizinho, pagando R $ 30 por mês. “Fede. Sempre cai”, diz ele.

Diante da possibilidade de ter uma internet de qualidade, com o apoio do projeto, Oliveira imagina como ele aproveitaria os recursos. “Podemos nos expressar mais, fazer visitas virtuais a museus, assistir filmes, documentários, escolher conteúdo, enviar currículos, vendas virtuais”, diz ele.

Para Oliveira, a alternativa de uma rede de qualidade pode ampliar o horizonte de informações dos moradores do bairro.

Basicamente, estamos restritos a canais abertos, onde o conteúdo não adiciona nada a nós. Acredito que, com a alternativa de inclusão, nossos caminhos teriam muito mais oportunidades, tanto educacionais, profissionais quanto de lazer “.

Roberto Oliveira

O dinheiro que você economizaria com a baixa taxa mensal da Internet, por sua vez, seria usado para melhorar sua casa. “É um valor que pode ser convertido em material de construção, para atingir o chão da casa”, diz ele.

Angelina Mota, 31 anos, mora com a casa de Oliveira com o marido e o filho. Ela também compartilha sua internet com o vizinho. No final do mês, a fatura é de R $ 30, mas o valor investido no serviço não tem reembolso para o usuário devido à qualidade da conexão. “A Internet é muito lenta, bloqueia muito”, diz ele.

Mota diz que ficou desempregada durante a quarentena e agora suas despesas são para suprir recursos essenciais. Ela acredita que o “espaço virtual” ajudaria a conter custos. “Eu usaria [o dinheiro economizado da internet] para as despesas do mês, porque com este covid-19 não sabemos como será. “

Hoje, Mota usa a Internet para aprender novas receitas e ajudar seus filhos na escola. “Agora que as crianças precisam estudar online, isso é difícil”.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *