“O artista do jogo deve ser multidisciplinar”, diz o orador da Path – 06/02/2019

Quem assiste a um jogo rodando na tela não consegue imaginar todo o trabalho por trás de todos esses gráficos detalhados. Designers de jogos, artistas e programadores têm dificuldade em saber o que produzir para agradar aos jogadores enquanto são competitivos no mercado.

A conferência intitulada “O fantástico mundo das artes nos jogos.“participou do Festival Path, o maior evento de inovação e criatividade do país, que acontece neste fim de semana, em São Paulo. Este ano, o evento é apresentado pelo TAB.

Uma arte funcional

O artista Lucas Silva, do estúdio Mad Mimic, que mediou a mesa com Thiago Girello e Lígia Muraro, que trabalham na mesma profissão, lembrou a importância da satisfação do jogador para quem quer começar neste mercado.

“No começo, pensei que ser artista em jogos estava apenas fazendo os jogos parecerem bonitos. Há muitas coisas que aprendi ao longo do tempo. O artista precisa se colocar no lugar do jogador e entender que precisa saber se um inimigo é mais ou menos perigoso, por exemplo, esse é todo o nosso trabalho “, explica ele.

Lígia Muraro, coordenadora de artes dos jogos, acredita que a artista que trabalha com jogos eletrônicos é especial por ter que pensar de forma multidisciplinar. “Ele sabe que precisa entregar um trabalho focado na interação que o designer do jogo poderá executar”, explica ele.

Em sua equipe na Tapps Games, Muraro possui profissionais que variam de animação a publicidade. E ele diz que entender essa necessidade de se adaptar a algo funcional é muito importante.

“Distortions” (PC), por Among Giants, foi lançado em 2018 via Steam

Imagem: Divulgação

Referências externas

“Nos jogos, existe algo chamado design de produção, ou seja, usar o cenário e as roupas dos personagens para explicar a narrativa, sem recorrer a cenas”, disse Thiago Girello, criador do Among Giants, um estudo focado em títulos de direitos. hardcore do autor para o público adulto

Girello lembrou a importância de não criar mais do mesmo, o que é prática comum em muitos jogos. Ele acredita que a solução pode ser procurar referências fora do mundo dos jogos, como nos filmes.

Ele estudou cinema e foi por causa do charme da casa de um amigo com o jogo “Shadow of the Colossus”, do estúdio Team Ico, lançado em 2005 para o PlayStation 2, que ele decidiu que seu caminho seria de jogos. Thiago e seu amigo tiveram a idéia de criar um jogo, o resultado só veio 10 anos depois: “Distortions”, lançado em 2018 no Steam.

Ele afirma que este é o seu trabalho mais expressivo no universo, mas não floresce de onde vem o dinheiro. “O mercado de jogos é difícil, não tem muitas oportunidades e não ganha muito dinheiro. O jogo em que trabalhei por 10 anos não é o que ganho. Ganho mais prestando serviços aos produtores de jogos. O trabalho é Não pode ser radical “, explica ele sobre o conflito entre seguir grandes idéias criativas e o mercado que oferece desempenho financeiro nos jogos.

Sombra do Colosso

Shadow of the Colossus foi lançado em 2005 para PS2 e ganhou um remake do PS4 em 2018

Imagem: Divulgação

You May Also Like

About the Author: Maria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *