“O derby de Milão é como a Argentina contra o Brasil”


O ex-atacante do Inter, Adriano, disse que o Derby della Madonnina é semelhante à rivalidade entre Brasil e Argentina, de acordo com uma reportagem da mídia italiana.

Falando durante um episódio de Carreiras que é feito por entre tv S DAZNatravés de FCInternoticiaso ex-atacante brasileiro foi questionado sobre as vezes que jogou pela Inter contra o Milan.

“Como posso descrevê-lo? É como a Argentina contra o Brasil. É uma grande responsabilidade, há tudo nesse jogo, tantas emoções ao mesmo tempo.

“Eu até quero chorar pensando nisso, é uma emoção enorme. Quando voltei ao estádio para o derby, um filme inteiro passou pela minha cabeça, foi estranho, mas muito emocionante”.

Ele marcou contra os rossoneri durante seu tempo no Inter e diz que não há como explicar como é quando você faz isso no San Siro.

“Não há como explicar. É difícil explicar como você vive este jogo, quem já jogou o derby sabe disso, antes do jogo estamos todos concentrados e querendo ir bem, mas quando se fala de derby é bom, mas também é uma imensa responsabilidade”.

Adriano tem sido frequentemente comparado a Ronaldo porque ambos são brasileiros e têm uma construção e estilo de jogo semelhantes. No entanto, Ronaldo fez mais de sua carreira no final. Adriano acha que não tem comparação.

“Não, não tem comparação, ele é um fenômeno, mostrou isso na carreira. Mostrei que poderia ser assim, mas não há comparação, não podemos ser iguais.

“Ele me levou para Pinetina porque morei na casa dele por um tempo e lembro que ele sempre me disse que se eu quisesse ir longe tinha que lutar e sempre pensar no futuro para ajudar minha família. Ele era como um irmão mais velho para mim.”

Um dos amigos mais próximos de Adriano na Inter era Marco Materazzi e ele falou sobre sua relação com o ex-zagueiro da Inter e da Itália.

“Quando eu estava bem, era difícil segurar. Materazzi, quando eu não jogava o meu melhor e depois fazia uma grande partida, ele sempre dizia ‘o Imperador está de volta’.

“O importante para mim é que, quando estava em campo, sempre fiz tudo pelo meu time. Quando passei por momentos difíceis, o Inter sempre esteve ao meu lado e ter amigos que me viram não só como jogador, mas também como irmão foi muito importante e agradeço a todos por isso.

“Tenho que agradecer aos torcedores que sempre tiveram muito carinho por mim, vocês me deram esse nome, ‘Imperador’, e até hoje acho difícil perceber que foi para mim. Cada vez que venho a Itália sinto que me amam e é uma grande satisfação, esta será sempre a minha segunda casa”.


You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.