O cuidador ocupa a casa de uma velha que morreu de cobiça; versão da pergunta das filhas – 09/09/2020

Uma cuidadora de 33 anos ocupou irregularmente a casa de uma senhora idosa, que morreu de um suspeito covid-19 em meados de março na Espanha, e seu corpo foi cremado sem que suas duas filhas soubessem. A polícia está investigando o caso.

Segundo informações do jornal “El Mundo”, Pilar, 75, era viúva, morava sozinha e contava com a ajuda de uma auxiliar, Rosa, a peruana, havia cerca de um mês e meio. A velha teria morrido em consequência do covid-19 e seu corpo teria sido cremado, sem que as duas filhas fossem informadas.

Rosana, uma das filhas de Pilar, disse não acreditar na versão contada pela cuidadora e que o caso é muito pior do que ela imaginava.

“Eu gostaria de saber o que aconteceu com minha mãe. coronavírus e fiquei 30 dias hospitalizado. Quando soubemos da morte dela, já a haviam cremado ”, disse Rosana.“ Acho que minha mãe não morreu naturalmente e faremos todo o possível para esclarecer o que aconteceu. Temos indicações de que [a assistente] ele foi capaz de fazer algo ”, acrescentou.

Rosana disse que sua mãe estava acompanhada por outro cuidador, que partiu em fevereiro. Rosa, então, foi recomendado. No início, trabalhava apenas duas horas por dia limpando a casa.

“No final de março, fui hospitalizado por coronavírus, mas tive contato diário com minha mãe durante os dias de pico da pandemia. Um dia antes de sua morte ela estava bem e não sabemos o que aconteceu com ela porque o atestado médico indica que minha mãe morreu de possível covid-19 “, relatou.

De acordo com as primeiras investigações, Rosa disse ao agente funerário por telefone que Pilar não tinha família. Ela apresentou autorização para enterrar o corpo e também deu cópia da carteira de identidade de Pilar e dela mesma.

Em declaração à polícia, o agente funerário reconheceu que Rosa contratou o serviço de incineração por telefone devido ao caráter excepcional da situação pandêmica na Espanha naquela época.

A cuidadora também usurpou a casa da idosa e disse que em seu país de origem as pessoas que cuidam de idosos ficam em casa quando morrem. “Pilar autorizou-me a ficar com a casa”, justificou o zelador, que pediu 15 mil euros para sair e sair do local.

“Achamos que ela forjou tudo. Minha mãe estava muito desconfiada e não acho que ela poderia assinar essa procuração. Minha mãe não deu a ela as chaves da casa quando a contratou e ela sempre abria a porta. Não sabemos como ela tinha as chaves. As chaves da casa. e o motivo pelo qual a encontraram morta ”, reforçou Rosa, filha de Pilar.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado Castilho

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *