O CEO da AstraZeneca explica o atraso da vacina: “Os problemas vêm da Bélgica e da Holanda”

AstraZeneca não planeja entregar apenas um quarto de suas doses de vacina para a UE contra o coronavírus inicialmente previsto. Em meio às tensões com a Comissão Europeia, Pascal Soriot queria defender sua empresa.

O CEO da AstraZeneca falou sobre um atraso de produção de dois meses. “Gostaríamos de produzir mais”, disse ele ao diário italiano La Repubblica. “Os problemas atuais estão relacionados à fabricação da própria vacina”. Essas preocupações são observadas em duas fábricas da empresa, uma na Bélgica e outra na Holanda.

Pascal Soriot explica que a fabricação da vacina depende do sucesso da cultura de células, que varia de fábrica para fábrica. No entanto, a fabricação da vacina para a Europa é feita na Holanda e na Bélgica, locais com “a menor produtividade da rede”. “Não estamos fazendo isso de propósito. Eu mesmo sou europeu e tenho a Europa em meu coração. Tratamos a UE com justiça”, disse ele.

Assim que a vacina for aprovada na Europa, a AstraZeneca administrará imediatamente pelo menos três milhões de doses na Europa. “Outra parcela chegará uma semana depois e outra na terceira ou quarta semana de fevereiro”, prometeu Soriot. “A meta é entregar 17 milhões de doses até fevereiro. Não são tantas quanto o esperado, mas não é tão ruim assim”.

“Nossa equipe trabalha 24 horas por dia, 7 dias por semana para resolver problemas de produção. Lembre-se, fizemos tudo isso em questão de meses. Geralmente leva anos”, concluiu.

O chefe da farmacêutica também alertou que o Reino Unido seria o primeiro a ser atendido. Embora a AstraZeneca tenha enfrentado atrasos na cadeia de abastecimento do Reino Unido, “o contrato com o Reino Unido foi assinado três meses antes do acordo com a Europa. Portanto, tínhamos mais três meses para resolver quaisquer problemas.”

100% de proteção da primeira dose

Pascal Soriot também voltou a alegar a ineficácia da vacina. Segundo ele, oferece “100% de proteção contra doenças graves e hospitalização” após uma única dose e tem “uma eficácia geral de 71 a 73%”. O CEO da AstraZeneca defende a estratégia de dose única, que o Reino Unido está implementando em particular. “A segunda dose é necessária para proteção a longo prazo”, ele recomenda administrar apenas dois a três meses após a primeira.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *