O armador Bruno pronto para liderar o Brasil na busca pelo ouro olímpico de 2020

Bruno, da Seleção Brasileira desde 2015, é o jogador mais experiente da lista / foto da FIVB

O capitão da Seleção Brasileira, Bruno Rezende, colocou assim:

“As pessoas não esperam nada além do melhor de nós.”

Se o ano que antecede as Olimpíadas é aquele em que os jogadores de vôlei querem construir confiança para aquele que pode ser um dos maiores torneios de suas carreiras, ninguém se saiu melhor em 2019 do que o brasileiro Bruno. O armador de 33 anos fez uma temporada marcante tanto pelo clube quanto pela seleção nacional e vai entrar na sua quarta Olimpíada na condição de levar os sul-americanos, que disputaram as últimas quatro finais, a mais uma campanha de sucesso.

Filho do lendário técnico Bernardo Rezende, Bruno teve uma tremenda temporada no clube italiano Cucine Lube Civitanova ao vencer a Liga Italiana, possivelmente o campeonato nacional mais competitivo do planeta, a Liga dos Campeões da Europa e o Campeonato Mundial de Clubes, em que levou para casa o prêmio de Jogador Mais Valioso.

Com a camisa do Brasil, que usa desde 2005, Bruno ajudou o time a vencer a Copa do Mundo de Tóquio, o Campeonato Sul-Americano e, o mais importante, a qualificação olímpica da Bulgária, que garantiu aos brasileiros uma vaga em Tóquio a seguir. verão.

“Foi uma temporada de muito sucesso e importante para nós”, disse ele ao VolleyballMag.com. “Vários jogadores jovens tiveram a oportunidade de entrar para a equipe e ganhar um bom tempo de jogo e todos responderam bem. Agora, todas são opções reais para Renan (Dal Zotto, treinador principal) escolher para o elenco olímpico.

“E sendo Brasil, sempre há pressão por resultados e correspondemos às expectativas com nossa vitória na Copa do Mundo e na qualificação olímpica, que foram nossas prioridades em 2019. Tudo isso nos colocou em boa posição em 2020”.

A principal titular que envolveu a seleção brasileira no ano passado, porém, foi sem dúvida a estreia do atacante Yoandy Leal, de 31 anos. O cubano já era um dos nomes mais destacados do vôlei internacional e, após um longo processo, foi finalmente autorizado a vestir a camisa brasileira em 2019.

Ele foi um jogador fundamental na vitória do Brasil por 3 a 2 sobre a Bulgária, na partida que reservou a vaga do time nas Olimpíadas de Tóquio, e também teve um papel fundamental na vitória do time na Copa do Mundo. Para Bruno, que também tem Leal como companheiro de equipe na Lube Civitanova, a entrada do cubano é um grande impulso para a equipe.

“Não acho que seja necessário falar sobre o que ele traz para a equipe, é um jogador que faz a diferença em qualquer lugar do mundo e o jogo na Bulgária foi um grande exemplo”, acrescentou Bruno. “No início precisei de um tempo para entender e me adaptar ao nosso regime de treinamento, que é mais intenso do que a maioria, mas estava muito aberto e com vontade de ajudar e tudo se encaixou muito rapidamente.

“Ele é um grande jogador e se adaptou muito facilmente ao nosso grupo de jogadores, o que também foi muito bom de ver. Foi importante que pudéssemos construir esta unidade com ele. “

O Brasil conquistou o ouro olímpico em 2016, mas esta seleção de 2020 tem mais jogadores novos, então Bruno teve que assumir seu papel de liderança.

“Acontece depois de cada Olimpíada e alguns dos caras que dividiam comigo essa responsabilidade saíram do time como o Sérgio (Santos, líbero), Lipe (Fonteles, atacante), Murilo (Endres, atacante) e William (Arjona). , setter) ”, explicou. “Mas alguns caras como Lucas e Mauricio (Saatkamp e Souza, centrais) e Wallace (Souza, ao lado) se adiantaram e me ajudaram a orientar os mais novos. Mas todos eles são ótimas pessoas, é bom trabalhar com eles e vieram com a mentalidade certa, então foi um processo muito fácil. “

No entanto, pela primeira vez na carreira, Bruno será o jogador mais experiente do plantel brasileiro quando chegarem as Olimpíadas. Integrante da seleção desde 2005, o armador passou por muitas coisas desde então, inclusive sendo acusado de lucrar com o nepotismo em 2007, quando seu pai, que treinou a seleção nacional entre 2001 e 2016, o chamou para substituir o craque Ricardo Garcia. para os Jogos Pan-americanos.

Bruno foi reserva quando o Brasil levou a prata nas Olimpíadas de 2008, quando os sul-americanos perderam para os Estados Unidos na final, mas foi um dos jogadores mais importantes do time nas campanhas de 2012 e 2016, que resultaram em medalhas de prata e ouro, respectivamente. .

Bruno e seu pai, o técnico Bernardo Resende, depois de perder para os Estados Unidos nas Olimpíadas de 2008 / FIVB foto

Ele dividiu o campo com uma das gerações mais antigas do esporte, que contou com jogadores como os atacantes Gilberto ‘Giba’ Godoy e Dante Amaral, o zagueiro Gustavo Endres, contra André Nascimento e o líbero Sergio Santos.

“É difícil comparar as equipas, mas se há algo que continua igual é que estamos sempre entre os favoritos e as pessoas não esperam mais do que o melhor de nós”, reflectiu. “Então essa é uma responsabilidade com a qual estamos acostumados. Mas a verdade é que no ano passado houve seis ou sete equipes que estão todas em um nível muito semelhante, então tudo pode acontecer.

“Uma das coisas que ele nos ensinou nesta temporada foi que não podemos deixar de praticar. Começamos a Liga das Nações com muito pouco treinamento juntos e não podíamos jogar. Assim que passamos mais tempo juntos, vencemos a Copa do Mundo. Portanto, isso é algo que teremos em mente para as Olimpíadas. “

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *